Obrigado por se cadastrar nas Push Notifications!

Quais os assuntos do seu interesse?

Exportações de carne bovina batem recorde no mês de janeiro

Entretanto, as exportações podem ser prejudicadas pela valorização do real frente ao dólar, o que reduz a competitividade da carne bovina brasileira

O ano de 2022 começou com alta nas exportações de carne bovina, confirmando as perspectivas dos agentes do setor pecuário brasileiro. Sendo assim, os preços devem se sustentar no mercado interno.

 O Brasil exportou, no mês de janeiro, mais de 140 mil toneladas de carne bovina, o que configura um recorde para o mês. O preço médio do boi gordo, no mercado brasileiro (Índice CEPEA/B3, São Paulo), atingiu R$ 338,46 por arroba (15 quilos), um recorde, em termos reais – considerando toda a série de médias mensais deflacionadas (IGP- DI).

 Desde o último mês de dezembro que as exportações brasileiras de carne bovina voltaram a crescer, totalizando 127 mil toneladas; antes disso, os embarques haviam diminuído acentuadamente em outubro e novembro, sendo inferiores a 100 mil toneladas. Assim, de dezembro/21 a janeiro/22, as exportações cresceram 10,7%, e nos últimos 12 meses, 31%.

 Este fato se deve em decorrência da retomada das vendas para a China, principal destino da carne bovina brasileira. Em janeiro, os embarques para este país asiático podem ter sido impulsionados pelo Ano Novo Chinês, comemorado no início de fevereiro. Quanto à receita dos embarques de janeiro, totalizou US$ 727,74 (R$ 4 bilhões), 18,8% superior (+16% em Reais) em relação a dez/21 e impressionantes 50,3% (+55% em Reais) que em janeiro/21, segundo a Secex.

 Também em janeiro, o preço pago pela carne bovina brasileira aumentou, com média de US$ 5.178,00/ton, a maior média mensal desde 21/10, 7,34% superior a dez/21 e 14,81% superior a janeiro/21. Em reais, o preço médio da tonelada foi de R$ 28.612,86, aproximando-se do recorde de setembro/21, de R$ 30.649,48/ton.

 Entretanto, as exportações podem ser prejudicadas pela valorização do real frente ao dólar, o que reduz a competitividade da carne bovina brasileira no mercado internacional.

SUÍNOS | Depois de algumas semanas de queda considerável, os preços da suinocultura brasileira reagiram na primeira quinzena de fevereiro, principalmente para o suíno vivo. As altas recentes de preços, observadas na maioria das regiões pesquisadas pelo Cepea, refletiram o pagamento dos salários dos trabalhadores no início do mês, o que elevou ligeiramente a demanda dos abatedouros por animais.

 Mesmo assim, a média mensal de fevereiro (1º a 15) é bem inferior às médias de 22/jan/21/fev. A desvalorização mensal da carne suína tem sido mais acentuada do que a da carne bovina e de frango.

 AVES | Já com relação às vendas brasileiras de carne de frango, tanto para o mercado interno quanto para o mercado internacional, aumentaram na primeira quinzena de fevereiro, elevando os preços no setor avícola – principalmente para os produtos (e nas regiões) com estoques baixos.

 A alta competitividade da carne de frango, no mercado brasileiro, em relação à bovina – somada ao aumento da demanda – típico neste período do mês por conta do pagamento dos salários dos trabalhadores, impulsionou a liquidez.

 O preço do frango inteiro congelado, no mercado atacadista da Grande São Paulo, subiu 2,9% entre 31 e 15 de janeiro, para R$ 5,88/kg em 15 de fevereiro. Para o frango inteiro refrigerado (vendido na mesma região), os valores aumentaram 4,3%, para R$ 5,88/kg.

Siga o Compre Rural no Google News e acompanhe nossos destaques.
LEIA TAMBÉM