PARTILHAR
Cresce-uso-de-sêmen-de-raças-de-corte-em-vacas-leiteiras
Foto: Agriland

“Beef on Dairy”, a tendência internacional crescente do uso de sêmen de raças de corte em vacas leiteiras.

Por José Victor Isola

Em determinadas regiões se estima que até 40% da carne bovina seja proveniente de ventres vacas leiteiras. Os bezerros machos são um subproduto de produção leiteira que deve ser considerado. Fora do Brasil a porcentagem de inseminações artificiais (IA) com sêmen de raças de corte vem crescendo bastante, em alguns países europeus, chegando a contabilizar quase 50% das IA sobre o rebanho leiteiro. Vamos então discutir este fenômeno!

Na Europa “Beef on Dairy” vem tomando proporções significativas. Em países como Alemanha, Holanda, França e Itália, cerca de 20% de todas as IA em vacas leiteiras são realizadas com sêmen de touros de corte. A perspectiva é que esses números aumentem para 30% num futuro próximo. Na Suíça, as IA “Beef on Dairy” já se aproximam de 50% de todas as IA. Na América do Norte índices semelhantes são encontrados (20-30%).

Um dos motivos para este aumento na Europa são as limitações de número de animais por propriedade, seja por falta de espaço ou por regulamentações do país, que faz com que os produtores optem por manterem o máximo possível de vacas em produção e o mínimo de animais jovens. Além disto, os bezerros filhos de touros de corte, sejam machos ou fêmeas, possuem grande facilidade de venda e velocidade de retorno econômico, sendo que a demanda por bezerros de “corte” é constante e o valor de bezerros filhos de touros de corte chega a ser três vezes maior que o dos machos de raças leiteiras.

O desenvolvimento da utilização de sêmen sexado também tem contribuído para o “Beef on Dairy”. Atualmente a técnica vem apresentando melhores resultados e se tornando mais popular. Muitos produtores, portanto, optam por servirem suas melhores matrizes com sêmen sexado de touros de sua raça, e acasalam as fêmeas geneticamente inferiores e as vacas repetidoras de cio com touros de corte. Além disto, há indícios de que as taxas de concepção podem ser aumentadas com a utilização de sêmen de corte em vacas leiteiras, uma vez que a heterose proveniente do pareamento de raças distintas pode favorecer o desenvolvimento embrionário e a fixação dos embriões.

Cresce-uso-de-sêmen-de-raças-de-corte-em-vacas-leiteira-1
Foto: Agriland

Outro fator interessante é facilidade de parto que é fornecida por certas raças de corte, que caracteristicamente apresentam menores pesos ao nascer, como é o caso do Angus. Alguns produtores optem por acasalar suas nulíparas com touros de corte em função disto.

Algumas companhias de venda sêmen já estão fornecendo índices e selecionando touros de corte para utilização em vacas leiteiras, vizando melhores bezerros de “Beef on Dairy”. Estes índices visam melhores ganhos de peso, facilidade de parto e qualidade de carne, mas variam de acordo com o que é mais recompensado no país em questão. Algumas empresas também fornecem misturas de sêmen de diferentes reprodutores (as vezes de mais de uma raça), o que pode propiciar melhores taxas de concepção.

As raças mais utilizadas para “Beef on Dairy” variam de acordo com o país.

Em países onde há menor valorização da qualidade da carne, mas maior valorização da quantidade produzida, como Alemanha, França e Holanda, a raça líder sempre é o Belgian Blue, seguida por Simental, e Limousin ou Charolês. Em outros países, no entanto, a raça Belgian Blue, que apresenta uma mutação genética chamada double-muscling, e portanto grande desenvolvimento muscular, chegando a parecer anormal e má qualidade de carne (especialmente maciez), é mal vista, como é o caso da Suíça, que utiliza principalmente sêmen de Simental Beef, Limousin e Angus.

Além disto, a raça Belgian Blue apresenta grandes pesos ao nascer devido ao seu grande desenvolvimento muscular, o que pode ser uma desvantagem para sua utilização. Na América do norte, a raça líder, como era de se esperar, é o Angus. Nestes países a qualidade da carne é extremamente valorizada, o que provoca a grande valorização que há da raça Angus. A grande facilidade de parto e a coloração negra fechada também são vantagens da raça. Em países europeus parece não haver preconceito com animais de corte malhados, no entanto, nos EUA e no Brasil, animais malhados parecem sugerir cruzas com Holandês, o que os desvaloriza.

No Brasil, grande parte do leite (acredita-se que cerca de 80%) é produzido por vacas da raça Girolando. Bezerros desta raça já possuem naturalmente uma musculosidade maior, uma vez que a raça Gir é considerada uma raça de dupla aptidão, o que faz com estes não sejam tão desvalorizados quando comparado com bezerros de corte, especialmente zebuínos. Bezerros machos provenientes de vacas Holandesas e Jersey, no entanto, são extremamente desvalorizados, a ponto de, em algumas propriedades, serem eliminados ao nascer (o que eu, particularmente, sou contra, mas é assunto para outro texto…). A utilização do Beef on Dairy vem como uma solução para este problema e é por isso que, aliado à maior utilização de IA e de sêmen sexado, o “Beef on Dairy” vem se popularizando no Brasil também, especialmente em estados que trabalham com raças leiterias europeias puras. Por aqui, a raça líder é o Angus que tem tomado conta das IA até mesmo nos rebanhos de corte.

Muitas vantagens já foram listadas neste texto, outra que parece ser importante no Brasil é o preço das doses de sêmen, que, quando de corte, são muito mais baratas que as de reprodutores leiteiros. No entanto, existem desvantagens também, especialmente no Brasil, onde a problemática de espaço é menor, e o que realmente é um problema a ser resolvido é o mal manejo e a baixa produção de alimento para o rebanho, que faz com que grandes áreas sejam utilizadas para que menos animais produzam. Além disto, no Brasil não há tanta produção excedente de fêmeas leiteiras como em outros países, e a quantidade de fêmeas leiteiras diminui quando se aumenta o emprego do “Beef on Dairy”, especialmente se este aumento não for acompanhado por um incremento na utilização de sêmen sexado. No futuro, isto pode resultar em escassez de fêmeas de reposição a nível de região.

Falando em fêmeas de reposição, esta é outra “desvantagem”. Caso se utilize 100% de “Beef on Dairy” todas as fêmeas de reposição necessárias para a propriedade precisarão ser adquiridas. Caso se utilize sêmen sexado nas melhores matrizes, este “problema” é menor, no entanto cabe ressaltar que a utilização de sêmen sexado em multíparas lactantes, especialmente de alta produção, ainda é um gargalo da técnica e apresenta resultados modestos. Quando escrevi desvantagem coloquei entre aspas, pois dependendo do ponto de vista, a necessidade de adquirir fêmeas de reposição pode não ser algo negativo. Pois pode-se optar por adquirir novilhas de procedência, com alta qualidade genética e sanidade, e mesmo que seja necessário um alto investimento para adquiri-las, não foi necessário gastar dinheiro nem correr os riscos de criá-las, deixando-se esta tarefa para produtores especializados. Além disto, esta necessidade de aquisição de fêmeas movimenta o mercado, o que pode ser bom para o setor.

*Por José Victor Isola, Zootecnista, Msc. e Doutorando em Fisiologia da Reprodução do blog ZootecniAgora | Fotos Agriland

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.