Arroba vai de R$ 171 a R$ 196, vender ou segurar?

Arroba vai de R$ 171 a R$ 196, vender ou segurar?

PARTILHAR
Confinamento e Boitel VFL BRASIL. Foto: Marcella Pereira

Apesar do pagamento dos salários, feriado e ajuda do governo, se o consumidor optar por controlar o consumo de carne bovina, mercado poderá perder a firmeza.

A arroba do boi gordo ficou estável ou caiu nas praças brasileiras acompanhadas pela consultoria Safra, nesta quinta-feira, 9. O mercado segue pressionado pela menor demanda por carne bovina diante da pandemia do novo coronavírus.

O analista Fernando Henrique Iglesias afirma que o isolamento social deixa o escoamento de carne mais lento, principalmente de cortes nobres, consequência do fechamento de restaurantes, hotéis e outros estabelecimentos comerciais. “A demanda mais efetiva no mercado é a do consumidor final, que no momento tem optado por cortes de frango congelados, embutidos e ovos”, diz.

Após a Páscoa, segundo o especialista, os frigoríficos devem retomar os negócios ainda mais atentos ao comportamento da demanda.

A expectativa é de crescimento do volume ofertado no decorrer de abril, avaliando o desgaste das pastagens com o avanço do outono, reduzindo a capacidade de retenção dos pecuaristas. “Este período costuma marcar o auge da safra do boi gordo, e o ponto de mínima dos preços no mercado doméstico”, alerta Iglesias.

  • Na capital de São Paulo, os preços do mercado à vista ficaram em R$ 196 a arroba, estáveis.
  • Em Uberaba (MG), caíram de R$ 188 a arroba para R$ 187 a arroba.
  • Em Dourados (MS), os preços ficaram em R$ 181,00 a arroba, contra R$ 182/R$ 183 a arroba no dia anterior.
  • Em Goiânia (GO), o preço indicado foi de R$ 185 a arroba, estável.
  • Já em Cuiaba (MT), permaneceu em R$ 171 a arroba.

Segundo informações do Agrobrazil

No app da Agrobrazil, pecuaristas tiveram mais cautela e o número de negociações foi menor no final desta semana, com menos dias úteis. Em Dracena/SP, pecuaristas tem recebido até R$ 10/@ para animais padrão China, ficando arroba em R$ 200 com pagamento à vista e abate para o dia 20 de abril.

Em Caçu/GO, o preço para esse mesmo animal é de R$ 185/@ à vista e abate para o dia 24 de abril. Em Sidrolândia, o valor foi de R$ 185/@ à vista e abate para o dia 13 de abril, boi mercado interno. A novilha gorda em Estrela do Norte/SP, foi de R$ 190/@ à vista e abate para o dia 14 de abril.

A média, segundo app da Agrobrazil, foi de R$ 198,27/@ para a praça de São Paulo, que teve uma variação de preços entre R$ 197 e R$ 200/@, para o Boi Gordo.

Segundo a Scot Consultoria

Em São Paulo, as indústrias andaram com as escalas de abate e as programações atendem entre cinco e seis dias. Com isso, a Scot Consultoria afirma que parte dos compradores ficaram fora do mercado ou ofertaram valores menores.

Essa menor necessidade de compra pelos frigoríficos resultou em queda da cotação no estado. Na praça paulista, o boi gordo foi cotado na quinta-feira, 9, em R$ 195 por arroba, à vista, bruto, R$ 194,50, à vista, com o desconto do Senar e em R$ 192, à vista, livre de impostos (Senar + Funrural). Houve queda de 1% na comparação dia a dia, ou R$ 2 a menos por arroba. 

A empresa ressalta que a questão agora é o comportamento da demanda nos próximos dias, devido ao feriado desta sexta-feira, 10, do pagamento de salários e da ajuda do governo de R$ 600 que ocorreram esta semana. 

“Entretanto, o período de quarentena, em vigor e sem prazo certo de término, pode fazer com que a população opte por controlar o consumo de carne bovina, como parte da contenção de gastos”, pondera a Scot. Segundo a empresa, caso este cenário se confirme, o mercado do boi gordo poderá perder firmeza.

Atacado

Os preços da carne bovina ficaram estáveis nesta quinta-feira. “As vendas na primeira quinzena de abril têm sido absolutamente frustrantes, com muita dificuldade para os frigoríficos venderem principalmente as linhas premium, sem tendência de melhora no curto prazo”, diz Iglesias.

Assim, o corte traseiro teve preço de R$ 13,50 o quilo. A ponta de agulha ficou em R$ 10,70 o quilo. Já o corte dianteiro permaneceu em R$ 11,35 o quilo.

Compre Rural com informações Canal Rural, Agência Safras e Scot Consultoria

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com