Segunda-feira vermelha: soja despenca mais de 2%

Segunda-feira vermelha: soja despenca mais de 2%

PARTILHAR
Foto Divulgação.

Segundo analista da Safras & Mercado, os produtores brasileiros devem se valer do dólar em alta para travar mais negócios e aproveitar a oportunidade!

A segunda-feira (8) começou agitada para o mercado internacional com a queda dos preços do petróleo e as bolsas internacionais todas negativas. Não à toa, o mercado da soja, que é a principal commodity agrícola do mundo, também está em queda. Mas para o Brasil isso pode ser uma oportunidade, avalia o analista de mercado da Safras & Mercado, Luiz Fernando Gutierrez.

Segundo ele, não é que o petróleo gera impacto direto na soja, mas como o combustível é uma das principais commodities mundiais, uma queda desse tamanho gera impacto em todo o mercado.

“Afinal estamos falando da base energética mundial. Então é natural que isso se reflita em todos os outros produtos. O dia deve fechar bem negativo para o mercado internacional da soja”, avalia Gutierrez.

O analista comenta que, além disso todo o mercado financeiro está em queda, as bolsas do mercado financeiro caindo 7% a 9%, trazendo um viés nervoso e negativo.

“Será assim hoje. Uma segunda-feira vermelha. Não há nenhuma outra mudança na soja, mas todos os mercado nervosos por conta do petróleo. Isso é uma bola de neve”, diz.

Brasil terá oportunidade

Segundo Gutierrez, isso tudo pode trazer um reflexo positivo para o Brasil, principalmente em relação ao dólar, que segue subindo e batendo recordes. Nesta segunda, a máxima da moeda americana bateu em (R$ 4,79 até as 11h).

“Isso traz uma oportunidade para quem está vendendo e tem o produto, no caso o Brasil. O preço pode continuar subindo? Pode. Mas até quando ou quanto é impossível saber. Tem gente que esá esperando bater os R$ 5, mas o certo é ir travando vendas e fazendo a média”, afirma ele.

Fonte: Canal Rural

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com