Pecuarista só compra ração e silagem com desconto

PARTILHAR
Foto: Sérgio Medeiros

Os fornecedores estão tendo que fazer ofertas mais baratas, porque os pecuaristas estão em forte descapitalização e estão comprando cada vez menos.

Junto com o derretimento dos preços do boi, que ainda não tem piso, os custos de rações e silagens perderam sustentação. Os fornecedores estão tendo que fazer ofertas mais baratas, porque os pecuaristas estão em forte descapitalização e estão comprando cada vez menos.

“O custo vai diminuir um pouco, mas está difícil”, diz Juca Alves, produtor de Barretos (SP).

Entre os produtos adquiridos nos últimos dois dias, a silagem com milho caiu de R$ 500 para R$ 350 a tonelada e o saco de ração (40 kg) saiu de R$ 106 para R$ 84, da mesma forma que o bagaço de cana-de-açúcar perdeu mais R$ 150, sendo comprado a R$ 140/t.

Esse efeito em cadeia da paralisação das exportações à China e a brusca queda na originação de animais pelos frigoríficos não chegam a compensar o recuo da @, depois de meses de forte impulso nos valores puxados, especialmente, pelo milho.

Em São Paulo o boi já está abaixo de R$ 260, contra os cerca de R$ 305/310, até que a China embargasse as importações de carne do Brasil diante dos casos do mal da vaca louca, em 3 de setembro.

Alves vai tentar segurar um pouco mais os animais em confinamento, se aproveitando dessa liquidação.

Como ele, outros também contam com as chuvas para acelerar a recuperação dos pastos, cortando mais ainda a necessidade de suplementação alimentar dos bois. 

Com informações do Money Times.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.