Qualidade do boi magro já melhora a partir deste ano

PARTILHAR
Foto Divulgação.

A utilização de tecnologias para o melhoramento genético; Maior índice de inseminação nos últimos anos sustentam a volta de boi magro de qualidade.

Desde que a arroba do boi entrou numa escalada de valorização sem precedentes no País, iniciada em meados de setembro de 2019, o terminador não teve jeito: saiu comprando tudo o que achava pela frente.

“De fato, houve uma grande corrida para qualquer tipo de animal jovem.  Mas, por outro lado, vai vir uma leva de animais de qualidade, porque o produtor está investindo mais”, afirma o economista agroindustrial Thiago Bernardino de Carvalho, pesquisador do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), de Piracicaba (SP).

Por trás da afirmação de Carvalho há um forte fundamento: a gradual evolução de vendas de sêmen de corte, desde 2018. Naquele ano, a Associação Brasileira de Inseminação Artificial (Asbia) registrou a venda de 9,6 milhões de doses de sêmen de raças de corte, 19,2% a mais em comparação com 2017.

De lá para cá, as vendas só registraram recordes seguidos. Em 2020, por exemplo, foi o ano que mais se vendeu doses de sêmen de corte no País: 16,3 milhões, o que representou uma alta de 38,3%.

Foto: Carolina Jardine

“A taxa de vacas inseminadas também foi recorde e atingiu 20% das fêmeas no ano passado. Pode até aparecer compras de gado mestiço e leiteiro para terminação, mas este ano a qualidade do gado magro vai melhorar, sim”, diz Carvalho.

Mesmo com uma reposição que deve caminhar a passos largos também para a valorização, Carvalho atesta: é possível ainda que os produtores com foco na engorda lucrem. No entanto, o segmento da recria é uma das apostas do pesquisador para a lucratividade no próximo período.

Segundo dados da Scot Consultoria, em 7/3/2019, o boi magro (360 quilos, 12 @) estava cotado por R$ 2.050 no Estado do São Paulo. Um ano depois, em 12/03/2020, o mesmo animal era vendido a R$ 3.000, o que representou uma valorização de 46,3%. Já neste ano, o salto é 45% de valorização.

Na sexta-feira (4/3), a consultoria estimou um preço médio, em praças paulistas, de R$ 4.350. Na conta geral, significa que de 2019 até agora a alta está de 112,2% para o boi magro.

Atividade de recria ganha mais estímulo este ano com uma alta acumulada de 112% desde 2019

“O produtor que estiver na atividade de recria vai ganhar dinheiro, pois ele a faz num espaço muito curto de tempo e ganhará com a valorização desse tipo de animal para um confinador. O ano de 2021 é muito interessante para essa atividade”, diz.

Maior volume em 2023

No entanto, se o que se busca são animais em grande quantidade e qualidade, então o pecuarista de engorda vai ter de esperar mais um pouco, segundo o economista Aedson Pereira, analista de mercado sênior da IHS Markit no Brasil.

“Vamos começar a sentir a recomposição dos bovinos de reposição no final de 2022 e início de 2023”, diz Pereira.

Bezerrada em peso é esperada no final de 2022 e início de 2023, segundo analista da IHS Markit

Para o analista, essa recomposição tem a ver com o maior ganho de produtividade das fazendas, pois muitos pecuaristas tiveram de abandonar a atividade de cria, pela crise que ela vinha registrando, com preço baixo dos animais de reposição e influenciada pela arroba estagnada entre os anos de 2015 e agosto de 2019.

“Na região de Paragominas e Redenção, no Estado do Pará, tínhamos a informação de 15 a 20 pecuaristas dedicados à cria. Hoje, dá para contar esses produtores com os dedos de uma mão: são cerca de 4 ainda na atividade nessa região”, diz.

A defasagem da cria se contrasta com o melhor momento para a atividade. A consultoria, no entanto, não prevê a volta desse pecuarista criador que deixou a atividade.

Fonte: Portal DBO

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.