Boi derrete na B3, diz Agrifatto

Boi derrete na B3, diz Agrifatto

PARTILHAR
Foto Divulgação.

Preço do boi gordo na B3 para novembro/20 recua mais de R$ 7,00/@, e queda de braço entre frigoríficos e produtores se intensifica.

Quarta-feira de tensão e cautela no mercado físico de boi gordo. As indústrias frigoríficas, principalmente as de maior porte, começaram a se afastar das compras, o que aliado a baixa do dólar e diminuição sazonal das exportações a partir da segunda quinzena de dezembro, podem causar pressão negativa nas indicações da arroba.

Ainda assim, a conjuntura é de escassez de animais prontos para abate e escalas apertadas, o que pode oferecer suporte às cotações.

Na B3, o dia foi de ajustes negativos nos contratos futuros em resposta a ação no físico. O contrato de novembro/20 encerrou abaixo dos R$ 290,00/@, cotado a R$ 288,50/@, baixa de 2,39% ante a véspera. Já o dezembro/20, fechou em R$ 286,10/@, queda de 2,57% na comparação diária.

Milho

Com os preços enfraquecendo no mercado físico, aqueles que ainda detêm milho para a venda seguraram os negócios graças a esta queda. A pedida desses continuou na casa dos R$ 82-83,00/sc em São Paulo, no entanto, com a queda em Chicago, os compradores recuaram os valores ofertados para a casa dos R$ 80,00/sc, travando as negociações. Na B3, o contrato para novembro/20 recuou 0,70%, ficando cotado à R$ 81,00/sc.

Nos EUA, o contrato para dezembro/20 recuou 1,36% após forte alta na terça-feira, com isso, a cotação deste vencimento foi para os US$ 4,17/bu. A realização de lucro de posições compradas justificou essa queda na CBOT, no entanto, a perspectiva de um maior volume de chuvas nas próximas semanas na América do Sul também contribuiu para tal movimento.

Soja

Com o dólar e o preço em Chicago subindo na quarta-feira, a cotação da soja no Brasil superou os R$ 170,00/sc no mercado físico. Tal movimentação deu início a uma queda nos valores dos prêmios pagos nos portos do Brasil, mas que ainda tem pouco efeito sobre o preço final da oleaginosa no país.

Se o milho não aguentou o processo de realização de lucros na CBOT, a soja continuou seu movimento de alta nesta quarta-feira, saindo dos US$ 11,38/bu para US$ 11,43/bu, alta de 0,44%. A força para essa leve alta do grão norte-americano, veio do óleo de soja, que atingiu os cents de US$ 37,13/lp, variando 2,97% para cima.

Fonte: Agrifatto

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com