“O MST é das piores coisas que existem”

“O MST é das piores coisas que existem”

PARTILHAR
MST
Integrantes do MST que ocupam fazenda de João de Deus em Goiás fazem ato em memória de mulheres vítimas de violência — Foto: Liliane Bueno/TV Anhanguera

Não é de hoje que existe uma grande crítica ao MST, já que a forma como é defendida a reforma agrária pelo movimento é considerada crime. Veja!

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, ou MST, é um movimento que surgiu a muitos anos no Brasil. Tudo iniciou com um grande número de pessoas que viviam em barracões de lona à beira das estradas.

Essa semana, lendo uma matéria veiculada pela Gaucha ZH, portal de notícias, onde o título da matéria é: “Ex-sem-terra, gaúcho que virou fazendeiro critica MST e modelo de reforma agrária”, fiquei curioso quanto a abordagem e, ao ler o artigo, me surpreendi com a fala do fazendeiro.

Quando me perguntam se eu sou contra as ações que o MST realiza durante as suas invasões, não há dúvida na minha resposta: SOU TOTALMENTE CONTRA! Invasões atribuídas ao movimento como a da matéria abaixo, são um absurdo, criminosa e covarde!

Durante a reportagem, o ex-sem-terra, conta a sua história da época da ditadura, onde foi convidado a tomar posse de uma área no centro-oeste, mais precisamente em Lucas do Rio Verde – Mato Grosso.

O governo oferecia transporte de ônibus, bancava a mudança em um caminhão, concedia um pedaço de terra de 200 hectares e ainda daria um salário mínimo para cada família durante 18 meses. 

Hoje, o Sr. Aquilino Sirtoli, com 70 anos, é dono de uma lavoura de 2 mil hectares — 10 vezes o lote original — e de uma casa confortável no centro de Lucas do Rio Verde (350 km de Cuiabá).

Aquilino Sirtoli,
Aquilino Sirtoli, de 70 anos, ex-sem-terra, hoje é dono de uma lavoura de 2 mil hectares no MT Alan Marques / Folhapress

É nesse ponto que eu digo da importância de atitudes e programas sociais que o governo deve promover no campo e na cidade. Programas como o da ditadura, que tem prazo, objetivo e fiscalização. Eles estimulam a produção, de quem realmente quer produzir, gerando economia e crescimento social.

Infelizmente, os programas atuais são de apoio a militantes e facções que se dizem “lutar pelos seus interesses”, mas na verdade usam da violência e falta de caráter para dar apoio a manobras dos que estão engravatados dentro dos escritórios. Eles usam o MST para rouba a terra dos outros e depois as vendem e passam para a próxima e, assim, segue o mecanismo do MST.

O Sr. Aquilino Sirtoli, conta que a situação não foi as mil maravilhas, existiu momentos em que quis desistir, mas foi a determinação e união familiar que fez ele prosperar.

A partir dos início dos anos 1990, com o boom da soja no Mato Grosso, é que conseguiu prosperar, comprar mais terras e aumentar a produção. Hoje planta soja e milho, emprega quatro famílias e tem os três filhos (dois nascidos na cidade) trabalhando na terra.

Ele diz ter uma admiração enorme pelos militares que o levaram para o Centro-Oeste.  

Aquilino é a favor da reforma agrária, mas diz que o modelo atual está errado. 

— A reforma agrária do jeito que é feita hoje é péssima, é para judiar da pessoa. Largam a família no meio do nada, sem crédito, sem estrutura.

Mas ele não concorda com as táticas empregadas pelo MST, movimento de cujo embrião ele, de uma certa forma, participou. 

O MST é das piores coisas que existem. Invadir as terras dos outros, queimar as coisas, fazer maldade, isso não funciona — diz ele.

Um dos motivos que o fizeram aceitar o convite para atravessar o país em busca de uma aventura é que ele nunca foi muito de agitação. 

— Eu nunca fui contra ou a favor, nunca me envolvi com política. Eu só queria plantar — declara.

Compre Rural com informações da Gaúcha ZH

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Zootecnista pela Universidade Federal de Viçosa MBA em Gestão de Projetos pela UNIUBE, idealizador do projeto Tecnologia para o Agronegócio. Possui base técnica e experiência de campo em propriedades de corte e leite. Sócio-Diretor do Compre Rural. (62) 996441746 thiagorp100@gmail.com