Surto viral mortal mata cavalos e traz pânico!

Surto viral mortal mata cavalos e traz pânico!

PARTILHAR

Segundo as informações, mais de 17 cavalos já morreram e algumas éguas abortaram e ou passaram por cirurgias para tentar reparar os danos internos!

Mais uma vez o mundo dos equinos foi pego de surpresa e tem sofrido com o grande surto viral que está matando os animais e gerando prejuízo e pânico. De acordo com reportagem da revista Science, de lá para cá, pelo menos 17 equinos morreram, algumas fêmeas abortaram e animais passaram por cirurgias para reparar danos em seus órgãos internos.

No final do mês passado, uma competição internacional de salto a cavalo na Espanha, que normalmente oferece um refúgio ensolarado para cavaleiros de elite, sofreu uma reviravolta sombria. Um surto de doença adoeceu dezenas de cavalos, deixando muitos tão fracos que não conseguiam ficar de pé e outros exibindo um comportamento agressivo incomum. 

O mundo equestre está se preparando para o pior. Antes que os pesquisadores pudessem identificar a causa do surto – um patógeno conhecido chamado herpesvírus equino tipo 1 (EHV-1) – alguns 600 dos 750 cavalos que participaram do evento já estavam indo para casa, ameaçando espalhar o que as autoridades já chamam de EHV mais sério -1 surto na Europa em décadas. 

Em uma tentativa de conter os danos, a Federação Internacional de Esportes Equestres (FEI), que supervisiona as competições equestres internacionais, cancelou todos os eventos europeus – incluindo a Copa do Mundo – pelo menos até meados de abril. Os proprietários de cavalos, por sua vez, estão tentando freneticamente vacinar e isolar seus cavalos.

Para os cientistas, o surto levantou uma série de questões. Eles estão examinando por que o EHV-1, um vírus familiar que normalmente produz sintomas mais brandos, parece ter atingido esses animais, especialmente as éguas, de maneira incomum. Alguns estão se perguntando se as drogas ou a própria vacina contra o EHV-1 podem ter desempenhado um papel. 

“Nossa prioridade deve ser lidar com o impacto imediato desse terrível vírus”, disse Göran Åkerström, diretor veterinário da FEI. Mas, “Também é crucial que … expandamos nossos dados epidemiológicos”. Um grupo de trabalho especial da FEI para estudar o surto teve sua primeira reunião em 18 de março.

ANA VELLOSO/VETERINARY TEACHING HOSPITAL CARENDAL HERRERA

Os pesquisadores dizem que as condições da competição de um mês, realizada em Valência, Espanha, eram propícias para um surto de EHV-1, que se espalha principalmente por gotículas exaladas. Os cavalos foram alojados em baias apertadas e “Tudo o que é necessário é que um cavalo portador de um vírus latente tenha algum tipo de estresse e seu vírus seja ativado e comece a se espalhar”, diz o especialista em doenças equinas Lutz Goehring, da Ludwig Maximilian University Munique.

Animais doentes logo lotaram um hospital eqüino na vizinha Universidade CEU Cardenal Herrera, disse Ana Velloso Álvarez, veterinária do local. Médicos exaustos tratavam de até 20 animais simultaneamente, com muitos cavalos içados em fundas, literalmente pendurados entre a vida e a morte. “Acho que entendo mais como tem sido para os médicos [COVID-19]”, diz Álvarez.

Estudos descobriram que quase todos os cavalos foram expostos a pelo menos uma das cinco principais cepas do EHV-1, e os animais podem carregar vírus inativos por anos. Infecções ativas geralmente causam febre e doenças respiratórias leves, às vezes aborto. Uma variante especialmente preocupante, conhecida como tipo 1, pode causar sérios danos neurológicos, tornando os cavalos instáveis ​​ou incapazes de ficar em pé. Ocasionalmente, isso os mata.

A maioria dos surtos afeta apenas um punhado de cavalos antes que uma fazenda seja colocada em quarentena e desinfetada. E menos de 15% dos animais infectados geralmente exibem sintomas neurológicos. Mas em Valência até 40% dos cavalos doentes mostraram sinais de danos neurológicos, disse Álvarez. 

E, em uma reviravolta incomum para o EHV-1, cada cavalo tinha seu próprio coquetel de problemas. Alguns tiveram coágulos sanguíneos intestinais e precisaram de cirurgia. Outros tinham as pernas inchadas, andavam como se estivessem bêbados ou exibiam um comportamento incomum. “Isso é completamente diferente do que estamos acostumados [com o EHV-1]”, diz Álvarez.

O sequenciamento genético sugere que o surto não foi causado por uma nova cepa de EHV-1. Isso fez com que os pesquisadores analisassem outros fatores que poderiam ter piorado os resultados. Um é viajar. Alguns cavalos passaram até 3 dias viajando para o evento, e essas viagens longas podem ser “um grande estressor”, diz Barbara Padalino, uma cientista equina da Universidade de Bolonha. Estudos recentes feitos por sua equipe mostraram que, após uma viagem de apenas 12 horas, as defesas imunológicas de um cavalo contra o EHV-1 diminuem, aumentando a chance de infecção.

Outros cientistas estão examinando o papel do sexo. Cerca de 80% dos casos mais graves de Valência envolveram éguas, diz Álvarez. Alguns pesquisadores se perguntam se os medicamentos usados ​​para interromper os ciclos reprodutivos das éguas – um tratamento que alguns cavaleiros acham que torna o cavalo mais fácil de manusear – podem ter contribuído para a doença. 

Uma droga popular, o altrenogest, é baseado em progesterona, que demonstrou enfraquecer a função imunológica, observa Christine Aurich, uma ginecologista equina do Instituto Graf Lehndorff, na Alemanha.

Os pesquisadores também estão examinando a vacina EHV-1, que tem um histórico irregular de prevenção de doenças e requer doses de reforço a cada 6 meses. Muitos dos cavalos doentes foram vacinados, diz Åkerström, mas estudos anteriores sugeriram que os cavalos podem estar em maior risco de sintomas neurológicos nas semanas após a vacinação. O grupo de trabalho da FEI está coletando registros de vacinação, bem como dados de infecções e sintomas, na esperança de esclarecer tais questões – e desenvolver melhores maneiras de tratar e prevenir surtos futuros.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com