Arroba desceu de elevador e vai subir de foguete, confira!

PARTILHAR
Foto: Gilson Paulo Costa.

Mudança no cenário, a inversão do ciclo pecuário e o encurtamento das escalas de abate, se unem ao preço recorde pago pela carne bovina exportada para, agora, garantir que os preços da arroba vão subir de foguete!

Depois de atingir o menor patamar de preços durante a semana, os valores da arroba no mercado físico de boi gordo registrou preços, predominantemente mais altos, nesta sexta-feira, 17. O pecuarista já começa a observar uma maior procura pelo animal terminado, principalmente nas praças paulistas que, neste momento, possuem escalas de abate apertadas.

Apesar da avaliação do mercado ter apontado para um fluxo de negociações ocorrendo de maneira mais lenta do que o habitual, mesmo para um fim de semana, o feriado de quinta-feira, trouxe uma melhora no consumo interno e, atrelado a esses fatores, a entressafra do boi chegou para trazer novas valorizações nos preços pagos pelo boi.

Em um ambiente onde as escalas de abate seguem com uma média Brasil de 8 dias úteis, as indústrias já estão sentindo uma maior escassez na oferta de animais para abate, de forma generalizada. “As condições delimitadas apontam para a intensificação do movimento de alta no curto prazo”, disse Iglesias da Agência Safras.

No fechamento da semana, com frigoríficos aumentando a procura, as cotações subiram, apontou a Scot Consultoria. A cotação do boi gordo subiu R$3,00/@, a da vaca gorda R$1,00/@ e da novilha gorda R$2,00/@. A referência para o boi gordo está em R$303,00/@, para a vaca gorda em R$275,00/@ e para a novilha gorda R$296,00/@, preços brutos e a prazo. 

Bovinos destinados ao mercado chinês estão sendo negociados por R$315,00/@. Preços acima dessa referência foram reportados, mas com poucos negócios, o que já simboliza uma melhora nos preços. O pecuarista de Icém, interior de São Paulo, informou negociação de R$ 315,00/@, com pagamento à vista e abate para o dia 21 de junho, apontou a Agrobrazil.

Após abrir a semana com um valor de R$ 311,05/@, o Indicador do Cepea Boi Gordo, encerrou a semana cotado a R$ 320,50/@. A valorização de R$ 9,45/@, mostra que o mercado já saiu do piso e agora busca novamente o teto das cotações para o período. Segundo alguns analistas, devemos ver os preços alcançar até R$ 335,00/@, principalmente para animais que atendem o padrão exportação.

“As condições delimitadas apontam para a intensificação do movimento de alta no curto prazo”

Iglesias da Agência Safras

Restrição na oferta e queda nas escalas de abate

Segundo o relatório da Agrifatto, a média nacional das programações de abate recuou para 8 dias úteis, 1 dia a menos no comparativo semanal, sendo este o menor nível desde a terceira semana de abr/22.

  • Em São Paulo, as indústrias fecharam a sexta-feira com 9 dias úteis programados
  • No Pará, as escalas de abate se encontram na média de 13 dias úteis, 5 dias de queda no comparativo semanal.
  • As indústrias mineiras, sul-mato-grossenses e rondonienses encerraram a semana com as escalas próxima dos 8 dias úteis
  • Em Goiás, Mato Grosso e Tocantins, as programações de abate estão próximas dos 6 dias úteis.

Exportações como combustível para alta

A atual política monetária que vem sendo adotada pelo Fed, que reajustou a taxa básica de juros em 0,75% na decisão da última quarta-feira, provoca um processo de desvalorização das moedas dos países emergentes, incluindo o real.

As vendas externas de carne bovina in natura somaram 153,196 mil toneladas em maio, pequeno recuo de 2,74% frente ao mês anterior, mas expressiva alta de 20,83% em relação a maio/21, segundo dados da Secex.

Já o preço pago pela carne brasileira renovou o recorde da série histórica da Secex, se aproximando de US$ 7 mil por tonelada. Em moeda nacional, com a taxa de câmbio elevada, o valor pago pela proteína também foi o máximo da série histórica, atingindo R$ 34,3 mil/tonelada.

Foto Divulgação

“Basicamente as exportações brasileiras serão ainda mais competitivas internacionalmente. Além disso, os frigoríficos exportadores terão uma rentabilidade maior durante o processo de conversão. Ou seja, haverá maior capacidade financeira para pagar mais pela arroba do boi gordo, principalmente no que diz respeito a animais padrão China”, destacou Iglesias.

Giro do Boi Gordo, segundo Agência Safras

  • Com isso, em São Paulo (SP) a referência para a arroba do boi ficou em R$ 316 na modalidade à prazo.
  • Já em Dourados (MS), o preço foi indicado em R$ 299.
  • Além disso, em Cuiabá (MT) a arroba do boi ficou em R$ 280.
  • Para Uberaba (MG) preços a R$ 300;
  • Em Goiânia (GO), a R$ 305 a arroba do boi.

Atacado

O mercado atacadista voltou a apresentar preços firmes. A tendência de curto prazo aponta para menor espaço para reajustes. Uma vez que a reposição costuma fluir de maneira mais lenta entre atacado e varejo durante a segunda quinzena do mês.

Além disso, o padrão de consumo permanece direcionado ao amplo consumo de proteínas que causem menor impacto na renda média, justamente o caso do frango e dos ovos. O quarto dianteiro do boi ainda é precificado a R$ 16,60 por quilo. Já o quarto traseiro permanece precificado a R$ 22,35 por quilo. A ponta de agulha ainda é cotada a R$ 16,50 por quilo.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com