Matopiba: Região pode se tornar polo da pecuária

Matopiba: Região pode se tornar polo da pecuária

PARTILHAR
Foto: Breno Lobato

De acordo com estudo da Embrapa, avanço do sistema de integração pode transformar região em novo polo de produção de bovinos em um horizonte de 20 anos.

Detentor de mais de 34% do rebanho brasileiro de bovinos, o Centro-Oeste pode perder o posto de principal produtor de carne bovina do país nos próximos vinte anos. Segundo estudo da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), o avanço da integração entre lavoura, pecuária e floresta (ILPF) com altos índices de produtividade na região do Matopiba, que congrega os Estados de Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia deve formar um novo polo pecuário no Brasil nos próximos anos, reduzindo o protagonismo de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

“Os sistemas integrados são hoje o que chamamos de terceira onda da pecuária, com uma produção intensificada, de ciclo curto, que dialoga com outras cadeias, como grãos e florestas”, observa o pesquisador da Embrapa, Guilherme Malafaia, ao destacar que dos dez municípios com maior produção pecuária no país, apenas um está em Mato Grosso.

“Esse é um movimento que a gente percebe e que tem tudo para que nos próximos 20 anos a gente tenha um novo polo da pecuária no país. Se vai tirar o protagonismo do Centro Oeste só o tempo vai dizer, mas que esse movimento existe, ele existe”, destaca.

A previsão da Embrapa é de que, até 2030, 23% da área produtiva do Matobipa conte com sistemas integrados, índice que pode chegar a 36% no Maranhão. Se confirmada, a projeção representará um crescimento de 187,5% em quinze anos da ILPF na região, podendo chegar a 200%, segundo o presidente do conselho gestor da Rede ILPF, Renato Rodrigues.

“O Matopiba tem um potencial gigantesco. Estamos falando de uma área muito grande, de mais de 13 milhões de hectares de pastagem já abertas, já em produção, e com uma vantagem competitiva muito grande que é a proximidade com o Maranhão para exportação”, destaca Rodrigues.

No Centro-Oeste, por outro lado, o avanço da adoção da ILPF esbarra em alguns desafios. De acordo Tadeu Assad, diretor presidente do Instituto Brasileiro de Desenvolvimento e Sustentabilidade (IABS), entidade que mantém um projeto de assistência técnica voltada para a adoção da tecnologia no Cerrado, a possibilidade de avançar sobre novas áreas com o avanço da fronteira agrícola no norte do Mato Grosso é um deles.

“Se você for ver os indicadores de produtividade, você vai ver que no bioma amazônico os indicadores são os da Mata Atlântica de 30 anos atrás. Isso nos chama atenção porque um dos principais motivadores que tem levado o produtor a fazer a integração é justamente a questão do espaço de expansão dele”, destaca Assad.

Foto: Gabriel Rezende Faria

Além da disponibilidade de área, a predominância da atividade agrícola na região também contribui para o avanço da ILPF no Matopiba, segundo explica Malafaia. “Para o pecuarista, principalmente de médio e pequeno porte, investir na agricultura é muito caro e muito arriscado, principalmente se ele não conhece e não domina as técnicas”, observa o pesquisador.

Soma-se a esse cenário o fato de o Centro Oeste já possuir, em termos absolutos, uma área de integração cinco vezes e meia maior que a do Matopiba e uma fronteira agrícola em franca expansão no norte do Mato Grosso, o que leva a uma taxa de crescimento menor na adoção da tecnologia, mas ainda expressiva.

“Tanto o Mato Grosso, quanto Mato Grosso do Sul e Goiás, quando se pensa em Cerrado, já são Estados que têm a ILPF muito consolidada. Já no Matopiba a adoção dessa tecnologia ainda está incipiente, com uma área proporcionalmente menor, por isso a taxa de crescimento esperada é mais alta que no Centro-Oeste”, observa Rodrigues, ao ressaltar que o avanço da tecnologia na região também de outros fatores, como o acesso ao crédito e à assistência técnica.

“Ainda é preciso fazer de alguns ajustes no sistema de ILPF para o Matopiba, com o desenvolvimento de sistemas específicos de produção, mas a região tem tudo ser um grande polo de produção de grãos, carnes e outros produtos com alto valor agregado, principalmente visando mercado internacional”, conclui o presidente do conselho gestor da Rede ILPF.

Com informações do Globo Rural

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com