Pecuarista fecha porteira e frigoríficos ficam sem boi

Pecuarista fecha porteira e frigoríficos ficam sem boi

PARTILHAR
Foto Divulgação.

Boa parte das indústrias estão pressionando os pecuaristas oferecendo preços abaixo da referência, mas agora falta boi nas escalas de abate; Arroba vai subir!

A queda registrada no fechamento do dia anterior afastou os pecuaristas e o resultado foi um baixo volume de negócios concretizados. Espera-se uma melhoria no consumo de carne bovina nos próximos dias, o que pode dar sustentação aos preços e estimular a compra de boiadas.

Segundo a Radar Investimentos, “a ausência de negócios no mercado físico em SP tem causado um vazio nas escalas de abate e também dificultado as referências de preços no estado. De maneira geral, boa parte da indústria frigorífica necessita de animais para compor as operações do início da próxima semana, entre a segunda-feira e terça-feira (3 e 4/fev).”

Segundo a Scot Consultoria

A queda de preço ao longo da segunda quinzena reduziu o volume de negócios no estado.A pastagem em boa condição permite aos pecuaristas reter os animais na fazenda, aguardando por preços melhores.

A baixa oferta de boiadas mantém parte das indústrias com escalas enxutas (um a dois dias). Nestes casos, os frigoríficos com programações curtas ofertaram preços maiores nessa quinta-feira.

Com isso, a cotação subiu. O boi gordo ficou cotado em R$190,50/@, bruto, R$190,00/@, com o desconto do Senar e R$187,50/@, livre de impostos (Senar e Funrural).

A alta foi de 0,3% na comparação dia a dia. Entretanto, na comparação com o início da segunda quinzena, o preço recuou 2,3%, o que equivale a R$4,50 a menos por arroba.

radar-investimento-relatorio

Preço do milho será um limitante

Para a carne bovina, Pascon afirma que a disparada do milho também traz reflexos ao custo do boi gordo. No entanto, os impactos seriam menores no curto prazo já que o uso do grão é mais intensivo no segundo semestre, nos confinamentos. “No dia-a-dia, (a alimentação) é mais baseada em pasto e adição de minerais, não é algo que agora interfere”, explica.

No entanto, ele projeta uma retomada no preço da arroba do boi gordo em meados de fevereiro. Isso porque o mercado da bovinocultura necessita que os preços sejam reajustados para as margens se acomodarem conforme a cadeia necessita. “Apesar de a demanda no mercado interno ainda precisar ganhar mais força, há expectativa de que as exportações voltem ao normal. Lá para o fim de fevereiro já vamos ver uma balanceada (nos preços)”, comenta.

Mercado de carne com osso tem alta

A demanda no atacado melhorou, o que resultou em alta de preço da carne com osso. O boi casado castrado está cotado em R$11,77/kg, valorização de 1,3% na comparação dia a dia.

A expectativa de melhora do consumo na próxima semana explica este cenário. Com a oferta de boiadas limitada, caso o consumo melhore, o mercado do boi pode ganhar sustentação.

Compre Rural com informações do Notícias Agrícolas, Scot Consultoria e Canal Rural

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com