Carne de frango brasileira amplia mercado na América Central

Carne de frango brasileira amplia mercado na América Central

PARTILHAR
pais republica dominicana
Foto: Divulgação

República Dominicana habilita um total de 28 novas plantas frigoríficas de aves do Brasil; anteriormente, apenas 4 plantas estavam habilitadas para o destino

A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) comemorou as habilitações de novas unidades frigoríficas de aves brasileiras para a República Dominicana, conforme informação repassada esta semana pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil. Ao todo, são 28 plantas novas plantas habilitadas, aumentando em sete vezes o número de habilitações – anteriormente, apenas 4 plantas estavam habilitadas para o destino.

As novas habilitações são de unidades da Cooperativa Lar e das empresas BRF e JBS (que já exportavam para este mercado), localizadas nos estados de Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso, Goiás, Distrito Federal e Bahia.

“A República Dominicana é um mercado com o qual já trabalhamos a alguns anos e estas novas habilitações vêm para consolidar uma parceria importante entre os dois países. É seguramente um dos mercados mais promissores da região, que possibilitará ainda mais a diversificação das nossas exportações e deverá contribuir para a expansão dos resultados do setor em 2021”, analisa Ricardo Santin, Presidente da ABPA.

Conhecida por ser o segundo maior país do Caribe, a República Dominicana vem cada vez mais sendo explorada por turistas do mundo todo. Estando cerca de duas horas do sul de Miami e quatro horas de Nova York, a região é bastante visitada por suas belezas naturais e por ser um paraíso para os apaixonados por golfebeisebol e praias.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.