CLASSIFICADOS
Página Inicial » Artigos » Pesquisa feita por doutoranda da USP mostra sinusite crônica em equinos e procedimento cirúrgico
Curso de gestão de pastagens, planejamento e manejo da teoria à prática, aprenda o método PDCA
Imagem ilustrativa, não remete à pesquisa
Imagem ilustrativa, não remete à pesquisa

Pesquisa feita por doutoranda da USP mostra sinusite crônica em equinos e procedimento cirúrgico

A sinusite consiste no acúmulo de exsudato no interior dos seios paranasais resultante de infecções virais e bacterianas do trato respiratório superior. A sinusite secundária do seio maxilar geralmente está associada a distúrbios dentais, como dentes fraturados, infundíbulos pérvios e periostite alveolar. A sinusite secundária pode seguir-se também a lesões traumáticas da cabeça, ao desenvolvimento de neoplasias, cistos e hematomas paranasais.

Sinais Clínicos

Os sinais clínicos de eqüinos acometidos por sinusite primária são secreção nasal purulenta unilateral, com odor fétido e em alguns casos aumento de volume facial, principalmente quando envolve seio maxilar rostral. Em casos crônicos pode estar presente fístula sobre os seios maxilares drenando secreção semelhante à nasal.

Nos casos de sinusite secundária a distúrbios dentais o odor fétido é mais acentuado e a cavidade oral pode apresentar mesmo odor. Ao exame da cavidade oral é possível notar a presença de acúmulo de alimentos ou a presença de secreção ao redor do dente afetado.

Diagnóstico

Para diagnóstico definitivo e diferenciação entre sinusite primária e secundária, faz-se necessário um exame criterioso da cavidade oral, exame endoscópico da cavidade nasal e exame radiográfico do crânio.

O exame endoscópico do trato respiratório anterior tem a finalidade de confirmar a presença de secreção proveniente dos seios paranasais drenando a partir do orifício nasomaxilar, na porção caudal do meato nasal médio. Nos casos de sinusite secundária a distúrbios dentais, pode-se observar a presença de conteúdo alimentar associado à secreção sinusal, assim como secreção sanguinolenta nas sinusites secundárias a hematoma ou neoplasia paranasal.

O exame radiográfico do crânio permite a avaliação das raízes dentárias e a observação das cavidades sinusais. Ao posicionar a cabeça do animal para baixo, pode-se observar nos casos de sinusite uma linha de líquido. Nos casos de sinusite secundária a cistos, hematomas etmoidais e neoplasias, aumento de opacidade de toda cavidade pode estar presente.

A colheita de material para cultura e antibiograma é primordial para o êxito do tratamento. Esta colheita pode ser realizada através de sinocentese ou de sinoscopia, que nesse caso permite adicionalmente o exame detalhado do seio paranasal acometido. Nos casos de sinusite primária o achado mais comum durante a sinoscopia é o espessamento da mucosa sinusal, com alteração de coloração (avermelhada). Na sinusite secundária a distúrbios dentais, a região sobre a raiz dentária acometida encontra-se muitas vezes necrosada, com coloração enegrecida. A identificação das estruturas anatômicas sinusais pode ficar prejudicada devido ao espessamento da mucosa decorrente do processo inflamatório. Em casos de cisto, hematoma ou neoplasia, a identificação da massa determina o diagnóstico diferencial.

Tratamento

A falha em se instituir um tratamento apropriado durante os estágios iniciais de sinusite primária permite sua evolução para um quadro crônico com osteíte, princípio de necrose e destruição de tecidos moles e ósseos, com formação de abscessos profundos. A resposta à terapia com antibióticos sistêmicos pode ser favorável, especialmente se a escolha do princípio for baseada em cultura e teste de sensibilidade de aspirados coletados a partir de sinocentese ou sinoscopia.

O tratamento consiste na utilização de antibiótico selecionado a partir de testes de sensibilidade até que a ausência de secreção seja constatada. Muitas vezes torna-se necessária a realização de novos testes para confirmar se o antibiótico utilizado ainda está sendo eficaz no controle e remissão da infecção. O uso de antiinflamatório não esteroidal nos primeiros dias é recomendado com o objetivo de reduzir a inflamação local e por conseqüência o edema de mucosa, permitindo a drenagem da secreção sinusal acumulada através do orifício nasomaxilar.

A lavagem sinusal diária é realizada por meio de sonda fixada sobre o seio frontal, agindo como adjuvante na remoção da secreção sinusal. É importante ressaltar que deve ser mantido fluxo tal para que as placas aderidas à mucosa sinusal sejam também removidas. Esta lavagem é realizada com 2 litros de solução isotônica de ringer com lactato, cloreto de sódio 0,9% ou com água destilada. Mucolíticos podem ser associados à solução nos casos de secreção muito espessa.

