Texas eliminará termo “carne” em alimentos à base de plantas

Texas eliminará termo “carne” em alimentos à base de plantas

PARTILHAR
alimentos a base de plantas
Foto: Divulgação

Os políticos do Texas, estado mais ao sul dos EUA, aprovaram projeto de lei que proíbe o uso do termo “carne” e “bife” nos rótulos de alimentos à base de plantas

O governo do estado do Texas aprovaram na segunda-feira um projeto de lei que proibirá alimentos à base de plantas e alimentos que não contenham carne de animais de usar os termos “carne” ou “carne bovina” para descrever os alimentos nos rótulos. O projeto foi aprovado após um breve debate, visa proibir as empresas de enganar os consumidores, de acordo com o periódico Dallas News. O projeto também impedirá que empresas que produzem alimentos a partir de insetos, plantas ou culturas de células, e não animais abatidos, usem o rótulo “carne”, “porco”, “aves” ou “carne bovina”.

“Isso é para aqueles que optam por comer carne, mas também é para aqueles que optam por não comer carne”, disse o deputado estadual Brad Buckley (R) do Texas, autor que apresentou o projeto de lei. Segundo o projeto, as empresas não seriam impedidas de usar o termo “hambúrguer” para descrever e rotular seus produtos.

Empresas de alimentos vegetais, como Beyond Meat e Impossible Burgers, ganharam popularidade nos últimos anos e se opuseram a leis semelhantes ao projeto do Texas no tribunal, citando uma violação da liberdade de expressão, observou o Dallas News.

Texas elimina termo “carne” em alimentos à base de plantas
Reprodução das redes sociais

O projeto de lei do Texas obteve o apoio das associações de criadores de bovinos e suínos, além de várias empresas ligadas ao setor pecuário. As organizações como a Associação de Alimentos Baseados em Plantas e a Aliança para Inclusão Baseada em Plantas, bem como Além da Carne e o Hambúrguer Impossível, foram contra as medidas.

O deputado estadual Gene Wu, dos Democratas, argumentou que, se o projeto for aprovado, o estado pode estar sujeito a litígios desnecessários. Um legislador estadual republicano, o deputado Kyle Biedermann, disse que apoiava o projeto, mas estava preocupado com o exagero do estado. “Não deveria haver necessidade de legislar mais regulamentação dessas outras empresas quando parece que suas embalagens são bem claras”, disse Biedermann, de acordo com o Dallas News.

Buckley respondeu, argumentando que o projeto será benéfico para os texanos. “Nosso objetivo aqui hoje com esta fatura é ter uma rotulagem clara e precisa para que o consumidor não tenha dúvidas sobre o que está comprando”, disse ele.

O projeto deve ser votado novamente na Câmara antes de ser encaminhado ao Senado estadual.


Os produtos que tem adição de proteínas e gorduras que não são derivados do leite
Os produtos que tem adição de proteínas e gorduras que não são derivados do leite, não podem levar o nome de queijo na embalagem – Daniel Albany por Pixabay

Aqui no Brasil o questionamento é o mesmo, também com produtos lácteos. Recentemente a Rádio Brasil de Fato publicou um artigo sobre o assunto, nele é levantado sobre o produto lácteo fundido, criado pela indústria e cada vez mais substitui os diferentes tipos de laticínios.

Será que você está comendo queijo de verdade?

Imagina você pedir uma pizza, uma esfiha ou até mesmo um lanche e no lugar da mussarela ou do cheddar, vier um ingrediente que parece, mas não é queijo? Pode até ser difícil de acreditar mas isso já acontece sim, é o chamado produto lácteo fundido.

Você pode estar consumindo um produto que tem gosto e aparência de queijo, mas na verdade, não é 

O grande problema é que por ser ultraprocessado, esse tipo de alimento traz ingredientes químicos que fazem mal à nossa saúde. A nutricionista explica melhor da sua composição.“É uma mistura de queijo, que tem uma proporção mínima de 75% de uma determinada variedade de queijo na sua composição, que são chamados de queijo ultraprocessado. Então, esses ouros 25% são outros tipos de ingredientes, como gordura hidrogenada, amido modificado”.

Adaptado do site The Hill e Brasil de Fato

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com