Escoamento da carne bovina preocupa, diz Agrifatto

Escoamento da carne bovina preocupa, diz Agrifatto

PARTILHAR
Foto: Angus Steakhouse

Dificuldade do varejo em repassar as elevações do preço da carne bovina para o consumidor volta a preocupar o mercado do boi gordo.

Ontem, terça-feira, o dia foi de manutenção das cotações nas principais praças pecuárias brasileiras. Em meio à pouca oferta de boiada pronta e, consequentemente, dificuldade em preencher as programações de abate, as indicações da arroba começam a flertar os R$ 260,00, na média nacional. Na B3, o ambiente também é de firmeza nos contratos futuros. O novembro/20, encerrou o dia com avanço de 0,85%, cotado a R$ 286,00/@.

Já o varejo, o cenário ainda é preocupante. A dificuldade em escoar produtos de segunda, como dianteiro e pontas, continua em foco. O que tende a se agravar neste período final do mês, aliado também à redução do auxílio emergencial. Apesar disso, a carcaça casada bovina segue balizada em R$ 17,30/kg.

Milho

Com o plantio da primeira safra de milho no Brasil se encaminhando para a reta final, a cotação segue firme e já ultrapassa os R$ 80,00/sc em São Paulo. O Deral divulgou os números de semeadura de milho 1ª safra no Paraná, apontando 92% da área já plantada, em linha com o mesmo período do ano passado, no entanto, as condições das lavouras de milho do Estado neste ano estão levemente piores. Na B3, o contrato para novembro/20 encerrou o dia com alta de 1,70%, cotado a R$ 84,75/sc.

Nos EUA, o contrato para dezembro/20 fechou com desvalorização de 0,42%, ficando cotado a US$ 4,16/bu. A leve queda reflete o movimento de realização de lucros iniciado na segunda-feira, entretanto cresce o temor no mercado financeiro com uma possível segunda onda da COVID-19 e, consequentemente, uma redução no consumo de etanol, o que acarretaria em queda das cotações do milho.

Soja

A soja brasileira fechou o dia em relativa estabilidade, cotada próxima dos R$ 164,00/sc no porto de Paranaguá. A pressão negativa ecoada em Chicago afetou as cotações no mercado interno, no entanto, com o dólar registrando alta de 0,96% e fechando o dia a R$ 5,68, a pressão de queda sobre o preço da oleaginosa brasileira foi dissipada.

A colheita avançada e as consecutivas altas observadas nos últimos dias, fizeram o mercado de soja retrair nesta terça-feira em um movimento de realização de lucros. O contrato para novembro/20 recuou 0,51%, ficando cotado a US$ 10,82/bu. Além disso, o mercado está com foco total nas eleições norte-americanas e, consequentemente, o desfecho dessa sobre as relações EUA-China.

Fonte: Agrifatto

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com