Arroba vai disparar, mas depende desse fator abaixo

PARTILHAR
Confinamento e Boitel VFL BRASIL. Foto: Marcella Pereira

A semana foi marcada por um grande impacto negativo no mercado do boi gordo, mas os preços da arroba vão disparar e nós vamos mostrar o motivo!

O mercado do boi gordo encerrou a semana com estabilidade nos preços, tendo em vista que o mercado seguiu parado e com as indústrias avaliando o mercado e gastando a suas escalas de abate. Mas os preços não ficaram inalterados por muito tempo, a arroba vai disparar e depende do que vamos expor abaixo, confira!

Boa parte dos frigoríficos paulistas seguem fora das compras, após uma semana agitada aguardando o desenrolar da suspeita de um caso atípico de vaca louca. Com isso, os preços permaneceram estáveis no comparativo diário, o que é positivo para o mercado neste momento e colabora para uma explosão nos preços!

O mercado do boi gordo se manteve completamente travado nesta sexta-feira, 3 de setembro, à espera de uma notícia oficial e conclusiva sobre as suspeitas de um caso atípico de Encefalopatia Espongiforme Bovina (BSE, na sigla em inglês – conhecida como “doença da vaca louca”), em Minas Gerais.

Segundo apurou a Scot Consultoria, com a saída dos principais compradores do mercado, o preço do macho terminado fechou a semana estável nas praças paulistas, a R$ 310/@ (valor bruto e a prazo). As cotações da vaca e novilha gordos também andaram de lado nas regiões paulistas, negociadas em R$ 292/@ e R$ 307/@, respectivamente (preços brutos e a prazo).

Segundo o médico veterinário Leandro Bovo, sócio diretor da Radar Investimentos, além das incertezas, as indústrias frigoríficas enfrentam problemas com escoamento da carne bovina devido às ameaças de greve dos fiscais agropecuários, “que estariam emitindo os certificados de exportação em ritmo mais lento do que o normal, gerando acúmulo de produtos prontos para despacho nas câmaras frias, o que impede a manutenção do fluxo de abates no ritmo normal”.

Escalas de abate são o primeiro ponto para explosão nos preços da arroba

Em dias dramáticos no mercado do boi gordo, as indústrias encerram a semana com redução nas escalas de abate, a média nacional se encontra em 7 dias úteis programados, 2 dias a menos que a semana passada.

  • Em São Paulo, as indústrias fecharam a sexta-feira com 10 dias úteis programados, recuando 4 dias úteis desde semana passada.
  • Em Goiás as programações se encontram em 9 dias úteis, queda de 3 dias no comparativo semanal.
  • Os frigoríficos mineiros também encerraram a semana com redução na escala de abate, que está com 7 dias úteis programados, recuando 3 dias ante a semana anterior.
  • Em Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins e Rondônia as indústrias conseguiram o planejamento de abate para 6 dias úteis, somente os frigoríficos rondonienses avançaram em relação a sexta-feira passada.

Motivos para trazer uma explosão nos preços da arroba

Segundo o diretor da Radar, o noticiário dos últimos dias não tem sido bom para o setor pecuário brasileiro, “porém é preciso muito cuidado com sensacionalismo e com a forma como as informações são repassadas. “Analisar o cenário com calma e sobretudo com objetividade é a melhor solução para a tomada de decisão mais acertada”, observa Bovo.

O cenário, no curto prazo, é de que tenhamos uma melhora no escoamento da carne bovina, tendo em vista o avanço da primeira quinzena do mês que coincide com o feriado prolongado de 7 de setembro, além do retorno das atividades econômicas com o avanço da vacinação.

Esses fatores precisam ser somados, como supracitado, a uma posição de cautela dos pecuaristas e do cuidado com as informações que são repassadas em um clima de sensacionalismo, principalmente por parte dos “compradores de boi gordo”.

Diante disso, o pecuarista está agora com o mercado nas mãos e já estamos anunciando isso a dias, é preciso cadenciar as vendas do boi gordo, impedindo a formação de escalas alongas – o maior poder dos frigoríficos. A união da classe irá trazer uma maior pressão e irá impactar positivamente nos preços, esses que já deveriam ser cotados próximo aos R$ 350,00/@.

Vamos superar mais essa dificuldade, apesar das turbulências do curto prazo, mas é preciso estar unidos! #naovendaseuboi

No mercado futuro, os contratos do boi gordo com vencimento nos próximos meses segue registrando variações negativas, refletindo a preocupação em torno da suspeita de uma caso de “vaca louca” atípica.

Na quinta-feira, 2 de setembro, os contratos com vencimento em outubro/21 e novembro/21 recuaram R$ 2,75 e R$ 3,70, respectivamente, para R$ 294,20/@ e R$ 303/@. O contrato de vencimento mais curto (setembro/21) registrou forte queda diária de R$ 13,60, fechando a R$ 296,40/@.

Atacado tem melhora no consumo

No mercado atacadista, o corte de vaca casada registrou alta de R$ 0,50/kg na sexta-feira, enquanto os demais cortes bovinos, assim como do couro e sebo industrial, permaneceram estáveis, informa a IHS.

O setor atacadista relata demanda lenta, mas um pouco mais regular, dentro das expectativas para a primeira semana do mês, marcada pelo recebimento dos salários aos trabalhadores.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com