Arroba ultrapassa R$ 200. Veja tendência para março?

Arroba ultrapassa R$ 200. Veja tendência para março?

PARTILHAR
touros nelore da agropecuaria jacarezinho
Foto: Agropecuária Jacarezinho

O analista de mercado Leandro Bovo comenta quais fatores precisam se combinar para que as cotações no interior do país mantenham o patamar de R$ 200/@.

A arroba do boi gordo voltou a subir em fevereiro, após um período mais fraco em janeiro devido à demanda mais enxuta. De acordo com o analista de mercado Leandro Bovo, da Radar Investimentos, o movimento é comum. “Este mês voltaram as aulas e o mercado começou a ganhar dinâmica. O Carnaval reduz os dias de abate e também apresenta um consumo maior. A demanda melhorou como esperado e a situação de oferta restrita continua”, comenta.

Segundo o especialista, para que as praças pecuárias atingirem patamares acima de R$ 200, com exceção de São Paulo onde os preços da arroba do boi gordo já se encontram nesse patamar, será necessário que as exportações se aqueçam novamente.

“O mercado interno está se encaminhando, mas tem uma restrição de consumo. Então, a China terá papel preponderante. Já se pergunta quando e quanto ela comprará. Se voltar com o mesmo apetite de novembro/dezembro, teremos altas no mercado físico”, afirma.

Frigoríficos querem aumentar abates, mas pecuarista não vai vender boi barato

No fechamento desta quinta-feira (20/2), a cotação do boi gordo não teve variação em São Paulo. A arroba ficou cotada em R$200 à vista, livre de Funrural, de acordo com a consultoria Scot.

No entanto, com menos dias de compra na próxima semana, devido ao feriado de Carnaval, os frigoríficos estão buscando alongar as escalas de abate. Porém, os compradores estão esbarrando na oferta de boiadas, que está limitada.

No caso do atacado, apesar do lento escoamento da última semana, os preços da carne sem osso estão firmes no atacado. A oferta de boiadas limitada e a expectativa de melhora do consumo nos próximos dias, devido o período de Carnaval, explicam o comportamento da cotação.

Na média dos 22 cortes pesquisados pela Scot Consultoria, o preço subiu 0,5% nos últimos sete dias. Vale ressaltar que apesar da retomada dos preços, a cotação ainda está em patamar menor do que no início do ano (-1,3%).

A alta dos últimos dias foi menos intensa do que as valorizações registradas na primeira quinzena do mês, contudo, o que chama a atenção é que mesmo com o consumo deixando a desejar, os preços se mantiveram sustentados.

Compre Rural com informações da Scot Consultoria e Canal Rural

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com