Conheça os finalistas do 1ª Desafio da Pecuária Responsável

PARTILHAR
PHIBRO-Desafio-da-Pecuaria-Responsavel 4
Foto: Divulgação

Final da 1ª edição do Desafio da Pecuária Responsável será em julho; a seleção dos 10 finalistas foi feita pela equipe da Be.Animal, liderada pelo prof. Matheus Paranhos.

O grande vencedor da primeira edição do Desafio da Pecuária Responsável será conhecido no início de julho. Neste momento, 10 finalistas estão na disputa (confira abaixo a lista dos projetos). No dia 4 de julho, serão conhecidas as três melhores propostas que envolvem os domínios do bem-estar animal: boa nutrição, boa saúde, bom ambiente e conforto, bom comportamento e bom estado mental. O projeto vencedor será premiado no dia 5 de julho, em evento em São Paulo (SP).

Qualificação de mão de obra rural, diagnóstico de imagens para a detecção de contusões nas carcaças, bebedouros especiais para bovinos de corte e gerenciamento de resíduos sólidos em propriedades rurais. Esses são alguns dos temas que estão concorrendo ao prêmio de R$ 15 mil. No total, 73 projetos foram inscritos no Desafio da Pecuária Responsável e avaliados com base nos critérios de relevância, resultados, inovação, qualidade e aplicabilidade.

A seleção dos 10 finalistas foi feita pela equipe da Be.Animal, liderada pelo prof. Matheus Paranhos. “Além de promover o bem-estar dos animais, as propostas promovem a valorização dos trabalhadores e melhoram a eficiência na realização dos trabalhos. É uma perspectiva bastante nova, relacionada com um conceito de um só bem-estar, que envolve a questão animal e humano num ambiente equilibrado”, destaca Paranhos.

O Desafio da Pecuária Responsável é iniciativa da Phibro Saúde Animal, BE.Animal, Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes Industrializadas (ABIEC), Athenagro e Notícias do Front, com apoio de mais de 90 empresas dos vários segmentos e entidades de classe.

Na visão do diretor de marketing e serviços técnicos da Phibro para a América do Sul, Ivan Fernandes, no período de um ano que compreende o desenvolvimento e o aprimoramento dos projetos inscritos, foi possível identificar a vontade e a disposição dos agentes da cadeia produtiva da carne bovina em melhorar suas práticas de forma alinhada aos conceitos do bem-estar animal e sustentabilidade. “O nível dos projetos finalistas é muito equilibrado. É um sinal claro dos avanços nas práticas de bem-estar, indicador importante não só para a produção, mas também para a abertura de novos mercados para a carne brasileira”, destaca Fernandes.

Conheça os 10 finalistas do 1ª Desafio da Pecuária Responsável

1- Ana Luiza V. Schultz – Rio Grande do Sul

Qualificação de mão de obra rural, tendo como base dois eixos principais: 1) o norte científico provido pelos pilares técnicos dos Sistemas Integrados de Produção Agropecuária e 2) a forma personalizada de fazer a transferência do conhecimento, num modelo de extensão rural focado no empoderamento do produtor e seus colaboradores a partir do entendimento de processos.

2 – Ananda Paula L. Lourenço – São Paulo

Quaxaria: trata-se de um piquete com acesso à água de qualidade, cocho para suplementação, abrigo de sol e chuva e local de fácil acesso para os funcionários. A ideia é fornecer condições ambientais e sanitárias favoráveis aos guaxos até que possam ser encartados em outra matriz ou seguirem independentes. Com isto, espera-se diminuir os efeitos de perdas sanitárias e nutricionais nos animais até sua terminação (principalmente em confinamento).

3 – Carolina C. Coutinho – São Paulo

Captura e processamento de imagens para a detecção de contusões nas carcaças. A proposta contribui para o bem-estar animal, pois consegue aliar a gravidade e extensão da lesão a outras características e indicadores de manejo. Com isso, tanto a indústria como os pecuaristas podem ter um retrato sobre a saúde dos lotes de abate, possibilitando correções e melhorias, abrangendo desde o manejo na fazenda até o processo industrial.

4 – Iorrano A. Cidrini – São Paulo

Experimento com bovinos confinados. Três tratamentos:

  • T1) Lotes passam por um período de pré-adaptação na fazenda de origem.
  • T2) Animais são transportados para confinamento, sendo alojados em remanga por 3 a 5 dias, com feno e suplementação 3h/kg.
  • T3) Os animais são transportados para o confinamento, sendo imediatamente processados e em seguida encaminhados para as baias.

5 – Lareska C. Morzelle – Mato Grosso

O projeto consiste na construção de uma área de lazer exclusiva para bezerros, onde serão alocados coçadores para os animais, alimentos e outras atrações, proporcionando uma melhor adaptação ao ambiente. A ideia é que os animais reduzam a necessidade de estar com a mãe, minimizando, assim, o estresse no período de desmama.

6 – Maciel Tavares – Minas Gerais

Aquaboi: novo bebedouro auto limpante que mantém a água de boa qualidade e na temperatura ótima para o consumo de bovinos. O bebedouro é conectado a um hardware e software, que permitem medir o consumo de água com precisão, gerando gráficos de cada um dos pontos monitorados.

7- Maria Eduarda M. da Silva – Mato Grosso

Criação de aplicativo interativo e dinâmico que integrará os integrantes da cadeia produtiva da carne até os consumidores em uma rede de informações sobre bem-estar animal, reunindo todas as informações relevantes sobre o assunto, conscientizando mais os clientes e mostrando o lado sustentável da produção.

8 – Milena A. Junqueira – São Paulo

Projeto “Guardião dos Campos” – Gerenciamento de Resíduos Sólidos em Áreas Rurais. Objetivo é conscientizar e instruir os pecuaristas e moradores de áreas rurais quanto ao manejo e descarte correto do lixo produzido em suas propriedades.

9 – Rafael M. Joseph – São Paulo

A ideia visa implementar o “dia do bem-estar” na fazenda. Nesse dia, serão discutidos assuntos importantes para o bem-estar dos animais, pessoas e meio-ambiente. Entre o processo de criação e adaptação do projeto, haveriam testes, avaliação dos benefícios e obstáculos, melhorias a serem introduzidas, acompanhamento e, por fim, a consolidação do projeto final.

10 – Rúbia P. Barra – Goiás

Elaboração de um Procedimento Operacional Padrão (POP) para a vacinação e sua implementação na prática. O POP de vacinação contempla o acondicionamento de vacinas e medicamentos, troca de agulhas durante a vacinação, uso de cuba ultrassônica com detergente enzimático para limpeza e autoclave para esterilização de seringas e agulhas reutilizáveis. Esse projeto já está em prática e já comprova expressiva redução de abcessos e reações vacinais.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com