Anaconda gigante é flagrada e vídeo mostra tudo, veja!

PARTILHAR

Vídeo viralizou nas redes sociais e gerou vários comentários; Anaconda é flagrada atravessando estrada alagada; veja vídeo abaixo e se assuste!

O vídeo de uma sucuri de, aproximadamente, 4 metros atravessando uma estrada de barro, que dá acesso a uma área de mata deu muito o que falar nas redes sociais. As imagens foram feitas, supostamente, nas proximidades do rio Xingú, no Pará. O animal espanta pelo tamanho, gerando muitos comentários.

A sucuri, por sua vez, parecia não se incomodar com a presença do cinegrafista, um pescador local, que ficou admirado. “Essa é grande, viu? Olha o tamanho dessa cobra! É a sucuri, anaconda e, agora, vai embora”, ao ver a serpente entrar no matagal.

Também conhecidas como anacondas, as sucuris (Eunectes spp.) estão entre as maiores cobras do mundo – e ficam em primeiro lugar no continente americano nesse quesito. Seu tamanho só é ultrapassado pela sua prima asiática, a píton reticulada (Python reticulatus), conhecida como “comedora de macacos”.

Há inúmeras lendas arrepiantes sobre sucuris devoradoras de gente. Um dos exemplos de que explorar essa crença dá audiência é o filme “Anaconda”, dos Estados Unidos. A serpente de 15 metros até vomita um homem inteiro para comer os outros personagens do filme.

Anaconda

A Sucuri, popularmente chamada de ‘Anaconda’, é uma das maiores serpentes não peçonhentas do planeta. Ela pode chegar a 11,5 metros, é carnívora e habita, principalmente, à beira d’água de rios e igarapés.  Ela mata suas vítimas por constrição. 

Acompanhe o vídeo do flagra: 

Histórias de pescador sobre as sucuris

Pescadores inventam histórias sobre sucuris que engolem pessoas. Entretanto, como em toda a história de pescador, deve-se ter tanto cuidado com a sucuri como com os exageros.

Há casos de mortes humanas, mas são raros. Na maioria das vezes, essas enormes serpentes evitam humanos. Para que uma sucuri ataque uma pessoa, ela deve estar faminta ou defender filhotes no ninho. De todo modo, devido ao seu tamanho e força, como sucuris são muito perigosas para o ser humano.

A família Boidae

As sucuris fazem parte da grande família Boidae , que agrupa todas as serpentes constritoras, aquelas que apertam as presas até sufocá-las.

Existem quatro espécies: sucuri verde ( Eunectes murinus ), sucuri amarela ( Eunectes notaeus ), sucuri pintada ( Eunectes deschauenseei ) e sucuri boliviana ( Eunectes beniensis ). As duas primeiras são as mais próximas.

Eunectes murinus é a maior serpente do continente americano e pode atingir até 10 m de comprimento, mas isso é raro. Quem atinge essa medida com mais freqüência é sua irmã do Sudeste Asiático, a Python reticulatus . Entretanto, a sucuri é maior em diâmetro, ou seja, mais larga.

Rápidas na água

As sucuris não são venenosas. Possuem dentição áglifa, sem dentes inoculadores de veneno. Mas a mordida poderosa atordoa a presa, que é rapidamente envolvida pelo corpo forte e robusto da serpente.

Essas cobras vivem próximos a rios e lagos. Possuem hábito semi-aquático e, apesar de lentas na terra, são muito ágeis dentro d’água. A prova disso não está no nome do gênero Eunectes , que significa “boa nadadora”.

Abraço de sucuri é fatal

Elas se enrolam ao redor da presa que é levada para a água, onde morre por afogamento. O “abraço” forte das sucuris também pode matar suas vítimas por asfixia – cada vez que a presa expira, a serpente aperta mais até impedir a respiração por completa.

Embora relatos populares afirmem que a sucuri verde é capaz de engolir um boi, os bezerros é que são suas matadas. Não cardápio das Eunectes spp . aqui-se ainda capivaras, veados, peixes, tartarugas e jacarés. Há casos de canibalismo (quando o animal devora outro da espécie) devido a longos períodos de fome.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.