Maior do mundo: Confinamento tem 160 mil bois

Maior do mundo: Confinamento tem 160 mil bois

PARTILHAR
Confinamento da Karan Beef (Foto de Waldo Swiegers, Bloomberg)

O maior confinamento do mundo, com 160 mil boi confinados, quer suprir a crescente demanda por carne da China

O confinamento da Karan Beef (Pty) Ltd., ao sul de Joanesburgo, é emblemático de um impulso da agricultura sul-africana para impulsionar as exportações de mais produtos de nicho, que vão de toranja e abacate a nozes de macadâmia. Cada vez mais, a ênfase está nos produtos de alto valor, em vez de na produção em massa de culturas menos lucrativas, como o milho.

Com 160.000 cabeças de gado na propriedade, que foram convertidas de leite para produção de carne bovina em 1980, e meio milhão dos animais enviados para abate todos os anos, a operação de 2.500 hectares é o maior confinamento em um único local no mundo, de acordo com o diretor Matthew Karan.

O gado é adquirido de criadores de todo o país com cerca de 8 meses de idade. Eles são mais que dobram seu peso para cerca de 420 kg em quatro meses com ração, incluindo melaço e glúten misturados em uma fábrica parecida com uma linha de produção que vê caminhões especialmente equipados constantemente enchendo calhas nos currais. A operação representa 70% das exportações de carne bovina da África do Sul e 30% do mercado local.

“Isso é tão bom quanto você veria no Texas”, disse Karan, um dos três filhos do fundador Ivor, cujo pai era proprietário de um negócio de fabricação de armários em Joanesburgo.

A empresa exporta carne bovina para o Oriente Médio desde o início dos anos 2000 e, no ano passado, obteve acesso à China, dobrando os volumes de exportação, disse Karan. No ano até novembro, foram embarcados 4,34 milhões de quilos de carne bovina para a China e 4,68 milhões de quilos para o Oriente Médio.

A empresa teve que trabalhar duro para promover a carne bovina da África do Sul, que é geralmente magra e de cloração “rosa” devido ao sistema de classificação local, disse ele. Isso se compara à carne mais marmorizada dos EUA e da Austrália, que contém mais gordura.

“A China é o mercado que está colocando pressão sobre nós, a China precisa de mais carne bovina”, disse Karan.

“Limitamos os volumes que enviamos porque não queremos tirar do mercado local. Há potencial para aumentarmos as exportações, mas essa instalação é praticamente o máximo que poderíamos alcançar.”

As importações de carne bovina da China aumentaram este ano e estão no ritmo de um recorde anual. A Karan Beef também está olhando para a Malásia como um novo mercado de exportação e deve passar por uma auditoria para garantir que atenda aos padrões halal do país no início do próximo ano.

Confinamento da Karan Beef (Foto de Waldo Swiegers, Bloomberg)

O setor de carne bovina da África do Sul está mais pressionado para aumentar a produção para atender à demanda local e internacional, disse Gerhard Schutte, diretor executivo da Red Meat Producers Organization. Uma possibilidade é a capacitação de pequenos agricultores, que possuem cerca de 40% da pecuária do país, mas falta a competitividade necessária para os mercados de exportação, disse ele.

Em outubro, a família Karan concordou em vender uma participação de 90 por cento no negócio para a Public Investment Corp., maior administradora de fundos da África e curadora de pensões de servidores públicos sul-africanos, e pelo empreendimento Negro Agricultural Ventures por 5,2 bilhões de rands (US $ 374 milhões de dólares) em uma das maiores tentativas de resolver o legado do apartheid na agricultura sul-africana. O acordo é o maior do PIC até o momento no setor agrícola, disse o diretor de assuntos corporativos, Deon Botha.

Leia também:

A família continuará administrando o negócio no futuro previsível, disse Karan. Uma oferta anterior de 6 bilhões de rand (US$ 437,86 milhões) para o negócio inteiro por investidores chineses que queriam exportar toda a produção foi rejeitada, disse ele.

“Temos de garantir que deixemos nosso legado adequadamente”, disse Karan. “Você realmente quer ser o cara que vendeu a África do Sul?”

Comprovado! VFL Brasil é líder em qualidade

Fonte: Bloomberg, traduzida e adaptada pela Equipe do Compre Rural

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com