Rebanho leiteiro argentino perdeu 30% das vacas nos últimos 15 anos

PARTILHAR
Pecuária leiteira. Ordenha Foto Arnaldo Alves - SECS
Pecuária leiteira. Ordenha Foto Arnaldo Alves - SECS

Clima adverso e intervenções do governo no mercado interno e nas exportações de lácteos gerou o desastre econômico em que o país está preso

Em 2006 e 2007 o rebanho leiteiro argentino tinha 2,15 milhões de animais. Depois veio a seca de 2008/09, as múltiplas intervenções do kirchnerismo (filosofia política atribuída a Néstor Kirchner e sua esposa Cristina Fernández de Kirchner, ambos ex-presidentes da Argentina) no mercado interno e nas exportações de lácteos e o desastre econômico geral em que o país está preso desde pelo menos 2011 até aqui.

Ao longo dos últimos 15 anos, esse conjunto de condicionantes gerou diversos períodos de perdas econômicas e desestimulou investimentos entre produtores que possuem menor escala ou produtividade de suas fazendas leiteiras. É por isso que em 2021 o rebanho de vacas leiteiras somou apenas 1,5 milhão de animais.

O que aconteceu com aquelas vacas? Isso acontece toda vez que atingem sua vida útil como produtoras de leite e são encaminhadas ao abatedouro para descarte. Os argentinos as comeram. Muitas delas também acabaram no mercado de exportação da chamada vaca velha para a China, um negócio que aumentou significativamente de 2018 até hoje.

O número de vacas é fundamental para a possibilidade de crescimento da produção e do rebanho futuro. As medições feitas por analistas como Marcos Snyder mostram que o aumento da oferta de leite é muito maior e mais rápido pela incorporação de animais do que pela melhoria produtiva dos animais ordenhados.

A Argentina tem caminhado nos últimos 15 anos na direção oposta. Eles têm vacas mais produtivas, mas muito menos quantidade e é por isso que a oferta de leite não dá o salto que deveria.

Essa queda no número de vacas foi ainda mais intensa do que a perda no número total de fazendas leiteiras. Há 15 anos eram 11.500 unidades de produção e no ano passado eram 10.070. A queda foi de 12%.

Mas quando a atividade dos estabelecimentos leiteiros é segmentada por porte, observa-se que continua ocorrendo um intenso processo de concentração, o que implica a saída dos menores produtores e o aumento das unidades maiores e mais tecnológicas.

A esse respeito, destaca o relatório da OCLA: “Pode-se verificar que as 360 fazendas leiteiras do estrato com mais de 10.000 litros de produção diária produziram uma média de 18.408 litros por dia durante o mês de maio. Eles representam 3,6% do total de fazendas leiteiras e contribuem com 22,9% da produção total. Isso é quase 28% a mais do que o leite fornecido pelas 5.400 fazendas leiteiras de menos de 2.000 litros por dia, e que são 53,6% do total de fazendas leiteiras, que representam 17,9% da produção nacional”.

O relatório, por sua vez, indica que entre 2010 e 2021 as pequenas propriedades leiteiras que produzem menos de 2.000 litros reduziram sua participação na produção nacional em 34%, enquanto as grandes, que oferecem mais de 10.000 litros por dia, multiplicaram sua participação na oferta total por 4.

As informações são do periódico argentino Bichos de Campo

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.