Super gado: segredo dos hermanos é divulgado

Super gado: segredo dos hermanos é divulgado

PARTILHAR
Foto: Cabaña Doña Sofia

Na província de San Antonio de Areco cientistas estão clonando e modificando genes dos bovinos para produzir mais carne e leite

Dólar (foto abaixo) tem bom arqueamento de costelas, belo traseiro e parece um fisiculturista. Ele é um reprodutor, de grande porte, seus veterinários dizem com orgulho: “Viu? Este é um candidato para clonar e editar ”, sorriem.

Na província de San Antonio de Areco existe dezenas de vacas, todas prenhes, com clones geneticamente melhorados em sua barriga. Elas fazem parte de um projeto científico pioneiro na Argentina que busca aumentar a capacidade de produção dos animais, o que parecia ficção cientifica, eles garantem, é uma revolução que começará a mostrar resultados nos próximos anos.

“Dólar”, touro candidato a clone e edição gênica / Foto: Constanza Nicovolos

A edição de genes, como é conhecida, permite a intervenção nos genes de uma espécie para modificar algumas de suas características naturais: pêlo, chifres, resistência a carrapatos, cor dos olhos, volume corporal, predisposição a diferentes tipos de patologias.

Foto: Cabaña Doña Sofia

Ano passado este mesmo grupo anunciou que haviam modificado, com sucesso, geneticamente um touro da raça Brangus para produzir mais carne, nós publicamos sobre ele. Para isso eles inibiram a expressão de uma proteína que regula o crescimento muscular do animal.

“São usadas ferramentas que editam o DNA. Dado esse corte, a célula tenta reparar: na maioria das vezes, faz errado e a expressão é nula. Isso é conhecido como nocaute genético ”, explica Gabriel Vichera de la empresa Kheiron Biotech. Essa falta faz com que o músculo cresça mais do que o normal, algo que geralmente ocorre na natureza em alguns casos. Aqui procuramos reproduzir essa situação artificialmente.

Entenda o processo de edição

Todo esse trabalho é desenvolvido em laboratórios super tecnológicos, onde tem microscópios espalhados por todos os cantos, onde um deles se destaca, o micromanipulador, que possui uma série de pinças e mini agulhas controladas por um par de alavancas que parecem ser tão complexas quanto as de um avião.

Eles já modificaram os genes de um touro Angus para que ele produza mais carne.

Uma amostra de DNA é coletada primeiro do doador de genes. O próximo passo é editar fragmentos do seu genoma para procurar uma determinada característica que deseja modificar. Atualmente, existem bancos de dados abertos na Internet, onde cientistas de todo o mundo estão atualizando as descobertas sobre onde cada gene está localizado e como ele está relacionado à sua funcionalidade e características associadas. Mas a grande maioria é território desconhecido.

Os testes de edição são desenvolvidos através de softwares, que analisam e sequenciam as diferentes possibilidades. As reações inesperadas que são detectadas por este programa, são descartadas.

Em seguida, um óvulo receptor é coletado com o micromanipulador, a informação genética do doador é removida e a célula com o DNA editado é inserida.

Finalmente, através de um processo químico, o óvulo acredita que foi fertilizado iniciar o processo de multiplicação. Ele continuará seu crescimento no laboratório, até que esteja pronto para sair do laboratório e ir para o campo e ser implantado em uma vaca receptora que continuará a gravidez.

Foto: Constanza Nicovolos

Tesouras que “cortam” o tempo

O cruzamento de raças de gado para melhorar certos aspectos é uma prática histórica na pecuária. O principal problema com esse método era que os resultados dependiam inteiramente de como os genes eram desenvolvidos durante a gravidez. A promessa da edição de genes é simplificar e acelerar esse processo: em uma única geração, são alcançadas as características que anteriormente exigiam décadas.

Custos de produção

A grande mudança que essa técnica trouxe foi a eficiência, simplicidade e o custo muito baixo do processo . “A edição de genes é uma tecnologia que democratiza a capacidade de introduzir uma modificação e reduz seu custo. Antes, para criar um animal modificado, era necessário clonar e a clonagem é muito cara ”, explica Daniel Salamone, pesquisador da Conicet e um dos pioneiros em genética em nosso país. Para colocar em números, este processo atual custa em torno de US$ 200 ; Antes, um trabalho de edição exigia cerca de US $ 30.000 apenas para obter reagentes.

Elisabet Wiedermann, Mariana Suva, Gabriel Vichera, Martín Olguín y Victoria Arnold, cientistas do projeto / Foto: Constanza Nicovolos

O que a edição gênica já fez

Essa democratização é o que permite que projetos de todos os tipos cresçam. Em 2011, Salamone e sua equipe conseguiram remover com o CRISPR o gene que causou a doença da vaca louca, uma doença erradicada na Argentina, mas que continua afetando os produtores de gado em todo o mundo. E eles também colaboraram, juntamente com os colegas, em um projeto americano para produzir vacas leiteiras sem chifres.

Vichera e sua equipe trabalham em paralelo para inibir a expressão dos genes que regulam o comprimento dos cabelos em vacas Angus, o que lhes permitiria obter espécimes com pêlo mais curto, que poderiam ser criados em campos no norte do país sem sofrer com as temperaturas mais altas.

Existem vários projetos em desenvolvimento na Argentina, um que se destaca é, através da edição gênica, produzir leite de vaca ideal para o consumo humano. Os hermanos tem um grande potencial de desenvolvimento no campo da engenharia genética, de acordo com as diferentes fontes consultadas. Possui legislação avançada que favorece a pesquisa, um material genético de nível premium em campos em todo o país, um excelente recurso humano para cientistas que trabalham na área e uma mistura de grupos privados e oficiais que fazem experiências diferentes.

E o Brasil, também faz edição gênica?

Já existem pesquisas em curso aqui no Brasil também, quem está a frente destes projetos é a Embrapa, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Dentro do seu corpo técnico existem especialistas em edição gênica. Um deles é Luiz Sérgio Camargo, que ficou estudando alguns meses nos Estados Unidos.

O objetivo do pesquisador foi estudar a técnica de eletroporação no desenvolvimento de sistemas para a edição gênica em embriões bovinos. Segundo Camargo, a técnica é uma alternativa ao procedimento usual de edição gênica por meio de injeção citoplasmática. “Em vez da injeção, utiliza-se a alta voltagem para abrir poros na membrana celular, promovendo a introdução de reagentes na célula”, explica o pesquisador. Segundo ele, esse procedimento é mais eficiente, além de economizar tempo e reduzir os custos com as pesquisas.

Carrapato e calor

Os pesquisadores brasileiros tem nestes dois itens, carrapato e temperatura, parte do seu grande desafio para a pecuária brasileira. Dados estimam que o Brasil perde mais de R$ 10 bilhões todo ano com o problema de carrapatos, é necessário se pensar em animais que sejam resistentes a esta praga. Outro desafio é tornar as raças taurinas, cada vez mais usadas no país, resistentes ao calor. Já existem projeto que selecionam animais mais adaptados, entretanto, a edição gênica cairia como uma luva neste caso, já que selecionar através das gerações leva-se décadas.

Tradução e adaptação: Compre Rural / Via Clarin

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Fundador e editor do Compre Rural, pós graduado em Consultoria Web, especialista SEO e aspirante a produtor rural.