Frio intenso atinge lavouras de milho safrinha em regiões produtoras

PARTILHAR
Milho no campo experimental da Embrapa Agrossilvipastoril
Foto: Keyle Barbosa de Menezes / Embrapa

Há risco de geadas em diversas áreas e o vigor das plantas será determinante para não haver queda ainda mais acentuada de produtividade

O alerta de risco de geadas para os próximos dias estende-se por uma longa faixa da zona produtora do milho safrinha. De acordo com dados da Geosys Brasil, a previsão para os próximos dias indica temperaturas mínimas entre -4°C e 6°C do Rio Grande do Sul até o sul de Goiás.

Região Sul – No Paraná, segundo maior produtor de milho no país, a previsão aponta temperaturas abaixo da média para todo o estado nos próximos dias e o alerta vermelho foi aceso. Por causa do plantio mais tardio do milho safrinha, em decorrência do alongamento do ciclo da soja, boa parte das lavouras ainda estão em fase final de ciclo, sendo 62% em fase de frutificação e 27% de maturação, segundo o boletim do Deral – Departamento de Economia Rural. Até agora somente 2% da área de milho safrinha foram colhidas no Estado.

Previsão da temperatura mínima para o Centro-Sul do Brasil / Fonte: Geosys Brasil
Previsão da temperatura mínima para o Centro-Sul do Brasil / Fonte: Geosys Brasil

A análise de sensoriamento remoto realizada pela Geosys Brasil mostra que as lavouras de milho safrinha durante os primeiros dois terços do ciclo sofreram com a forte seca que impactou severamente as plantas. Porém, na fase final do ciclo, o volume de chuvas melhorou, o que resultou em forte alta da umidade do solo, ajudando a recuperação de parte das lavouras. Até o momento, a análise aponta que a forte seca resultou em queda de 28,4% na produtividade das lavouras em comparação com a safra anterior.

“Apesar do Paraná registrar perdas significativas de produtividade nas lavouras de milho safrinha devido à seca do meio do ciclo, observamos que as chuvas registradas nas últimas semanas deixaram as plantas em condições mais satisfatórias de vigor e umidade do solo. Por isso, elas vão enfrentar geadas um pouco mais fortalecidas, porém as lavouras estarão sob condições desafiadoras. Não é possível ainda estimar o impacto da perda de produtividade, mas ele não está descartado, e deverá aumentar ainda mais a quebra da safra.”, analisa Felippe Reis, analista de cultura da Geosys Brasil.

De acordo com o Inmet, na região de Castro-PR houve geadas de forte intensidade. As temperaturas mínimas caíram quase 15°C em apenas dois dias. A temperatura abaixo da média deve permanecer pelo menos até a próxima semana, o que mantém o risco de novas geadas no curto prazo.

Região Centro-Oeste – No Mato Grosso do Sul, assim como no Paraná, a seca limitou o potencial produtivo das lavouras. De março a maio as chuvas foram abaixo da média histórica. Apenas no fim de maio e junho as chuvas voltaram com maior intensidade, porém tarde demais para recuperar totalmente as lavouras. Por isso, as plantas estarão mais enfraquecidas para enfrentar a onda de frio intenso que já está sob o Estado. Existe possibilidade de geada e a queda de temperatura deve perdurar até meados da próxima semana.

A estimativa de produção de milho safrinha para Mato Grosso do Sul é de 57,39 sacas por hectare, cerca de 26,7% menor em comparação com a estimativa do início da safra. A passagem do frio, com geada, nos próximos dias deverá impactar severamente a produtividade das lavouras no Estado.

O Paraná e Mato Grosso do Sul registram índice de produtividade próximo do patamar de 2012, quando houve forte quebra de safra. Porém, com as geadas previstas para os próximos dias, na reta final do ciclo do milho safrinha, a queda de produtividade poderá ser maior. A Geosys Brasil estima até o momento 93,75 milhões de toneladas de milho segunda safra para a produção nacional.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.