Kiri Japônes: árvore do futuro cresce 5 metros por ano

Kiri Japônes: árvore do futuro cresce 5 metros por ano

paulownia-ou-kiri-japones
Foto: Facebook Paulownia Portugal

Árvore nativa do oriente pode crescer até cinco metros por ano e é grande alternativa para recuperar o solo degradado.

A luta contra a desertificação e as alterações climáticas pode ter um grande aliado na própria natureza. A árvore kiri japonês ou paulownia possui entre outras qualidades a importante propriedade de recuperar um solo improdutivo e deixa-lo apto para ser utilizado com qualquer tipo de cultivo, contribuindo para o combate à desertificação. As suas raízes profundas permitem controlar e estabilizar a erosão do solo. Suas folhas são ricas em nitrogênio e fornecem nutrientes para o solo se recompor.

Esta árvore chinesa tem um crescimento a mais rápido do mundo (3-5 metros por ano), mas principalmente você não espera que o corte de madeira para obter um lucro, efetivamente produz:

  1. A madeira de valor (700-1000 reais por metro cúbico);
  2. As suas grandes folhas (até 75 centímetros) como silagem para alimentar os gados e porcos;
  3. Todos os anos, os resíduos da poda de árvores são utilizados para a produção de bio-etanol;
  4. A cada primavera, você pode vender as flores que servem ​​para fazer perfume.

E não é só isso, esta árvore absorve 10 vezes mais dióxido de carbono do que qualquer outra árvore, e emite muito mais oxigênio. Tem ainda a possibilidade do aproveitamento da folhagem para o gado, o uso potencial para reflorestamento de terras degradadas, além de seu valor como planta ornamental. Por isso é ideal para combater o aquecimento global devido aos efeitos das alterações climáticas. Com as demais qualidades intrínsecas essa árvore poderá ser uma boa oportunidade de negócio.

folha-da-paulownia
Foto: Divulgação

A Paulownia tomentosa, conhecida popularmente no Brasil como kiri japonês ou simplesmente kiri é uma árvore originária do norte da China e Coréia. É encontrada também no Japão e foi introduzida na Europa, em 1834, via Japão. A espécie foi nomeada por Philipp Franz von Siebold em homenagem a Ana Pavlovna da Rússia, princesa dos Países Baixos, filha do Czar Paulo I da Rússia.

troncos-madeira-retirada-da-paulownia
Foto: Divulgação

São árvores decíduas que podem alcançar até 25m de altura com um tronco de até 1m de diâmetro. Apresentam folhas grandes com até 30 cm de comprimento e 25 cm de largura. As folhas são pilosas, verde escuro com forma ovalada e de coração, distribuídas nas hastes de maneira oposta e alternada. As flores aromáticas são tubulares, de coloração violeta distribuídas em panículas. O fruto é uma cápsula seca oval contendo milhares de sementes minúsculas. A madeira oriunda de seu caule é bastante leve.

plantacao-de-paulownia
Foto: Divulgação

A árvore do futuro kiri

Suas características fisiológicas permitem que esta árvore se adapte a uma grande variedade de climas. A gama de temperaturas a que podem se adaptar é muito ampla, desde -20°C a 45°C, mas encontram o seu intervalo óptimo para um bom crescimento em altura e diâmetro entre 24°C e 29°C. Elas podem conseguir se desenvolver em áreas com precipitação anual próxima de 150 mm, tornando necessárias regas de verão. Se adaptam a todos os tipos de solo, preferindo os solos bem drenados e ligeiramente argilosos com um pH entre 5,5 e 8. Seu porte é reto e com poucos nós, o que a torna interessante para a indústria madeireira. Após o corte se regenera de forma vigorosamente até 7 vezes.

Kiri Japonês
Foto: Divulgação

Economicamente o cultivo da árvore kiri japonês pode ser orientado para a obtenção de biomassa ou para a produção de madeira de excelente qualidade, ambas muito rentáveis. Seu principal valor comercial e industrial encontra-se em seu rápido crescimento, muito maior do que o alcançado por outras espécies arbóreas, tornando-se muito produtiva e rentável.

