Milho volta a cair no Brasil após aumento na oferta

Milho volta a cair no Brasil após aumento na oferta

PARTILHAR
agronegocio-milho-parana-
Foto: Divulgação

No Paraná, a cotação ficou em R$ 52,00/55,00 a saca em Cascavel. Em São Paulo, preço de R$ 54/56 na Mogiana. Em Campinas CIF, preço de R$ 57/58 a saca. 

O mercado brasileiro de milho voltou a registrar preços mais baixos nesta quinta-feira. Segundo o analista de Safras & Mercado, Paulo Molinari, o mercado voltou a apresentar aumento das ofertas regionais, pressionando as cotações.

No Porto de Santos, o preço ficou em R$ 58/59 a saca. No Porto de Paranaguá (PR), preço em R$ 56,50/59 a saca.

No Paraná, a cotação ficou em R$ 52,00/55,00 a saca em Cascavel. Em São Paulo, preço de R$ 54/56 na Mogiana. Em Campinas CIF, preço de R$ 57/58 a saca. 

No Rio Grande do Sul, preço ficou em R$ 58/60 a saca em Erechim. Em Minas Gerais, preço em R$ 52/55 a saca em Uberlândia. Em Goiás, preço esteve em R$ 50 – R$ 52  a saca em Rio Verde – CIF. No Mato Grosso, preço ficou a R$ 49/52 a saca em Rondonópolis.

Segundo a Agrifatto, foi mais um dia de ajuste e desvalorização para o milho brasileiro. A cotação do cereal no mercado físico terminou a quinta-feira abaixo dos R$ 60,00/sc em São Paulo, recuando ao menor valor das últimas duas semanas.

Na B3, o vencimento setembro/20 apresentou pelo 3º dia consecutivo recuo nas cotações, estabelecendo-se em R$ 55,71/sc. O movimento de desvalorização do milho no Brasil segue de olho no dólar e na maior receptividade dos vendedores em realizar negócios.

Nos EUA, o movimento de alta foi revertido nesta quinta-feira, com o vencimento para setembro/20 recuou 1,50%, ficando cotado a US$ 3,45/bu. O recuo do petróleo e a realização de lucros frente ao rally dos últimos dias são as principais justificativas para a desvalorização do cereal na CBOT nesta quinta-feira.

Por Agência Safras e Agrifatto

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com