Preço da carne bate teto e limita alta da arroba, veja!

Preço da carne bate teto e limita alta da arroba, veja!

PARTILHAR
Agricultura regenerativa: a carne pode salvar o planeta?. Foto Divulgação.

Preço da carne limita continuidade de alta para arroba do boi verificada ao longo de junho. Depois de registrar preços de R$13/kg no começo de junho e atingir patamar acima de R$14/kg em julho, preço da carne começa e recuar no varejo.

Os preços da carne no atacado atingiram um teto para o consumidor e esse cenário impediu a continuidade das altas da arroba nos primeiros dias de julho. As vendas de carne no atacado estão satisfatórias, mas as indústrias testaram valorizações maiores o consumo deu uma travada. 

De acordo com o  Sócio da Radar Investimentos, Douglas Coelho, os preços da arroba em junho saíram dos R$ 204,00 e foram para  a casa dos R$ 218,00. “Agora estamos vendo um espaço mais limitado para novas altas. Porém, o mercado segue firme com animais terminados restritos e as indústrias estão com dificuldade em originar os gados terminados”, comenta. 

No início de junho, os preços para a carcaça casada no atacado estavam cotadas a R$ 12,99/kg e chegou na máxima de R$ 14,10/kg. “Agora, os preços tiveram um ligeiro recuo sentindo e temos uma referência de R$ 14,07/kg. Por outro lado, as indústrias tentam pressionar os valores ofertados na arroba só que as escalas de abates seguem curtas”, relata.

No caso do mercado futuro, Coelho salienta que os preços atuais incentivam os pecuaristas a investir no confinamento. “A dinâmica do mercado futuro neste ano foi muito peculiar já que em todos os meses depois da crise os contratos começaram a precificar o pico da crise e trabalhava sempre abaixo do mercado físico”, ressalta. 

Fonte: Notícias Agrícolas

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.