Uso dos Pneus de Soja cresce; Mostraremos como é feito!

PARTILHAR

A produção é um lançamento pertencendo a GOODYEAR, que agora expande sua linha de Pneus à base de Soja, substituindo o uso de petróleo; Veja como é feito os Pneus de Soja!

O agronegócio é um dos principais setores da economia mundial, sendo responsável por gerar riquezas e insumos importantes para o ser humano. Um grande destaque é a soja, grão utilizado de diversas formas pela indústria, assim como seus subprodutos. Foi neste cenário que a Goodyear, empresa líder na produção de pneus, criou os Pneus de Soja. Agora, segundo as novidades, ela expande sua linha de Pneus à base de Soja, substituindo o uso de petróleo; Veja como é feito!

Mais Pneus de Soja Goodyear nas estradas significa mais consumo de óleo de soja, dando aos agricultores outro produto de valor agregado que está ajudando no crescimento no mercado da demanda da oleaginosa. De 2012 a 2014, a empresa realizou trabalhos de desenvolvimento para criar polímeros à base de soja. Demorou mais três anos para encontrar o ajuste certo da linha de pneus. “Nosso objetivo é fornecer desempenho e valor ao usuário final”, diz Woloszynek.

A inovação em pneus se deve a uma colaboração entre a Goodyear e o United Soybean Board, que forneceu financiamento técnico para engenheiros da Goodyear trabalharem com graus especiais de óleo de soja. A empresa passou anos aprendendo a usar corretamente o óleo de soja para substituir o óleo de petróleo.

O uso de óleo de soja pela Goodyear está crescendo e queremos que nossas ações façam a diferença na vida dos produtores de soja e outros na cadeia de fornecimento de soja”, disse Maureen Thune, vice-presidente e diretora de compras em um comunicado à imprensa. A inovação do pneu de óleo de soja foi comercializada pela primeira vez em 2017 e expandida nos anos seguintes.

Além das linhas que são comercializadas, os pneus Goodyear Metro Miler G152 e G652 para ônibus de trânsito e o pneu de resíduos de transporte Endurance WHA agora são feitos com óleo de soja, substituindo uma parte dos materiais à base de petróleo usados ​​na produção. 

“Nossa nova política nos ajudará a trabalhar com processadores, agricultores e outros para fortalecer a sustentabilidade da cadeia global de fornecimento de soja.”

O lançamento da Goodyear de seus primeiros pneus à base de soja para transporte de resíduos e ônibus urbanos é um avanço para os produtores de soja dos Estados Unidos e as cidades que dependem de pneus sustentáveis ​​e de alto desempenho”, diz Ralph Lott, produtor de soja de Seneca Falls, Nova York, e presidente do United Soybean Board. 

“Líderes da cidade e de outras frotas nos disseram que querem soja em pneus para equipamentos tão pesados. Esses pneus grandes são outra maneira empolgante de entregar soja sustentável a mais vidas, todos os dias”, ressaltou Lott.

Os pneus Metro Miler e Endurance compõem a quinta e sexta linhas de pneus que contêm soja da Goodyear, juntando-se ao Assurance WeatherReady, Assurance ComfortDrive, Eagle Exhilarate, Eagle Enforcer All Weather e alguns pneus de corrida Goodyear.

Isso é uma continuação da meta da Goodyear de aumentar o uso de óleo de soja no lugar do óleo à base de petróleo. Dr. Robert Woloszynek, engenheiro-chefe de desenvolvimento global de materiais da Goodyear, diz que o objetivo da empresa é criar um pneu feito 100% de materiais sustentáveis ​​até 2030 e substituir totalmente os óleos derivados do petróleo em seus produtos até 2040. 

A Goodyear anunciou anteriormente planos para aumentar o uso de óleo de soja em seus produtos, com o objetivo de aumentar o uso de óleo de soja em substituição ao petróleo em 25% até o final de 2019. A empresa superou essa meta, segundo Woloszynek, chegando a 90% aumentar até o final de 2019, 73% em 2020 e 13% em 2021.

Produção dos Pneus de Soja

O uso de óleo de soja pela Goodyear na produção de pneus atualmente aproveita o excedente significativo de óleo disponível além do que é usado na produção de alimentos, diz Woloszynek. Enquanto quase 100% da proteína de soja é usada em aplicações de alimentos/rações animais, apenas 65% do óleo de soja produzido é usado em aplicações de alimentos, deixando um excedente para empresas como a Goodyear aproveitarem. 

A empresa usa óleo de soja commodity em seu processo de fabricação de polímeros e pneus de muitas maneiras diferentes, dependendo de sua aplicação. Os óleos em geral são utilizados em compostos de pneus para reduzir a viscosidade e possibilitar a fabricação de compostos de borracha que compõem os diferentes componentes de um pneu. Também pode ajudar com propriedades do composto, como resistência à abrasão e propriedades do pneu, como resistência ao rolamento. 

“O desempenho de um pneu feito com um composto de piso de óleo de soja não muda”, diz Woloszynek. “Em nossos pneus de consumo, descobrimos que o uso de recursos renováveis, como óleo de soja, ajuda a criar um pneu mais sustentável, ao mesmo tempo em que melhora a tração na chuva e na neve com maior flexibilidade do pneu em baixas temperaturas.”

Pesquisas da UNITED SOYBEAN BOARD

Esta parceria entre a USB e a Goodyear é resultado do investimento em pesquisa da USB. 

“O USB está animado para fazer parceria com usuários industriais e apoiá-los nos atributos de sustentabilidade que eles podem querer incorporar em seus produtos”, diz Ed Lammers, coordenador de saúde e nutrição do USB. “Os clientes estão exigindo mais atributos de sustentabilidade em planos de longo alcance, e isso se encaixa muito bem no objetivo [do USB].” 

Produtos à base de plantas, como os pneus de soja da Goodyear, ajudam os agricultores a aumentar a demanda por soja, um componente crítico do plano estratégico da USB com a visão de fazer parcerias para fornecer soja sustentável em “todas as vidas, todos os dias”.

Lammers diz que o USB está envolvido em muitos projetos de pesquisa sobre maneiras de alterar a soja para desenvolver propriedades diferentes, como uma porcentagem maior de farinha ou proteína, maior resistência a doenças e – para aplicações industriais como os pneus da Goodyear – teor de óleo. Os resultados finais desta pesquisa ainda estão a anos de distância, mas por enquanto, a oferta dos agricultores é capaz de atender a demanda necessária nos Estados Unidos. 

A questão mais iminente para a produção de óleo de soja é a capacidade de esmagamento, de acordo com Lammers, mas diz que há uma quantidade substancial de nova moagem atualmente em processo ou planejada para construção. 

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com