Produtores sofrem com prejuízos causados pela seca

Produtores sofrem com prejuízos causados pela seca

PARTILHAR
Produtores rurais do interior do Espírito Santo têm amargado prejuízos por causa da seca

O racionamento de água para irrigação, determinado em julho pela Agerh, ajuda no consumo consciente, mas não evita perdas significativas na agricultura do ES.

A falta de chuvas tem trazido prejuízos para os produtores rurais da região serrana e do noroeste do Espírito Santo. O racionamento de água para irrigação — que teve início em julho, por determinação da Agência Estadual de Recursos Hídricos (Agerh) — ajuda no consumo consciente, mas não evita perdas significativas na agricultura.

O racionamento atinge produtores dos municípios de Santa Teresa, Itarana, Itaguaçu e São Roque do Canaã. Este último decretou situação de emergência e adotou rodízio de água também para o consumo humano.

Em Santa Teresa, o produtor rural Edival Corteletti conta que passou a retirar água da nascente para irrigar suas plantações de café e tomate. Ele disse que precisou parar de molhar parte do café para molhar o tomate, mas, mesmo assim, tem amargado prejuízos.

“Eu posso captar água um dia e ficar dois sem captar. E essa porcentagem hoje que eu posso tirar, eu levo em torno de 15 dias para encher um poço e daria para eu molhar não todo o café uma vez. Então eu já abandonei em torno de 80% da minha área de café e eu tenho uma área de tomate. Nessas proporções de água, se eu continuar molhando ele a cada dois dias, eu não vou colher”, disse.

“Fizemos um investimento. Um investimento hoje de um pé de tomate custa em torno de R$ 10. Eu tenho R$ 40 mil. Então se eu não colher tomate ali, qual vai ser o meu prejuízo?”, completou.

Para tentar amenizar a situação, Edival chegou a criar um novo ponto de captação de água de nascente na propriedade dele, mas acabou sendo notificado pela Agência Estadual de Recursos Hídricos.

“Volta e meia existem situações pontuais em que a ação fiscalizadora tem que atuar para fazer com que eles passem a cumprir a regra. Se eles não cumprirem a regra, eles podem ser autuados, que vão desde um processo de notificação até um processo de deflagração de um processo judicial e o lacramento da bomba”, ressaltou o presidente da Agerh, Fábio Ahnert.

Seca

A falta de chuvas mudou a cara da paisagem na zona rural de Santa Teresa. No lugar do verde, é comum encontrar o tom amarelado da vegetação seca. “Já tem uns três meses que não corre água mais aqui”, contou o produtor rural Lúcio Strutz.

Os produtores que sofrem mais são aqueles que vivem longe das nascentes, que não têm dado conta de abastecer córregos e rios. O leito do Rio Perdido, um dos afluentes do Santa Maria do Doce, secou completamente.

O Rio Santa Maria do Doce é responsável por abastecer parte do noroeste do Estado, junto com o Santa Joana. Os dois formam as duas bacias mais prejudicadas pela seca no Espírito Santo.

“Dos últimos cinco anos para cá, o Espírito Santo, em média, tem recebido uma quantidade de chuva anual abaixo do que se espera. Isso tem contribuído muito para a pouca recarga dos aquíferos. Toda água que sustenta o rio, no período de estiagem, é a água que está no subsolo. São as águas dos lençóis freáticos. Então se esse reservatório, que é o solo, não foi recarregado, se não teve chuva suficiente para recarregá-lo, ele acaba aportando pouca água ao rio no período de seca”, explicou Ahnert.

Para o ambientalista Claudiney Rocha, a falta de água também é decorrente do desmatamento desordenado do solo, sem a devida fiscalização por parte do poder público. “Para resolver esse problema, tem que recuperar as matas: topo de morro, nascentes e as matas ciliares. É a única forma que vai conseguir segurar água da chuva. Vai fazer com que essa água vá para o subsolo, alimentando o lençol freático e as nascentes. Aí sim vai voltar a ter água na região”, afirmou.

Isso sem falar no desperdício de água. Segundo especialistas, muitos produtores rurais utilizam, na irrigação, mais água do que precisam e mais do que é permitido. “A água é um bem público. É um direito de todos”, frisou a professora de agronomia do Ifes, Paola Alfonsa Viera Lo Monaco.

A professora afirma ainda que é possível atravessar o período de seca sem passar dificuldades. Ela destaca práticas de cultivo e de irrigação que podem evitar desabastecimento e prejuízo.

“Existem algumas práticas que melhoram a infiltração da água no solo, algumas práticas que a gente chama de conservacionistas, numa bacia hidrográfica. É você fazer o plantio em nível, uso de caixas secas, cobertura morta, cordões de vegetação permanentes. São práticas muito importantes e que melhoram sobremaneira a infiltração da água no solo”, destacou.

“Se não fizer o reflorestamento, se não fizer de novo toda a cobertura vegetal na região, é impossível ter água. Não vai ter água”, completou Claudiney Rocha.

Fonte: Folha Vitória

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com