Bem-estar: 3 fatores que impactam a produtividade de vacas leiteiras

Bem-estar: 3 fatores que impactam a produtividade de vacas leiteiras

PARTILHAR
fazenda-santa-luzia-passos-padma-consultoria
Fazenda Santa Luzia em Passos - MG / Foto: Padma Consultoria Pecuária

Os animais não atingirão a performance desejada apenas com água, alimento e consistência. É preciso ter bem-estar!

Por Marcelo Grossi* 

Produtores de alta eficiência de todo mundo se preocupam muito sobre bem-estar de suas vacas. É fato que existe uma série de fatores relacionados ao estresse que ainda não estão bem elucidados e seus impactos na lucratividade da operação. Os principais pilares são conforto comportamental (dor, medo etc.) e conforto térmico (calor, umidade etc.). Os animais não atingirão a performance desejada apenas com água, alimento e consistência.

A felicidade do animal, por muito tempo subestimada, passou a ter comprovação científica, especialmente na última década após pressões de consumidores, de que não somente é um ponto ético, mas também financeiro da atividade. Não há mais dúvidas: animais felizes em seu dia a dia entregam mais resultados aos manejos e nas tomadas de decisões propostas. Animais doentes e com comportamento natural limitado não conseguem atingir as metas cada vez maiores impostas pelos custos da atividade. É uma mudança de paradigma para técnicos e produtores.

Em países tropicais, como o Brasil, a pecuária é ainda mais desafiadora já que além de, na média, possuirmos menos estruturas e estratégias de construções e manejo que beneficiem o bem-estar do animal, também temos o desafio de temperatura e umidade, que para as raças mais produtivas, necessariamente melhoradas no mundo temperado europeu, os níveis confortáveis desses indicadores estão muito abaixo dos normais da região.

Abaixo, citamos 3 tópicos importantes com dicas resumidas de como focar o planejamento da fazenda buscando o máximo bem-estar animal:

1) Bem-estar comportamental

Vacas leiteiras possuem intrínsecas em seu comportamento características herdadas ao longo dos séculos de melhoramento da espécie/raça. Alguns exemplos característicos são:

a) Evite manejar animais individualmente em áreas apertadas ou fechadas. Vacas são animais que gostam de conviver em grupo e o estresse de serem retiradas do lote impacta na sua produção futura;

b) No sistema intensivo de produção é importante separar o mais cedo possível as bezerras das matrizes. Manter a área de bezerreiro longe das vacas, especialmente do pós-parto evitará desvios comportamentais e maximizará comportamentos produtivos: comer (2-3h/dia), beber (0,5h/dia), ordenhar (4-8h/dia), e descansar (>13h/dia);

c) Inteligência comportamental: consistência de manejo é importante. Os animais desempenharão melhor com o futuro dos manejos conhecido. Não mude em excesso as rotinas, alimentação e agrupamento (máximo 1x/15 dias);

d) Limpeza: por mais que não pareça, os animais preferem estar mais limpos do que sujos. Comportamentos de entrada em lama ou água são normalmente relacionados ao calor. Escore de higiene e, por exemplo, CCS (contagem de células somáticas) de tanque tem correlação média e contínua/linear.

2) Bem-estar de manejo e instalações

a) Vacas preferem fontes de água não muito frias e preferencialmente límpida ou mesmo corrente. Opte por bebedouros não muito largos e mais compridos de alta vazão, preferencialmente de aço inox, por serem mais fáceis de limpar e manterem a qualidade da água por mais tempo. Mais consumo de água, alimento e leite;

b) A falta de espaço em confinamentos pode levar o animal a praticar comportamentos estereotipados, ou seja, fora do normal, como consumo de terra, morder metais e madeira etc. Ambientes bem dimensionados, e a presença até mesmo de coçadores/brusher, podem aumentar até 5% na produção dos animais;

c) Falta de luz deve ser evitada. Barracões de confinamento precisam de ao menos 200 lux para estimular os animais, mesmo à noite. No mínimo 7h de luz é importante, inclusive no inverno;

d) Sombras (cercas de madeira) devem também ser evitadas já que os animais não veem profundidade e podem confundir com buracos e obstáculos;

e) Medo. Ainda é comum termos equipes de fazenda que agridem os animais, especialmente na hora mais nobre do dia: a ordenha. Treinar e conscientizar a equipe é importante para evitar isso. Uma boa maneira de avaliar como está sua fazenda é andar por entre os animais. Existe a conhecida zona de fuga onde o animal ao se sentir ameaçado se afasta. Quanto menor esse raio em volta da vaca, melhor o seu manejo. Vacas taurinas (raças europeias) podem e devem aceitar contato direto;

f) Outro ponto importante é passar as novilhas que nunca pariram no pré-parto todos os dias – nos últimos 15 dias antes do parto. Quando parirem, as novilhas estarão mais habituadas no sistema, especialmente animais mestiços;

g) Sons altos demais ou agudos demais, e gritaria desordenada, devem também ser evitados, especialmente na sala de espera e ordenha. Discipline sua equipe;

h) Corredores de locomoção não devem ter superfície muito pedregosa nem muito lisa. Concreto armado com frisos é a melhor opção, e tapetes/borrachas para áreas de descanso/alto tempo parado.

Leia também:

3) Bem-estar térmico

a) Sombras em fazendas leiteiras são quase sempre mal dimensionadas. Trabalhar com 2-4 m² para gado jovem, 8-10 m² para vacas leiteiras e 12-14 m² para pré-parto é essencial para o máximo aproveitamento e mínima formação de barro. Dê preferência para arborização que possui maior poder de redução de sensação térmica. Sombrites em áreas gramadas devem também deixar parte da luz passar para poder manter a vegetação intacta e menos barro (< 60% de interceptação luminosa);

b) Os componentes temperatura e umidade são de grande importância para vacas de leite e compõem um índice de estresse chamado ITU ou THI. Quanto maior a umidade da região ou da época do ano, menor a temperatura de estresse. Não existe temperatura crítica fixa, mas, em média, para vacas de origem europeia, esse valor se encontra em torno de 14ºC, e para mestiças 18ºC. A vaca não precisa colocar a língua para fora para provar que está em estresse;

c) Para quem não possui barracão é essencial possuir uma sala de banho acessória, que pode ser colocada na sala de espera da ordenha. Trabalhos mostram que em determinadas situações, molhar e ventilar vacas 5 x ao dia pode ser tão efetivo quanto estruturas barracões para ventilação e/ou aspersão contínua em produção de leite, e chega a ser até 50 x mais barato. O pior horário de estresse ocorre entre 15-18h, período em que focamos os banhos, inclusive do pré-parto.

Gráfico de temperatura retal/vaginal de vacas leiteiras medido com dispositivo I-button®. É considerado em estresse o animal acima de 39,1ºC.

Fonte: Equipe Técnica DSM

Os maiores desafios da pecuária de leite

*Autor: Marcelo Grossi Machado, Gerente Técnico Regional Sudeste de Gado de Leite 

Fonte: DSM Tortuga

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com