Arroba a R$ 285 com apagão do boi e pressão da indústria

Arroba a R$ 285 com apagão do boi e pressão da indústria

PARTILHAR
meio-sangue-angus-fazenda-tres-muchachas
Foto: Fazenda Três Muchachas

Nesta segunda-feira, 30, negócios com boiada ocorrem a conta-gotas, e preços mistos com indústria avaliando mercado doméstico e pressionando os preços!

O mercado físico de boi gordo registrou preços de estáveis a mais baixos nesta segunda-feira. Segundo o analista de Safras & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, o dia registrou inexpressivo fluxo de negócios, com muitos frigoríficos sequer abrindo seus preços, apenas avaliando as melhores estratégias de compra para o restante da semana. Entretanto, valor de até R$ 285,00/@ foram ofertados nas praças paulistas, segundo negócios informados no app da Agrobrazil.

As indústrias frigoríficas continuam cautelosas nos seus processos de compra de gado, tanto pela inconsistência das vendas de carne bovina até aqui (mercado doméstico), como também para avaliar melhor as perspectivas de oferta e demanda para os próximos dias”, relata a consultoria IHS.

Em São Paulo, o valor médio para o animal terminado chegou a R$ 280,29/@, na segunda-feira (30/11), conforme dados informados no aplicativo da Agrobrazil. Já a praça de Goiás teve média de R$ 264,28/@, seguido por Mato Grosso Sul com valor de R$ 262,84/@.

Já o Indicador do Cepea, abriu a semana cotado a R$ 283,75, com uma alta de 4% em relação a última sexta-feira. Ainda segundo o Indicador, esse teve média liquidação do boi vencimento novembro de R$ 282,80/@.

Na avaliação da IHS, os frigoríficos temem um estreitamento ainda maior de suas margens operacionais diante de possibilidade de novas quedas nos preços da proteína bovina no mercado atacadista. Mesmo depois das baixas nas cotações dos cortes bovinos, o fluxo de venda da carne bovina ainda se mostra abaixo das expectativas, acrescenta a consultoria. 

“A maior concorrência de outras proteínas também neutraliza a possibilidade de preços firmes no momento”, avalia a IHS, acrescentando que, nos próximos dias, o comportamento das vendas entre atacado e varejo será decisivo para um melhor direcionamento dos preços da arroba no mercado físico.

Pelo lado da oferta de boiadas, o cenário não apresenta grandes mudanças, visto que a disponibilidade de gado segue bastante escassa, o que impossibilita movimentos de baixa mais intensos sobre os preços da arroba.

Giro do Boi Gordo pelo Brasil

  • Em São Paulo, Capital, os preços do mercado à vista ficaram em R$ 278 a arroba, estáveis.
  • Em Uberaba, Minas Gerais, os valores ficaram em R$ 273 a arroba, ante R$ 274 na sexta-feira.
  • Em Dourados, no Mato Grosso do Sul, os preços ficaram em R$ 269 a arroba, ante R$ 270.
  • Em Goiânia, Goiás, o valor indicado foi de R$ 265 a arroba, contra R$ 270.
  • Já em Cuiabá, no Mato Grosso, a cotação estabilizou em R$ 265 a arroba.

Atacado

No mercado atacadista, os preços da carne bovina ficaram estáveis após a queda registrada na sexta-feira. Segundo Iglesias, o mercado aguarda por nova correção dos preços ao longo da semana, com potencial queda nos cortes menos nobres, com osso.

“Esse movimento gera alguma estranheza em função da boa demanda que costuma marcar esse período. No entanto, os preços subiram de maneira muito agressiva, resultando numa saturação da demanda, que simplesmente buscou por alternativas, e a carne de frango ganhou a predileção do brasileiro médio. Os cortes congelados também apresentaram queda no início da semana, mas importante destacar que os preços seguem em patamar bastante altos”, destaca.

Com isso, o corte traseiro permaneceu em R$ 20 o quilo. O corte dianteiro seguiu em R$ 16,00 o quilo, e a ponta de agulha continuou em R$ 15,55 o quilo.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com