Ciência deve ser base para ações climáticas, advertem ministros da Agricultura

PARTILHAR
Foto: Divulgação

O documento aprovado pelas delegações dos países das Américas salienta que a agricultura é parte da solução contra os fatores causadores da crise climática.

Secretários e ministros da Agricultura de 32 países das Américas afirmaram que as ações climáticas para uma agricultura mais sustentável devem ser baseadas na Ciência, de maneira que resguardem e aumentem a produtividade, e não aprofundem a já preocupante crise alimentar atual. Autoridades do setor se reuniram na última semana em San José, capital da Costa Rica.

Esse consenso regional será levado à Conferência das Partes (COP 27) de novembro, no Egito, informa o Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA), organizador do encontro de San José.

Conforme comunicado da entidade, os ministros da Agricultura destacaram que os danos produzidos por causa da mudança do clima e os investimentos necessários para a transformação do agro não podem ser assumidos pelo campo, sendo imprescindível que os países desenvolvidos cumpram seus compromissos de aportar financiamento internacional.

Documento assinado por ministros da Agricultura

No atual cenário de crise alimentar global, o documento aprovado pelas delegações dos países das Américas salienta que a agricultura é parte da solução contra os fatores causadores da crise climática, já que os modos de produção das Américas vêm fortalecendo sua sustentabilidade há anos, incorporando práticas e tecnologias que aumentam a sustentabilidade da produção de alimentos e reduzem sua pegada ambiental.

No documento de consenso ressaltou-se, ainda, que o aumento da insegurança alimentar e a situação climática global apresentam, de forma inter-relacionada, uma grande ameaça para todo o planeta, a qual deve ser abordada com profundidade e urgência.

Destaque na produção de alimentos

Nesse contexto, acrescentou-se que o setor agropecuário dos países das Américas, um dos principais produtores de alimentos do mundo, é altamente vulnerável aos fenômenos meteorológicos extremos, particularmente no Caribe e na América Central. 

Os ministros de Agricultura também se comprometeram a trabalhar para aumentar o acesso aos fundos de financiamento climáticos para todos os países da região.

“Falta uma nova narrativa que deixe claro que não somos os vilões do filme” — Manuel Otero

O diretor-geral do IICA, Manuel Otero resumiu o desfecho do encontro entre autoridades. “Essa reunião marca um antes e depois para o setor agrícola das Américas, que terá uma forte presença na COP 27. Não se trata de deslocar os negociadores ambientais, mas de somar esforços”, disse.

“Falta uma nova narrativa que deixe claro que não somos os vilões do filme. Somos um setor estratégico que, por meio da mitigação e da adaptação, pode fazer uma contribuição fundamental aos desafios globais.”

A COP 27 será realizada em novembro, na cidade egípcia de Sharm El Sheik, onde também se informará amplamente sobre as práticas sustentáveis da agricultura das Américas.

Fonte: Estadão Conteúdo

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com