Preço da arroba sobe quase R$ 5, abrindo alta da semana

Preço da arroba sobe quase R$ 5, abrindo alta da semana

PARTILHAR
Confinamento e Boitel VFL BRASIL. Foto: Marcella Pereira

Preço da boiada começa a semana firme e forte, em Goiás alta de R$ 5/@; Escassez de oferta e resistência na venda de lotes ditam o movimento de valorização da arroba.

O mercado físico do boi gordo abriu segunda-feira com tendência de alta, repetindo o movimento observado nas semanas anteriores. Durante o dia de hoje, os frigoríficos optaram, porém, por uma maior cautela nas ativações dos negócios, pois as empresas ainda buscam avaliar os resultados das vendas de carne bovina durante o final de semana.

Além disso, segundo relatos da Informa Economics FNP, há no mercado uma certa incerteza e especulação em relação aos importadores chineses, que estariam renegociando alguns contratos de venda de carne bovina com o Brasil – “cenário que tem mantido os frigoríficos mais receosos no momento de adquirir gado para abater”.

Agrobrazil

Segundo as informações dos pecuaristas no app da Agrobrazil, os negócios informados tiveram uma alta nos preços, frigoríficos tentam manter escalas de abate para garantir os contratos.

Para boiada com padrão China, pecuaristas de Minas Gerais, em Campina Verde, informaram preços de R$ 210/@ com 30 dias de prazo e abate para o dia 29 de junho, animais acima de 4 dentes com desconto de R$5/@. Já em São Paulo, em Riolândia, o preço foi de R$ 215/@ com prazo de 7 dias e abate para o dia 25 de junho.

A vaca gorda em Campo Grande/MS, teve negócios no valor de R$ 194/@ com prazo de 5 dias para pagamento e abate para o dia 24 de junho. Para o boi gordo em Umuarama/PR, o preço foi de R$ 210/@ à vista e abate para o dia 12 de julho.

O indicador Cepea fechou em alta com valor de R$ 214/@. Já a média Agrobrazil para o estado de São Paulo ficou cotada em R$ 213,17, com preços variando de R$ 210 a R$ 215/@

De qualquer maneira, diante da atual enorme escassez de animais terminados no País, a arroba segue firme nas principais praças pecuárias. As atuais condições climáticas, de modo geral, não permitem represamento de animais nas pastagens, sobretudo pela redução das chuvas. No entanto, relata a FNP, alguns produtores optam por segurar o pouco gado que possui, já que, mesmo com a arroba valorizada, o preço final de venda não é suficiente para pagar os encarecidos custos do gado magro e fazer a reposição dos rebanhos.

No atacado, os preços da carne bovina ficaram estáveis nesta segunda-feira. Segundo a FNP, a procura pelos cortes bovinos se manteve regular e não deve avançar de forma mais consistente ao longo da semana, já que, com a aproximação do final do mês e menor poder aquisitivo, parte da população consumidora deve migrar para proteínas com preços mais acessíveis. O preço do couro aumentou para R$ 0,51/kg, de acordo com a consultoria.

Segundo Agência Safras

Com a elevação, a arroba chegou a R$ 205 na praça goiana nesta segunda-feira, 22. Em São Paulo, foram registrados negócios a R$ 211 por arroba.

No mercado doméstico o relaxamento da quarentena em alguns estados ainda é um elemento que justifica a intensificação da alta dos preços. Também, a oferta de animais terminados permanece restrita, em um período de transição entre safra e entressafra bastante difícil.

  • Na capital de São Paulo, os preços no mercado à vista passaram de R$ 209 para R$ 211 por arroba.
  • Em Uberaba (MG), subiram de R$ 204 para R$ 205.
  • Em Dourados (MS), foram de R$ 200 para R$ 201 por arroba.
  • Em Goiânia (GO), o preço indicado foi de R$ 200 para R$ 205.
  • Já em Cuiabá (MT), subiu de R$ 183 para R$ 184.

Giro pelas praças

No Mato Grosso do Sul, a baixa disponibilidade de animais prontos abriu espaço para novas altas na arroba nesta segunda-feira.

Em Goiás, algumas indústrias pesquisadas pela FNP operam com escalas de abate apertadas, e intensificaram o posicionamento de compras mediante elevação dos preços oferecidos. `

Em São Paulo, os preços do boi gordo ficaram lateralizados, porém firmes. A baixa liquidez de negócios se deve principalmente à oferta restrita de boiada gorda, que tem dificultado o avanço das programações de abate e sustentado as cotações valorizadas.

No Rio de Janeiro, alguns frigoríficos aumentaram seus indicativos na tentativa de montar as escalas desta semana.

No Maranhão, o rebanho terminado disponível para abate não é suficiente para atender a demanda do mercado e os preços do gado gordo apresentaram altas nesta segunda-feira.

No Tocantins, a baixa oferta de animais prontos também é o fator de suporte para pressão altista na arroba.

No Pará, poucos negócios foram realizados no dia, mas a valores mais elevados. Houve registro de frigoríficos que diminuíram a sua capacidade de abate diária em função da dificuldade de compra de matéria prima.

Compre Rural com informações do FNP, Agrobrazil, Agência Safras

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com