NASA confirma a segunda seca mais intensa desde 2002

NASA confirma a segunda seca mais intensa desde 2002

PARTILHAR
gado magro na seca do nordeste
Foto: Jornal O Expresso / Carlos Alberto Reis Sampaio

Dados gravimétricos de satélite fornecidos pela NASA indicam que a seca atual é a segunda mais intensa no continente desde 2002 na América do Sul

Grande parte da América do Sul está sofrendo de um grande déficit de chuvas. De acordo com informações publicadas pela NASA em seu site, indícios da seca começaram a aparecer em observações gravimétricas de satélite no sudeste do Brasil em meados de 2018, e se espalharam por partes do Paraguai, Bolívia e norte do Brasil. Argentina até 2020. Até o momento, a estiagem atual é a segunda mais intensa no continente desde 2002, superada apenas pela que ocorreu em 2015-2016 no leste do Brasil e na Venezuela.

“Esta é a segunda seca mais intensa na América do Sul desde 2002”, disse Matthew Rodell, hidrólogo do Goddard Space Flight Center da NASA. “O cálculo é baseado na extensão, duração e volume de água perdida durante a seca, medida pelos satélites GRACE e GRACE-FO”.

NASA confirma a segunda seca mais intensa desde 2002
Fonte: NASA

A NASA também disponibilizou um mapa de 26 de Outubro de 2020 mostrando o armazenamento de água subterrânea rasa na América do Sul, medido pelos satélites Gravity Recovery e Climate Experiment Follow On (GRACE-FO). As cores representam a anomalia de umidade, ou seja, como os níveis do lençol freático se comparam aos registros de longo prazo de Outubro. As áreas azuis possuem mais água do que o normal e as áreas laranja e vermelha, menos. Os vermelhos mais escuros representam condições secas que, estatisticamente, devem ocorrer apenas uma vez a cada 50 anos.

O longo período de seca no centro e sul da América do Sul resultou em grandes áreas afetadas por incêndios generalizados e incomumente intensos. Em geral, as safras de milho de inverno tiveram baixos rendimentos e a chegada tardia das chuvas da primavera atrasou novos plantios de soja.

Em vários rios a falta de água teve consequências para o transporte e vários navios acabaram encalhados. O rio Paraguai registrou seu nível mais baixo em meio século, o transporte de cargas foi atrasado ou reduzido a cargas menores, causando a perda de milhões de dólares no comércio. Especialistas dizem que, se o nível da água continuar a cair, o transporte pode parar.

Seca anunciada

Uma vez que os oceanos desempenham um papel importante no armazenamento e distribuição de calor e umidade ao redor do mundo, períodos prolongados de seca ou umidade são frequentemente precedidos e acompanhados por notáveis anomalias nas temperaturas da superfície do mar.

Antes da temporada de incêndios, Yang Chen, da Universidade da Califórnia em Irvine, previu um clima seco no sudeste da Amazônia, com base nas temperaturas excepcionalmente altas do Oceano Atlântico tropical. Esses períodos de temperaturas de água quente são parte do que os climatologistas chamam de Oscilação Multidecadal do Atlântico e tendem a mudar os padrões do clima de uma maneira que “empurra” um cinturão de chuva importante para o norte nos trópicos.

“Mais ao sul, no Paraguai, Uruguai e norte da Argentina, você chega a uma região extratropical onde a sensibilidade à seca é bem diferente”, explicou Chen. “Na América do Sul extratropical, as baixas temperaturas da superfície do mar no Pacífico Tropical estão mais intimamente associadas às secas.” O Índice de Niño Oceânico (ONI), uma medida das temperaturas da superfície do mar no Pacífico Equatorial Central e Oriental, caiu abaixo do normal em maio.

A NOAA declarou oficialmente o La Niña em 10 de Setembro de 2020. O La Niña geralmente traz condições mais úmidas para o norte da América do Sul, mas um clima mais seco para a parte sul do continente. Os meteorologistas esperam que o La Niña seja de intensidade moderada e persista até pelo menos o final da estação chuvosa.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.