Arroba firma a R$ 263 e piso do boi pode ter sido atingido

PARTILHAR
Confinamento e Boitel VFL BRASIL. Foto: Marcella Pereira

Preços seguem patinando, a situação do mercado é ‘complicada’; A ausência do mercado chinês segue implicando em baixa na oferta pelo boi, enquanto confinador sofre com custos.

O mercado físico de boi gordo registrou preços de mais baixos a estáveis nesta segunda-feira, 25, a depender da praça pecuária avaliada e a demanda do mercado interno. Como de praxe, os frigoríficos seguem buscando negociações a níveis mais baixos de preço. Apesar de ter sido uma abertura de semana típica, com frigoríficos fora das compras, os preços da arroba parecem ter atingido um piso para as negociações!

O atacado em queda corrobora com esse quadro, o que tende a ampliar a pressão sobre os preços. O confinador não tem muitas alternativas neste momento, pois as tentativas de retenção de oferta esbarram no elevado custo de manutenção dos animais nos confinamentos. Somado a isso a incidência de chuvas no Centro-Sul do país é outro empecilho, dificultando o manejo”, apontou Iglesias.

Segundo a Scot Consultoria, em São Paulo, as indústrias estiveram avaliando o mercado nesta manhã e uma parte delas ficou fora das compras. Com isso, a semana começou com manutenção de preços nas praças paulistas quando comparados ao último fechamento (22/10).

A arroba do boi, vaca e novilha gordos está precificada em R$266,00, R$260,00 e R$274,00, preços brutos e a prazo. Já em Mato Grosso, o preço da arroba paga por vaca e novilha gordas caiu R$3,00 e R$1,00, respectivamente, na comparação feita dia a dia. Com isso, as fêmeas estão apregoadas em R$247,00/@ e R$250,00/@, preços brutos e a prazo, apontou a Scot.

Segundo o Indicador do Boi Gordo do Cepea, os preços voltaram a apresentar uma valorização diária de 1,21%, firmando no patamar de R$ 263,35/@. Entretanto, apesar do leve avanço nos preços, a variação mensal negativa segue na casa de 9,69%. Já a arroba em dólar, passou a ser negociada pelo valor de US$ 47,48/@, mantendo o boi brasileiro como o mais barato do mundo.

Na B3, as cotações dos contratos futuros do boi gordo tiveram um dia misto, com boa alta no contrato para novembro e queda para outubro, com ajuste em virtude de estar em seus últimos dias de negociação. O ajuste do vencimento para outubro passou de R$ 264,50 para R$ 263,85, do novembro foi de R$ 269,85 para R$ 274,10 e do dezembro foi de R$ 282,90 para R$ 282,20 por arroba.

O mercado físico do boi gordo em São Paulo iniciou a semana em toada mais estável. Com as indústrias frigoríficas analisando o desempenho das vendas no final de semana, a fim de preparar as estratégias desta semana, a referência dos negócios concretizados girou em torno de R$ 263,00/@.

Boi gordo despenca e Confinador que pode sai do cocho e vai para o pasto

Segundo algumas informações, já adiantadas pelo Compre Rural, na última semana observamos alguns pecuaristas que buscam remanejar lotes do confinamento para o pasto. O avanço das chuvas em algumas áreas, permitiu tal adoção de técnica, visando segurar os animais para aguardar uma possível retomada de preços no curto/médio prazo.

Segundo a conta realizada, após pesquisas com pecuaristas confinadores em importantes praças pecuárias pelo país. O prejuízo, apenas com a desvalorização da arroba, trouxe um impacto negativo de cerca de R$ 800,00/cab, lembrando que nesta conta não está incluso o gasto com diárias e outros, na manutenção destes animais no cocho.

Exportações

Durante a última semana 16,92 mil toneladas de carne bovina foram exportadas, alternado a média de embarques diários de out/21 para 4,17 mil toneladas, 48,68% a menos que o mesmo período no ano passado. Até o momento, o mês de out/21 totaliza 62,61 mil toneladas da proteína bovina enviadas aos portos, convergindo para o que pode ser o pior resultado das exportações brasileiras desde mai/18.

Com a extensão do bloqueio chinês, as perdas da pecuária se avolumam. Segundo cálculos do Instituto Mato-Grossense da Carne (Imac) feitos com base em relatórios de exportação da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), os prejuízos à pecuária brasileira chegam a US$ 10,4 milhões por dia útil sob embargo. Para Mato Grosso — Estado que registrou um dos dois casos atípicos do mal da “vaca louca” que levaram à interrupção das vendas aos chineses —, a perda é de US$ 4,4 milhões, calcula o Imac.

Esperança no décimo terceiro

De acordo com Barcellos, o momento é pontual, com efeitos de curto prazo. “Nós temos um movimento por causa da demanda. A entrada do 13º salário a partir de novembro, o reaquecimento da economia, melhora nos níveis de emprego, vai determinar o aumento de demanda. Com a população brasileira aumentando em dois, três quilos, o consumo per capita, ela praticamente absorve a eventual restrição da continuidade da exportação. O que eu não acredito. Acredito que dentro de 20, 30 dias, o mercado já se restabelece, talvez não com os preços do período da seca, mas aos preços normais esperados para essa época do ano”, explica.

Giro do Boi Gordo pelo Brasil

  • Com isso, em São Paulo, Capital, a referência para a arroba do boi ficou em R$ 264 na modalidade à prazo.
  • Em Goiânia (GO), a arroba teve preço de R$ 245.
  • Em Dourados (MS), a arroba foi indicada em R$ 266.
  • Em Cuiabá, a arroba ficou indicada em R$ 252.
  • Em Uberaba, Minas Gerais, preços a R$ 251 a arroba.

Atacado

O mercado atacadista volta a apresentar preços mais baixos no início da semana. A tendência é de continuidade do movimento no curto prazo. Mesmo a entrada dos salários na economia pode não motivar reação dos preços dado o cenário complicado. O quarto traseiro ainda é precificado a R$ 20,50 por quilo.

O quarto dianteiro foi cotado a R$ 13,50 por quilo, queda de R$ 0,50. Quarto traseiro foi precificado a R$ 13,25 por quilo, queda de R$ 0,55.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com