Especialista aponta caminhos para evolução do mercado de carnes

PARTILHAR
andrea mesquita - territorio da carne
Foto: Divulgação

As exigências do mercado interno e externo com a rastreabilidade e como se conectar ao novo consumidor de carnes são caminhos para evolução do mercado de carnes

Durante a ExpoMeat 2022, um dos principais eventos da cadeia produtiva de carne e também do varejo, Andréa Mesquita e convidados abordaram as principais tendências do mercado com destaque ao comportamento do consumidor de proteína animal, os fatores que impactam a qualidade da carne, a influência do consumo de carne na saúde humana, rastreabilidade, o novo mercado digital para a venda de carnes e a mais alta tecnologia envolvida na produção e comercialização final foram alguns dos temas apresentados e debatidos pelos participantes.

Andréa Mesquita é zootecnista e Fundadora da Território da Carne, startup com foco em geração de negócios dentro da cadeia de proteína bovina a partir da educação.

“Temos que buscar a melhoria do processo como um todo e nos ‘nivelar por cima’ para aumentar a qualidade do produto final, no varejo. Da fazenda, passando pela indústria e indo até o varejo é um processo que precisa ser transparente, constantemente avaliado, pois a cadeia da carne é muito complexa”, explicou a CEO do Território da Carne.

Foto: Território da Carne

Andréa apontou que o setor precisa trabalhar em união. “É preciso trabalhar em conjunto. Há muitos fatores que influenciam na qualidade da carne, como o pasto, a genética, a nutrição, manejo, bem-estar e muito mais”, disse. “Poucos são os produtores que entendem a influência do varejo e como é importante trabalhar juntos para garantir a qualidade do produto final”, apontou.

Já na mesa-redonda, Daniel Steinbruch da GuidaraMeat&Co, afirmou que o produtor tem cobrado mais qualidade do varejo. “Porém, o mercado ainda tem uma certa resistência em entender o porquê do sobrepreço da mercadoria. É preciso passar uma visão de mercado que valorize o produto e que agregue valor”, destacou.

Andréa apontou durante o debate que o setor tem que ser mais eficiente. “Feita uma análise de viabilidade, podemos disponibilizar exatamente o que o consumidor quer: praticidade, preço e qualidade. Precisamos parar de vender ‘nomes de cortes’ e passar a vender soluções em forma de alimento”, disse.

chip do boi
Foto: Divulgação

Rastreabilidade: um fator de decisão para evolução

Na apresentação de Felipe de Medeiros Rimkus, um tema que há anos faz parte das questões de evolução do mercado de proteína, a rastreabilidade, foi amplamente analisado. Foram apresentados fatores como os problemas globais que afetam sua aplicabilidade e as exigências do mercado externo, as soluções regionais e as ações locais que facilitam o processo.

A rastreabilidade identifica um produto, com origem conhecida e destino definido. Ela também certifica e oferece a afirmação de certeza ou verdade com emissão de certidão.

Segundo ele, somente 2,5% do rebanho no Brasil é confinado. “Dados apontam que 50% dos produtores de carne no país deixarão a atividade nos próximos 20 anos devido à inviabilidade da aplicação nas normas de rastreabilidade. Para 80% dos pequenos e médios produtores ela é inviável”, alertou. “Se não é viável ao produtor é verdadeira para o mercado?”, questionou Rimkus.

Ainda segundo ele, o Brasil precisa entender se ele, de fato, rastreia e certifica ou somente burocratiza o processo de produção de carne. “A rastreabilidade tem sido usada como ferramenta comprobatória, o que realmente é. Porém precisamos entender se é isso que o mercado deseja e como podemos construir outros caminhos”, apontou.

O novo consumidor

Na sequência foi a vez do grande protagonista do mercado, o consumidor. Andréa Mesquita trouxe uma ampla visão do que tem afetado a decisão de compra de carne nos dias atuais.

Andréa colocou importantes questões como quanto mais de carne você poderia vender se você conhecesse melhor seus clientes, como seu cliente final responde aos atributos oferecidos e quão personalizadas são suas mensagens. “É preciso identificar as lacunas em seu portifólio, quais segmentos não estão sendo atendidos, que produto você poderia vender agora que não está vendendo e mais, quais são as novas demandas do consumidor da carne”, destacou a CEO do Território da Carne. “É preciso deixar bem claro ao nosso público que as características falam sobre o produto, porém, são os benefícios os vendem”, disse.

Ela ainda deu um perfil do novo consumidor: “O consumidor moderno está muito engajado. A ponto de 91% acreditarem no poder das redes sociais para conectar pessoas, 79% querem usar marcas com presença na internet, 50% dizem que vai aumentar consumo de marcas que se conectam, ¾ preferem este do que o concorrente e o relacionamento via redes sociais impactam na fidelidade e receita do negócio”, detalhou Andréa. “Converse com o seu consumidor, fale sobre benefícios na prática, sem uma linguagem técnica, avalie o perfil e o momento do cliente”, disse.

Ela ainda deu um alerta. “E atenção, os Baby Boomers (pessoas que nasceram entre 1946 e 1964) são o alvo de apenas 5% dos anúncios, apesar de ainda controlarem 75% da riqueza do país. Eles também são a geração que ainda passa mais tempo com televisão tradicional e mídia impressa”, apontou.

E ela finalizou sua apresentação com os fatores que afetam a decisão e compra de carne. “Saúde e bem-estar, comércio eletrônico, sustentabilidade e transparência além das novas tecnologias são requisitos que devemos entender para cumprir o objetivo final de ganhar a confiança do consumidor. Se eles não acreditarem, não se sentirem confortáveis no que estamos entregando e se não confiarem em nós, eles não vão comprar nossos produtos”, alertou.

Relação da proteína com a saúde

Ao final do evento, o tema principal foi a relação entre a saúde e o consumo de proteínas. De acordo com Felipe Rimko, a rastreabilidade auxilia no processo de conhecimento do produto a ser oferecido aos consumidores. “Com a rastreabilidade vem a certificação, que permite que aquela proteína se encaixe em vários mercados”, apontou.

Sérgio Pflanzer destacou o crescimento do mercado de produtos análogos para substituição da proteína da carne. “Enquanto em outros países há uma curva em queda, no Brasil vemos um crescimento. Já há vários questionamentos se eles ‘entregam ‘ tudo o que prometem em temos de saúde e quem deve responder é a ciência”, apontou. “A industrialização de produtos à base de vegetais pode ser nociva à saúde. Os chamados ‘plant based’ tem um potencial de crescimento e o mercado está se adaptando”, disse.

Andréa Mesquita apontou o risco de se consumir um produto que contenha uma lista com mais de vinte ingredientes. “Precisamos cuidar do discurso e garantir que o que prevaleça é a saúde, tanto para os adultos, como para crianças, que hoje já estão inseridas na ‘vilanização’ da carne”, destacou.

O médico Eurípedes Barsanulfo apontou possíveis problemas em longo prazo com o consumo dos ultra processados. “Estes produtos podem gerar doenças devido ao seu efeito na modulação intestinal. A ciência tem que dizer se o que a população está comendo é saudável ou não”, disse.

Letícia Moreira destacou a falha na saúde devido ao não consumo de proteína animal. “Os veganos precisam usar suplementos ou consumir uma grande quantidade de alimentos para suprir a carência de aminoácidos essenciais. Vejo que quem inicia nesta dieta, 80% a abandonam em menos de um ano, com perdas musculares e problemas intestinais”, alertou.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com