“Passando fome”, Cuba libera o abate de bovinos

PARTILHAR
Foto: Polyana Agropecuária

Cuba suspende proibição de décadas ao abate de gado e à venda privada de carnes e laticínios; A ilha passa por uma da maior escassez de alimento para população.

Cuba anunciou que vai suspender uma proibição de décadas ao abate de gado e à venda de carne e laticínios como parte de suas reformas agrícolas, enquanto a ilha comunista luta contra a escassez de alimentos.

Os produtores rurais poderão fazer o que quiserem com seus bois e vacas depois de cumprir as cotas do Estado e a garantia de que não haverá redução nos rebanhos, disse o jornal Granma, do Partido Comunista, na noite de terça-feira.

Em 1963, o governo proibiu os cubanos de abater o gado ou vender carne e subprodutos sem permissão do Estado, depois que um furacão destruiu 20% do rebanho bovino da ilha.

O número de cabeças de gado e a produção de leite melhorou até 1989, quando a União Soviética entrou em colapso. Desde então, a pecuária permaneceu estagnada em cerca de 70% do nível de 1963, e as importações de leite em pó aumentaram.

Economistas cubanos dizem que a desregulamentação do setor agrícola pode ajudar a aumentar a produção.

Cuba importava mais de 60% dos alimentos que consumia antes das novas sanções dos Estados Unidos — que se somaram às décadas de embargo comercial — e a pandemia de Covid-19, que dizimou o turismo, deixou-a sem dinheiro para comprar insumos agrícolas, desde combustível e ração até pesticidas, e muito menos comida.

O crescimento econômico da ilha diminuiu 11% em 2020 e as importações 40%, de acordo com o governo.

Veja a história como era de “Por que os cubanos não podem abater bois e vacas?

Qualquer um que mate um boi ou uma vaca em pode pegar até dez anos de prisão. O delito, tipificado no Código Penal, é um mais severos na visão do Partido Comunista . Para um homicida, uma pena costuma ser de sete anos de cárcere.

Antes da Revolução Cubana de 1959, liderada por Fidel Castro , a ilha possuía vários pequenos e médios pecuaristas. Eles cuidavam de cerca de 6000 cabeças de gado. O negócio atraía algumas empresas americanas, principalmente texanas, que exportavam a carne para os Estados Unidos . Não houve problema algum em matar uma vaca.

Com o avanço do comunismo na ilha, essa classe média de proprietários proprietários foi um dos grupos que se revoltaram contra o novo sistema. Por isso, uma província de Camaguey, onde se concentram esses pecuaristas, foi uma das que mais sofreu à repressão do governo revolucionário. Foi lá onde criaram-se como Unidades Militares de Ajuda à Produção (Umaps) , os campos de trabalho forçado para onde eram enviados todos os que eram considerados contrarrevolucionários. Uma lista inclui gays, alcoólatras, testemunhas de Jeová, sacerdotes cristãos, artistas, intelectuais, usuários de maconha e, claro, camponeses e pecuaristas insatisfeitos. As Umaps funcionaram entre 1965 e 1968.

Produtor rural carrega balde de leite em sua fazenda em Batabano, província de Mayabeque, Cuba Foto: YAMIL LAGE / AFP

Nestas lojas, um quilo de carne custa cerca de 18 pesos conversíveis (cuc), cerca de 20 dólares. É o equivalente ao salário médio mensal de um cubano.

Os proprietários que ainda restaram em Cuba são obrigados a vender leite para o Estado. Hoje, o litro adquirido dos produtores é revendido nas lojas administradas pelo governo por um preço sessenta vezes maior. Caso o camponês seja flagrado fazendo queijo com seu leite, ele pode perder o seu sítio.

Com todas essas dificuldades, o rebanho cubano nunca voltou aos níveis de antes da Revolução. Atualmente, está conectado em 4000 cabeças, 2000 a menos do que havia há seis décadas.

Fonte: O Globo e Veja

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com