Genéricos veterinários baixarão custo da pecuária

Genéricos veterinários baixarão custo da pecuária

PARTILHAR
Aplicação febre aftosa
Foto: mnp.org.br

Medicamento veterinários genéricos poderão entrar no mercado, trazendo um grande impacto financeiro na redução dos custos de produção da pecuária!

A pecuária de corte brasileira será beneficiada com redução dos custos de produção a partir da liberação de medicamentos veterinários genéricos, indicou a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Tereza Cristina Corrêa da Costa Dias em participação no Congresso Brasileiro do Agronegócio.

A 18ª edição do evento, realizado em parceria entre a Abag – Associação Brasileira do Agronegócio – e a B3, ocorreu na última segunda-feira, dia 05, na cidade de São Paulo-SP, e levantou discussões sobre o tema “Agro: momento decisivo”, uma referência ao importante contexto que o setor vive em 2019.

“É um outro gargalo que nós temos, os produtos veterinários, que também têm uma fila enorme que precisa caminhar para entrar novos produtos, mais modernos. Nós estamos agora em uma batalha para trazer mais gente para o Ministério da Agricultura para fazer a mesma coisa que foi feita lá atrás com os defensivos da área vegetal. São genéricos também. […] É necessário e urgente que isso aconteça. A pecuária poderá ser beneficiada tendo uma diminuição de custo, que é o que está acontecendo hoje com a parte agrícola, quando você coloca genéricos no mercado. Todo mundo sabe porque todo mundo toma remédio genérico, é a mesma coisa, é remédio de planta e remédio dos animais que nós estamos tratando e com a mesma segurança com a qual a Anvisa trata também os produtos humanos”, declarou Tereza Cristina.

“Nós estamos trabalhando agora com o governo unido. Nós temos o Ministério das Relações Exteriores, que vai estar junto também fazendo uma comunicação para o exterior junto à Apex, o Ministério da Agricultura e presidência da República porque o Brasil tem capacidade para exportar para 162 países e não é possível que a gente aqui dentro vai dizer que não come produtos absolutamente seguros”, acrescentou a ministra.

Para dar celeridade a estas propostas do governo, o secretário de comunicação social da presidência da República, Fábio Wajngarten, adiantou que a Secom está em fase final de planejamento de uma campanha internacional para o resgate da verdade.

“Cabe a nós despoluirmos, hierarquizarmos o que é notícia e o que é fake news. Está na hora de a gente ser coerente, está na hora de a gente remar para a mesma direção. […] Brasil de fato, Brasil baseado em dados, baseado em verdade”, sustentou.

O chefe da Embrapa Territorial, Evaristo de Miranda, endossou que o agro brasileiro deve unificar seus esforços e o discurso sobre as ações para promover o setor.

“A gente precisa usar muito os fatos. Fatos com base científica. Não que as pessoas não estão do lado do agro, é que elas desconhecem”, frisou.

Com informações do Canal Rural.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com