Conceitos de imunonutrição aplicados a suinocultura

PARTILHAR
Granja de suínos. Suinocultura 2
Foto: Wenderson Araujo/Trilux

Este conceito é entendido e aplicado à nutrição animal há bastante tempo, no entanto, apenas há alguns anos, o termo “imunonutrição” vem sendo aplicado efetivamente

Por Melina Bonato* – O termo imunonutrição é originário de estudos em humanos da década de 1950, com a sugestão de que existe uma relação entre a desnutrição e infecções (Shetty, 2010). Nos anos 1980 e 1990, outros estudos utilizando dados de acompanhamento em populações ao longo de décadas, corroboraram este conceito. A partir de então, a imunonutrição em humanos vem sendo explorada em diversos aspectos mais amplos, considerando-a multifatorial, uma vez que a nutrição está relacionada com a digestão e absorção de nutrientes no trato gastrointestinal, microbiota, sistema imune, órgãos relacionados a processos inflamatórios e seus efeitos secundários, sistema nervoso e produção de hormônios. Este conceito é entendido e aplicado à nutrição animal há bastante tempo, já que os conhecimentos nas áreas de nutrição, sanidade, manejo e ambiência são bastantes avançados; no entanto, apenas há alguns anos, o termo “imunonutrição” vem sendo aplicado efetivamente.

É importante entender que o trato gastrointestinal, além de ser responsável pela digestão e absorção, também é um órgão responsável pelas respostas imunes. Aproximadamente um quarto da mucosa intestinal é composta por tecido linfoide e mais de 70% deste são células do sistema imune (Wershil & Furuta, 2008). O tecido linfoide associado ao intestino (GALT) é uma fonte significativa de células imunes que monitoram e protegem as camadas da mucosa do intestino, e está continuamente exposto a diversos antígenos, microbiota e patógenos (Dalloul & Lillehoj, 2006). Assim, o desenvolvimento e maturação do sistema imune podem ser impactados por fatores externos (ambiente, manejo, condições sanitárias, dieta, etc) e inerentes ao próprio animal (genética, idade).

Estes fatores também têm impacto sobre a microbiota e saúde intestinal. A microbiota intestinal desempenha diversas funções no organismo e tem um papel importante na comunicação bidirecional no eixo intestino-cérebro (Cryan & Dinan, 2012). Ou seja, o sistema nervoso central (SNC), via eixo hipotálamo-hipófise, pode ser ativado em resposta a fatores estressores e liberar cortisol. O cortisol afetará as células imunes, que iniciarão a liberação de citoquinas pró-infamatórias, que por sua vez, afetarão a permeabilidade intestinal, o que permitirá uma modificação na microbiota (Landeiro, 2016).

Foto: Divulgação

O epitélio intestinal, além de ter a função de absorver nutrientes, também atua como uma barreira física. Se a permeabilidade intestinal for afetada, poderá haver a passagem de microrganismos intestinais e lipopolissacarídeos (LPS) para a lâmina própria, ativando as células do sistema imune e liberando citoquinas pró-inflamatórias que impactarão no SNC e sistema entérico (Gareau et al., 2008). Diversas alterações metabólicas podem resultar destas respostas, como: febre, ineficiências metabólicas, catabolismo do músculo esquelético e síntese proteica de fase aguda (Korver, 2006). Ou seja, impactarão no desvio de nutrientes e energia que seriam utilizados para o crescimento e desenvolvimento do animal.

Desse modo, uma resposta pró-inflamatória prolongada gerada por qualquer destes fatores citados acima, pode levar ao próprio comprometimento da imunocompetência do animal. É de suma importância que este tenha sua capacidade de resposta e proteção construídas ao longo sua vida, isto é, modulada dia a dia; pois o custo metabólico neste caso, versus uma resposta imune induzida é baixo e impactará diretamente na manutenção da homeostase metabólica.

