Volta da China trará nova dinâmica às negociações

Volta da China trará nova dinâmica às negociações

PARTILHAR
Montagem: Compre Rural

Boi em alta com melhora do consumo interno e postura retraída do pecuarista. Volta da China trará nova dinâmica às negociações. Confira!

Depois de presenciar cotações pressionadas, o mercado do boi deve ter um momento de reação nos preços este mês. Segundo a Scot Consultoria, das 32 praças produtoras analisadas, 20 registraram alta na arroba nesta terça-feira (04).

De acordo com o analista de mercado da empresa, Hyberville Neto, apesar da aparência de recuperação sazonal, a movimentação deve ser de estabilidade ou até de reforço nos preços, devido à melhora na demanda interna, retenção de matrizes e menor oferta de produto para entrar no mercado. O que pode gerar um diferencial neste cenário é o mercado externo, a depender do apetite de importação da China, que passa por grave situação sanitária.

Aos poucos arroba do boi vai se valorizando. Nesta terça-feira (04) 20 das 32 praças pesquisadas pela Scot Consultoria tiveram alta nos preços.

Segundo Neto, fevereiro vem trazendo uma demanda maior principalmente no mercado doméstico, com a melhora na economia e a animação do consumidor com a entrada dos salários. “A movimentação no varejo aidna não aconteceu, mas no atacado, sim, em antecipação à esta demanda”, explica.

O analista afirma também que há uma retenção das boiadas por parte dos pecuaristas, esperando um momento melhor de venda, enquanto ainda há pastagens, e que os frigoríficos, justamente por causa dessa expectativa de maior demanda, não podem se dar ao luxo de entrar em queda de braço com o produtor.

“As exportações tiveram bons volumes em janeiro, mas agora ficam as dúvidas em como o mercado externo vai ficar devido ao problema sanitário da China. Embora haja alguma expectativa de reposição de estoques em algum momento, e ponderação sobre o crescimento da economia chinesa em médio prazo, há sinalização de que o governo chinês não vai brincar no momento em que a situação precisar ser equilibrada”, disse.

Além da dúvida de qual será a avidez da China em importar carne bovina, a questão é quando isso deve acontecer, já que há dificuldade na mobilidade de mercadorias justamente pela questão sanitária. 

Há também a preocupação que estes surtos de PSA, coronavírus e gripe aviária possam atrapalhar o crescimento da economia chinesa, e isso deve afetar o poder aquisitivo da população, impactando a demanda por proteína animal.

Neto dá a dica para que o produtor faça a trava de preços mínimos em negociações futuras, aproveite uma possível alta, e fique aberto às possibilidades, ainda mais se ele depender de reposição.

Fonte: Notícias Agrícolas

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com