Polpa cítrica está custando 43,4% mais em 2020, na comparação anual

Polpa cítrica está custando 43,4% mais em 2020, na comparação anual

PARTILHAR
Foto Divulgação.

Os preços da polpa cítrica estão em alta, acompanhando as valorizações do milho no mercado brasileiro. Levantamento foi divulgado pela Scot Consultoria.

Segundo levantamento da Scot Consultoria, a tonelada da polpa cítrica peletizada, granel, está cotada, em média, em R$788,75 em São Paulo, sem o frete.

Houve alta de 3,6% em março, na comparação com fevereiro deste ano. Já em relação a março do ano passado, o insumo está custando 43,4% mais este ano.

Para o curto e médio prazos, a expectativa é de preços firmes para o milho no mercado brasileiro, o que deverá manter a sustentação das cotações da polpa cítrica e de outros alimentos concentrados energético, como o sorgo.

Outro ponto, é a pequena disponibilidade do insumo (polpa cítrica) neste momento. A safra da laranja tem início em abril/maio e a partir daí a oferta de polpa é crescente.

Milho atinge os maiores preços nominais no Brasil

O preço do milho atingiu os maiores valores nominais no mercado interno. Segundo levantamento da Scot Consultoria, a saca de 60 quilos foi negociada em R$57,00-R$58,00 em março (24/3) na região de Campinas-SP.

O maior preço, até então, foi verificado em 2016, ano em que a queda nos estoques internos e o clima adverso levaram à forte valorização do grão, em reais. Naquela oportunidade, a saca chegou a ser vendida por R$55,00. Veja a figura 1.

Figura 1. Preços do milho na região de Campinas-SP, em R$ por saca de 60 quilos, valores nominais.

Fonte: Scot Consultoria 

Em 2020, ou melhor, desde meados do segundo semestre do ano passado, o câmbio valorizado, a boa demanda, as incertezas com relação ao clima e as expectativas de estoques menores nesta temporada têm dados sustentação aos preços no mercado brasileiro. 

Fundamentos de mercado

De acordo com o relatório divulgado em março pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), o Brasil deverá colher 100,08 milhões de toneladas de milho no ciclo atual (2019/20), frente as 100,04 milhões de toneladas colhidas anteriormente.

Se confirmado, o volume será recorde. 

Entretanto, em relação as estimativas de fevereiro para a safra 2019/20, a produção deverá ser 0,4% menor e não estão descartadas revisões para baixo em função, principalmente, da falta de chuvas em regiões produtoras de milho de segunda safra no Centro Sul do país, além das perdas que estão sendo computadas na primeira safra, em especial no Rio Grande do Sul. 

Com relação ao consumo, a demanda interna foi mantida em 70,45 milhões de toneladas em 2019/2020. No ciclo passado foram consumidas 65,24 milhões de toneladas. 

As exportações foram estimadas em 34 milhões de toneladas em 2019/2020, mesmo volume estimado em fevereiro, mas abaixo das 41,17 milhões embarcadas na temporada passada (recorde). 

Com a revisão para baixo na produção em relação ao relatório anterior e manutenção da demanda (interna e exportação), os estoques finais de milho em 2019/2020 foram revisados para baixo no relatório de março. 

Estão previstas 8,03 milhões de toneladas de milho estocadas ao final deste ciclo, frente as 8,44 milhões de toneladas estimadas anteriormente. É o menor estoque nos últimos anos. Para uma comparação em 2018/2019 foram 11,40 milhões de toneladas e em 2017/2018, 16,18 milhões de toneladas em estoques finais.

Fonte: Scot Consultoria

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com