Com o conceito de imunonutrição estabelecido, são classificados como imunonutrientes: aminoácidos (glutamina, arginina, cisteína, taurina), nucleotídeos, lipídios (ácidos graxos monoinsaturados e poli-insaturados, além dos ácidos graxos ômega-3), vitaminas e oligoelementos (vitaminas A, C e E, zinco e selênio) (McCowen & Bistrian, 2003). Existem também algumas substâncias imunomoduladoras, o que significa que não serão absorvidas como os nutrientes, mas que têm a capacidade de modificar a resposta do sistema imunológico (direta ou indiretamente), como: prébióticos, probióticos, fitoterápicos, ácidos orgânicos, e assim por diante.

Um dos imunonutrientes mais estudados na literatura são as β-glucanas originárias da parede celular das leveduras (β- 1,3 e 1,6-glucanas). Seu modo de ação se dá pelo contato e reconhecimento das células fagocíticas ou células apresentadoras de antígenos localizadas na lâmina própria, logo abaixo das células do epitélio intestinal. Estas células possuem em sua superfície receptores do tipo Toll, que reconhecem padrões microbianos e induzem uma resposta imune inata imediata. Após esta ativação e fagocitose, o fagócito apresenta um fragmento processado do antígeno e inicia-se uma resposta em cadeia. Há a liberação de citoquinas pró-inflamatórias que ativarão a produção, liberação e mobilização de mais células fagocíticas, proliferação de células caliciformes (produção de muco), entre outros. O reconhecimento de patógenos/antígenos pelo sistema imune inato desencadeia defesas inatas imediatas e, posteriormente, a ativação da resposta imune adaptativa (Lee & Iwasaki, 2007).

A ativação do sistema imune inato pelas β-glucanas é chamada de imunomodulação, uma vez que estas não estão causando danos ao epitélio intestinal ou invadindo as células epiteliais. Ou seja, apenas modulam as repostas, já que colocam as células do sistema imune inato em “alerta”, preparando melhor o animal para enfrentar os desafios da produção, com um baixo custo metabólico.

Este é um fator chave para leitões recém-nascidos que dependem da imunidade materna passiva e da imunidade congênita adquirida, que irá desenvolver pré e pós-desmame. O desenvolvimento das respostas imunes dos leitões inicia durante a gestação, porém não há transmissão de anticorpos ou imunoglobulinas via placenta. Por isso, estes animais são dependentes da ingestão de anticorpos maternais (MDA – Maternal Derived Antibodies) via colostro e leite. Assim, há vários fatores que podem influenciar na capacidade de transmissão de imunidade passiva das porcas para os leitões, como: genética, idade, nutrição, programa vacinal, ambiente (manejo, pressão de patógenos, fatores estressores, entre outros). Por outro lado, o desenvolvimento da imunidade específica nos leitões, que também será influenciado pelos mesmos fatores, é afetado criticamente pela idade ao desmame.

O desmame é um período desafiador para o leitão e os fatores estressores envolvem, principalmente, novo ambiente com nova interação social e mudança de dieta (Martínez-Miró et al. 2016). O desmame precoce ocorre quando o sistema imunológico do leitão está ainda imaturo e seus anticorpos circulantes atingem os níveis mais baixos (em torno de 28 dias). Este período é chamado de “gap de imunidade” ou “gap pós-desmame”, onde o animal está mais suscetível a desafios intestinais porque seu sistema imunológico adquirido ainda não se desenvolveu completamente.

suinos - leitao
Foto: Aleja Becerra / Zootecnista

Os benefícios da suplementação de imunonutrientes, como as β-glucanas, podem ser mensurados pela quantificação de imunoglobulinas totais circulantes no sangue dos leitões, redução de problemas respiratórios e incidência de diarreia (Männer et al., 2020). Com isso, efeitos sobre a manutenção da integridade intestinal (Alcantara et al., 2015) também podem ser observados, já que, como citado acima, há uma íntima relação entre microbiota, integridade/permeabilidade intestinal e sistema imune.

Ainda há muito a ser estudado sobre o eixo microbiota-intestino-cérebro, dada a complexidade dos fatores relacionados; porém, o uso dos imunonutrientes, isolados ou associados, traz benefícios já comprovados sobre a saúde, bem-estar, crescimento e produtividade. Por isso, conhecer o modo de ação destes é fundamental para o fazer os monitoramentos corretos, mensurar os benefícios esperados e quantificar o retorno sobre o investimento.

Por Melina Bonato é Gerente de P&D, ICC Brazil

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com