Mais de mil cabeças de gado morrem em confinamento

Mais de mil cabeças de gado morrem em confinamento

botulismo-em-agua-clara
Foto: Divulgação

No final da última semana, um confinamento no Mato Grosso do Sul teve um prejuízo de mais de R$ 2 milhões com o falecimento de 1.100 animais que estavam confinados na fazenda, localizada no município de Ribas do Rio Pardo, a 120 km da capital Campo Grande. Os animais estão sendo enterrados na própria fazenda e não há registro da doença nas propriedades vizinhas.

De acordo com a Agência Estadual de Defesa Sanitária e Animal (Iagro), a suspeita clínica da causa da morte dos animais é botulismo, mas o resultado laboratorial só será divulgado em uma semana. Amostras da ração oferecida aos animais, que é produzida na própria fazenda, e da água da localidade foram enviadas para o laboratório estadual e, caso o resultado seja positivo, será enviado para uma segunda análise em um laboratório de São Paulo.

botulismo-em-agua-clara
Foto: Divulgação
botulismo-em-agua-clara-2
Foto: Divulgação

Sobre o Botulismo, possível doença que atacou os animais

O botulismo ataca o sistema nervoso do animal provocando paralisia motora e o período de incubação é de uma semana a oito dias. A gravidade da doença está diretamente ligada à quantidade de toxinas que o animal ingeriu e pode ser dividia em quatro graus: Super aguda, Aguda, Subaguda e Crônica. Os principais sintomas são anorexia, falta de coordenação e ataxia.

No ser humano, a doença também ataca o sistema nervoso, podendo levar a morte conforme a quantidade de toxina expelida pela bactéria. Os principais sintomas no ser humano são visão dupla e embaçada, fotofobia (aversão à luz), ptose palpebral (queda da pálpebra), tonturas, boca seca, intestino preso e dificuldade para urinar.

Mortes em confinamento, pecuarista emite nota de esclarecimento

5 COMENTÁRIOS

Comments are closed.