O impacto do comércio na indústria de carne bovina dos EUA

PARTILHAR
Cortes de carne bovina - acougueiro 1
Foto: Wenderson Araujo / Trilux

Acabar com as exportações/importações de carne bovina dos Estados Unidos custaria US$ bilhões aos pecuaristas e causaria uma catástrofe econômica.

Cessar completamente o comércio internacional de carne bovina dos EUA seria uma catástrofe econômica para a indústria de carne bovina dos Estados Unidos, e a carne bovina no varejo seria ainda mais cara para os consumidores americanos. Essa é a conclusão de um novo relatório econômico de coautoria dos economistas da pecuária Glynn Tonsor, da Kansas State University, e Derrell Peel, da Oklahoma State University.

Mesmo uma redução de 10% nas exportações e importações de carne bovina dos EUA causaria uma interrupção significativa nos preços e nas quantidades de gado de corte. Resumindo sua análise em uma entrevista com Drovers, Tonsor e Peel disseram que a perda acumulada de uma redução de 10% nas exportações e importações em 10 anos criaria uma perda econômica de US$ 12,9 bilhões para os vendedores de gado para engorda e de US$ 6,8 bilhões para os vendedores de gado gordo.

O relatório, “Avaliando o impacto econômico que seguiria a perda das exportações e importações de carne bovina dos EUA”, descreve por que os EUA comercializam carne bovina internacionalmente, resume dados históricos do comércio de carne bovina, quantifica os impactos no mercado nacional de gado alimentado e de engorda que podem seguir a perda do comércio de carne bovina e aloca impactos nacionais para impactos em nível estadual. O relatório foi preparado para o Kansas Beef Council, o Oklahoma Beef Council e o Texas Beef Council.

“É difícil exagerar o papel complexo e cada vez maior da exportação e importação de carne bovina”, disseram os autores. “As exportações e importações de carne bovina se combinam para oferecer oportunidades de aumentar o valor da indústria dos EUA, exportando produtos que têm mais valor nos mercados estrangeiros e importando produtos que podem ser adquiridos de forma mais econômica nos mercados internacionais.”

Como ponto de ênfase, “há valor tanto nas importações quanto nas exportações para os pecuaristas americanos”, disse Peel. “Estamos buscando valor e benefícios nos dois sentidos.”

A análise foi iniciada por um “interesse de longo prazo em entender mais o comércio”, disse Tonsor. “As partes interessadas do setor querem entendê-lo melhor e a pandemia ampliou parte desse interesse.”

Especificamente, quando o COVID interrompeu a indústria de carne bovina na primavera de 2020 e o processamento de carne bovina desacelerou e a demanda no varejo disparou, muitas partes interessadas do setor se perguntaram por que os EUA continuaram a importar e exportar carne bovina internacionalmente.

Peel disse que entender as ramificações do comércio de carne bovina é um interesse contínuo para os pecuaristas, o que levou ao projeto para avaliar o impacto do comércio na indústria de carne bovina dos EUA.

A análise constatou que o mix de países para os quais os EUA exportam carne bovina se desenvolveu, resultando em um portfólio de exportação mais diversificado e menos concentrado. Por outro lado, as fontes de importações de carne bovina dos EUA flutuaram menos ao longo do tempo.

“Os preços comerciais implícitos mostram claramente que os EUA recebem um valor mais alto em dólar por libra para exportações do que paga para importações, refletindo as principais diferenças no tipo de produto e o papel de cada transação na agregação de valor econômico”, escreveram os autores.

“De 2016 a 2020, os EUA experimentaram exportações médias anuais de carne bovina não preparada de 2,05 bilhões de libras, valor de exportação de US$ 6,4 bilhões e preço de exportação implícito de US$ 3,13 por libra. Por outro lado, as importações médias anuais de carne bovina não preparada em 2016-2020 foram de 2,30 bilhões de libras, o valor da importação foi de US$ 5,8 bilhões e o preço de importação implícito foi de US$ 2,52 por libra. Essas estatísticas indicam claramente que a participação no mercado global fornece um ganho econômico líquido”.

Extrapolando a perda de 10% do comércio de carne bovina no exemplo do autor citado anteriormente para um mais extremo, a perda total de 100% sugeriria um impacto catastrófico, “amplamente aproximado de US$ 129 bilhões para vendedores de gado para engorda e US$ 68 bilhões para vendedores de gado gordo, refletindo um impacto muito menor indústria geral”.

Impacto nos consumidores

Os pecuaristas não são os únicos a se beneficiar do comércio internacional de carne bovina. Sem esse comércio, os produtos de carne bovina no varejo e no food service são mais caros para os consumidores americanos.

O mercado de carne moída é um exemplo.

“Não seríamos capazes de abastecer o mercado de carne moída no tamanho que tem hoje” sem importações, disse Peel. “Ou, se o fizéssemos, seria porque estávamos moendo muitos produtos enxutos mais caros da oferta doméstica dos EUA para fazê-lo funcionar. Isso inevitavelmente teria um grande impacto em termos de aumento do preço da carne moída e tirar esse valor de outros mercados onde está sendo usada atualmente”.

A guarnição importada representa pouco mais da metade das importações de carne bovina e é usada principalmente para carne moída, mas também para uma variedade de outros produtos de carne bovina processados, incluindo produtos de salsicha, escreveram os autores. O processamento de carne bovina também é usado para vários produtos preparados, incluindo refeições congeladas, entradas e outros produtos processados. Enquanto alguns produtos processados ​​aparecem no varejo, a maioria das guarnições importadas é usada para carne moída de food service.

A dependência da carne bovina importada permaneceu relativamente estável, mas as exportações de carne bovina dos EUA têm se tornado cada vez mais importantes. Peel e Tonsor observam que a Federação de Exportação de Carnes dos EUA fornece estimativas do valor abatido per capita representado pelas exportações de carne bovina e de variedades. Esse valor era de cerca de US$ 300 por cabeça em 2014 e havia crescido para mais de US$ 400 por cabeça até novembro de 2021.

“Desde 2015, o percentual do valor do gado alimentado derivado das exportações continuou crescendo em relação ao volume”, escreveram Peel e Tonsor. “Por exemplo, as estimativas atuais para 2021 indicam que 22% do valor do gado alimentado é atribuível às exportações versus apenas 15% da produção (ao considerar carne bovina e variedades). Este é um exemplo clássico de crescimento da demanda e provavelmente reflete o crescente sucesso em colocar os produtos dos EUA nas mãos daqueles que os valorizam.”

Peel e Tonsor disseram que a importância econômica das exportações e importações de carne bovina é substancial e está crescendo com o tempo. “Na ausência do comércio de carne bovina, toda a indústria encolheria significativamente.”

Fonte: BeefPoint

🚀 Quer ficar por dentro do agronegócio brasileiro e receber as principais notícias do setor em primeira mão? ✅ 👉🏽 Para isso é só entrar em nosso grupo do WhatsApp (clique aqui) ou Telegram (clique aqui). 🚜🌱

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com