Sauditas aumentam compra da carne bovina brasileira

Sauditas aumentam compra da carne bovina brasileira

PARTILHAR
Foto: Compre Rural

Exportação em alta e sauditas aumentam compra da carne bovina brasileira; País árabe elevou suas importações em 20,6% no mês de fevereiro. Confira!

O Brasil exportou 56% menos carne bovina ao Egito e mais aos sauditas em fevereiro deste ano frente ao mesmo mês de 2019. O Egito figurou como quarto maior mercado para o produto brasileiro, comprando 11.827 toneladas em fevereiro. Já a Arábia Saudita, na quinta posição, importou 8.425 toneladas da carne do Brasil. Como resultado, o país árabe elevou suas importações em 20,6%, no mesmo comparativo.

Os dados foram divulgados pela Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo), nesta terça-feira (03). As exportações brasileiras totais do produto tiveram queda de 6% no segundo mês de 2020 frente ao mesmo período de 2019.

Foram 131.227 toneladas embarcadas no mês, somando o produto in natura e processado. Já a receita total, teve crescimento de 9%, totalizando US$ 564,6 milhões. O bom desempenho, segundo a Abrafigro, aconteceu por conta de bons preços pagos pelo produto brasileiro no mercado externo.

O Chile, segundo mercado mais importante, aumentou suas importações em 9,6% em fevereiro, somando 15.907 toneladas. Em terceiro lugar veio a Rússia, com movimentação de 13.095 toneladas, aumento de 56,5%.

Os chineses seguem como líderes em compras da carne bovina brasileira, respondendo por 52,5% das exportações, mas diminuíram os embarques no mês passado sobre igual período de de 2019.

No acumulado de janeiro e fevereiro, os embarques totais do Brasil cresceram 2% em relação ao mesmo período de 2019. A receita acumulou um crescimento mais expressivo, de 23%, somando US$ 1,1 bilhão nos primeiros meses de 2020.

Nos dois primeiros meses de 2019, a China continental e a cidade estado de Hong Kong importaram 106.641 toneladas do produto. Esse número subiu em 2020 para 139.969 toneladas, sendo 77.317 toneladas em janeiro e 62.382 em fevereiro. Neste acumulado, a China importou 83% a mais do que em 2019, mas Hong Kong diminuiu suas importações em 14%.

Árabes podem comprar mais US$ 200 mi de carne em 12 meses

A Associação Brasileira das Indústrias Exportadores de Carnes (Abiec) participou da Gulfood, uma das principais feiras de alimento do mundo, realizada em Dubai até esta quinta-feira, 20. Durante o evento, a entidade trabalhou, em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), para divulgar a carne bovina brasileira e ampliar os parceiros comerciais.

Além de apresentar aos participantes da feira o modelo produtivo da pecuária do Brasil, os visitantes puderam degustar a carne. Com a participação, são projetados US$ 200 milhões em negócios gerados para os próximos 12 meses.

“Mais do que os números, a participação brasileira foi importante para nos aproximarmos ainda mais de um mercado importante e que tem potencial de crescimento”, analisa a diretor-executiva da Abiec, Liège Vergili Nogueira. Em 2019, as exportações brasileiras para os países árabes somaram mais de 511 toneladas, alta de 5,7% em relação ao ano anterior.

Os países árabes são um mercado “valioso”, de acordo com o vice-presidente da Conselho Nacional de Pecuária de Corte (CNPC), Sebastião Guedes. Essas nações são responsáveis por 28% do total embarcado pelo Brasil.

“É um mercado fiel, altamente interessante e tradicional para o Brasil. Poucos países têm a chance que o Brasil tem”, comenta. Ele afirma que as condições sanitárias da cadeia produtiva nacional são excelentes.

Compre Rural com informações da AGÊNCIA DE NOTÍCIAS BRASIL-ÁRABE

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com