Soja: Preço estável e de olho na colheita da safra

Soja: Preço estável e de olho na colheita da safra

PARTILHAR
soja brasileira dinheiro real
Foto: Divulgação

O mercado continua acompanhando de perto a colheita da soja. Enquanto isso, os preços seguem estáveis nas principais praças pelo país. Confira!

No Brasil o mercado de soja continua estável. A oleaginosa encerrou o dia cotada a R$ 167,00/sc no Porto de Paranaguá. Os preços nas demais regiões do país também se mantiveram estáveis. A movimentação deve-se ao avanço da colheita do grão, porém a previsão é de chuvas para a próxima semana, podendo alavancar o mercado novamente.

Os contratos futuros de soja negociados na CBOT hoje encerraram o dia na estabilidade. A oleaginosa ficou cotada a US$ 13,72/bu para o vencimento em março/21, obtendo um leve ganho de 0,09%. A ausência de novas vendas para a China acabaram pressionando o mercado. Além disso a colheita brasileira vem ganhando força, contribuindo com o recuo dos preços.

Comercialização e cotações pelo Brasil

Houve mais atividade na comercialização no dia, com reporte de 20 mil toneladas negociadas no Rio Grande do Sul, 20 mil toneladas também em Minas Gerais, com o total reportado no país de pelo menos 50 mil toneladas.

Em Passo Fundo (RS), a saca de 60 quilos subiu de R$ 165 para R$ 168. Na região das Missões, a cotação subiu de 164 para R$ 167. No porto de Rio Grande, o preço passou de R$ 166 para R$ 170.

Em Cascavel, no Paraná, o preço subiu de R$ 168 para R$ 169 a saca. No porto de Paranaguá (PR), a saca ficou em R$ 165.

Em Rondonópolis (MT), a saca subiu de R$ 154 para R$ 155. Em Dourados (MS), a cotação avançou de R$ 154 a saca para R$ 160. Em Rio Verde (GO), a saca ficou em R$ 160.

Chicago

Os contratos futuros da soja negociados na Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) fecharam a quinta-feira, 4, com preços mais altos para o grão e o óleo e mais baixos para o farelo. O mercado digeriu os números consistentes das vendas líquidas semanais norte-americanas de soja.

Os contratos da soja em grão com entrega em março fecharam com alta de 1,25 centavo de dólar, ou 0,09% a US$ 13,72 por bushel. A posição maio teve cotação de US$ 13,69 por bushel, com ganho de 1,75 centavos ou 0,12%.

Nos subprodutos, a posição março do farelo caiu US$ 2,40 ou 0,55% a US$ 433,10 por tonelada. No óleo, os contratos com vencimento em março fecharam a 44,94 centavos de dólar, alta de 0,46 centavo ou 1,03%.

Câmbio

O dólar comercial encerrou a sessão com alta de 1,49%, sendo negociado a R$ 5,4490 para venda e a R$ 5,4470 para compra. Durante o dia, a moeda norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 5,3570 e a máxima de R$ 5,4570.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com