Árvore kiri

A sua madeira é de excelente qualidade, sendo muito leve e forte, apresentando uma secagem rápida e não é facilmente deformada. É muito maleável e tem excelentes qualidades como isolante. É muito utilizada para a fabricação de móveis, persianas, estruturas, instrumentos musicais, acabamentos de aeronaves, embarcações, pisos, móveis de jardins, plataformas de barco, etc. O país com a maior demanda por esta madeira é o Japão.

paulownia-tomentosa-high-stem-1
Foto: Divulgação

Além da grande versatilidade na aplicação a madeira da árvore kiri japonês, possui especial aplicação nas artes plásticas, especialmente no uso pelos escultores precisamente por causa de sua suavidade; em combinação com a sua difícil combustibilidade e falta de deformação, é ideal para escultura em madeira. Por último, mas não menos importante na lista de qualidades desta madeira, menciona-se a sua suavidade e a falta de nódulos. De outra parte, as Paulownia acumulam os taninos na madeira tornando-a resistente à invasão de carunchos e cupins.

Paulowni_imperialis_SZ10
Foto: Wikipedia

A árvore do futuro kiri japonês

Além do plantio com fins agrícola e industrial com o objetivo de obtenção de madeira, a árvore kiri japonês é plantada como fonte de néctar. Suas flores são abundantemente ricas em néctar e o mel obtido a partir delas é de alta qualidade. Suas qualidades surpreendentes fizeram dela uma espécie de planta obrigatórias também para parques e jardins, não só na Ásia, mas também nos EUA e na Europa.

Crescimento aproximado por ano do kiri japones
Crescimento aproximado por ano / Foto: Divulgação

O fato exposto até agora justifica categoricamente que a Paulownia tomentosa não é apenas uma espécie de uma árvore a mais, mas é uma maneira de fazer um bom negócio. Agricultura, energia, pecuária, meio ambiente, arte ou ciência, independentemente da área de seus interesses comerciais, se vai encontrar um lugar para a árvore kiri. Com ela o futuro é mais seguro, mais caloroso e mais seguro. Há sempre tempo para aproveitar de suas possibilidades.

paulownia-floresta
Foto: Divulgação

Em vista de seus benefícios o estado do Texas nos Estados Unidos começou a implementar um projeto chamado Kiri Revolution (A Revolução Kiri), que consiste em plantar um milhão de Kiris a fim de recuperar as áreas com solos degradados. O projeto tem o objetivo além da recuperação dos solos, mas também para combater as alterações climáticas por sua absorção até dez vezes mais de dióxido de carbono do que qualquer outra árvore no mundo, e além de emitir grandes quantidades de oxigênio.

Embora não seja muito conhecida no Brasil, Paulownia tem muitas vantagens:

  • Não é preciso esperar a corte da madeira para rentabilizar;
  • Pelo segundo ano, você pode rentabilizar por a venda de folhas ensiladas para alimentar os animais;
  • Pelo segundo ano, você pode vender os ramos e outros resíduos de poda para a produção de bio-etanol;
  • Pelo quarto ano, e cada 4 anos (sem replantar), você pode cortar e vender a produção de madeira e dos resíduos para a fabricaçao de bio-etanol;
  • Você corta e vende a sua produção de madeira (para aqueles que optaram por se concentrar na produção de madeira) a cada 8 anos, 1 m3 por árvore, ou 600 metros cúbicos por hectare;
  • Todos os anos, as flores para a indústria da perfumaria fornecem a renda adicional, além de mel de qualidade que você pode produzir, se você tem colmeias;
  • A madeira de paulownia não é muito conhecida e utilizada, por falta de plantaçao. Mas há oportunidades, particularmente na Europa e Asia.

Se essa experiência for bem sucedida, a árvore mais resistente do mundo poderia ajudar a recuperar muitas regiões do nosso planeta cada vez mais degradado.

Referências:

WikipédiaPaulownia Argentina KiriAgriculturers Red de Especialistas en Agricultura, Desenvolvimento Rural e o blog Paulownia Brazil