Nos eqüinos com sinusite crônica, a presença de secreção purulenta, tecido desvitalizado ou a obstrução da fenda nasomaxilar podem tornar a lavagem local improdutiva, dificultando a remissão dos sintomas. Nesses casos recomenda-se a sinoscopia para remoção de exsudato e curetagem da mucosa inflamada, ou cartilagem conchal desvitalizada, com o animal sob anestesia geral. Na sinusite secundária, após a remoção da causa primária, o tratamento consiste na remoção cirúrgica da mucosa alterada, irrigação da cavidade sinusal e antibioticoterapia sistêmica. Nas sinusites secundárias a problemas dentários, o insucesso do tratamento pode ser atribuído à osteíte persistente, abscesso, ou falha na remoção de todo canal dentário, incluindo o dente envolvido.

Sinoscopia

O eqüino possui seis pares de seios paranasais: frontal, maxilar rostral, maxilar caudal, conchal dorsal, conchal ventral e esfenopalatino, sendo freqüente a ocorrência de afecções que acometem estes seios.

As afecções sinusais possuem importância clínica devido à sua tendência a cronicidade, e às dificuldades encontradas para se chegar ao diagnóstico definitivo e tratamento efetivo nos cavalos acometidos. Os distúrbios mais comuns nos eqüinos são sinusite primária, sinusite secundária a distúrbios dentais, hematoma etmoidal, cistos e neoplasias.

Os meios auxiliares mais utilizados na rotina clínica para o diagnóstico das afecções sinusais incluem a avaliação dos sinais clínicos, exame radiográfico dos seios paranasais, exame endoscópico das vias aéreas anteriores e aspiração do conteúdo sinusal para posterior exame citológico ou bacteriológico. Mesmo sendo muito úteis, as informações obtidas através destes exames podem não ser totalmente esclarecedoras. A exploração cirúrgica através de sinusotomia pode levar a um diagnóstico definitivo, porém, requer geralmente a manutenção do animal sob anestesia geral, além de possibilidades de complicações e gastos adicionais.

A endoscopia dos seios paranasais, denominada sinoscopia, permite o exame direto e detalhado dos seios paranasais em cavalos sedados e mantidos em estação. Anestésico local é infundido no local da incisão de pele. Este procedimento minimamente invasivo é bastante útil nos casos em que a endoscopia das vias aéreas ou exame radiográfico do crânio não forneceram resultados conclusivos, como por exemplo, nos casos de massas sinusais onde a semelhança na imagem radiográfica geralmente dificulta a diferenciação entre neoplasias, cistos e hematomas. Outra limitação do exame radiográfico ocorre quando linhas de líquido na cavidade sinusal mascaram massas em seu interior ou infecção em raiz dentária.

O acesso aos seios é obtido com o auxílio de furadeira e broca ou de um trépano, e o endoscópio utilizado pode ser tanto o rígido como o flexível de pequeno calibre. O local ideal para realização da sinoscopia do seio frontal situa-se 5 cm lateral à linha média, 0,5 cm caudal a linha que une os cantos mediais dos olhos. No seio maxilar caudal, este portal situa-se 3 cm rostral e 2,5 ventral ao canto medial do olho e no seio maxilar rostral 1,5 cm dorsal e 2 cm caudal ao limite rostral da crista facial.

sinusite equina 1

Através de técnica de triangulação associada a sinoscopia, com a utilização de um portal adicional para introdução de instrumental específico, é possível a realização de sinocentese mais precisa, biopsias e até mesmo pequenos procedimentos cirúrgicos vídeoendoscópicos, como debridamento em casos de sinusite, remoção de cistos e hematomas sinusais.

Os portais para triangulação no seio frontal localizam-se 2 cm rostral e 2cm caudal ao portal do seio frontal. Para a realização da técnica de triangulação no seio maxilar caudal, o portal localiza-se 2,5 cm rostral ao local de introdução da óptica para sinoscopia neste seio. O pequeno tamanho do seio maxilar rostral não permite a realização de técnica de triangulação, não havendo, portanto, portal específico para este fim.

As estruturas examinadas através do portal localizado sobre o seio frontal são a bulha conchal ventral, turbinado etmoidal, abertura nasomaxilar, canal infra-orbitário, abertura frontomaxilar, a entrada para o seio esfenopalatino, o seio conchal dorsal e as raízes do segundo e terceiro dentes molares.

sinusite equina 2

sinusite equina 3

Com o endoscópio posicionado no portal do seio maxilar caudal pode-se examinar a bulha conchal ventral, turbinado etmoidal, abertura nasomaxilar, canal infra-orbitário, raiz do segundo e terceiro dentes molares, abertura frontomaxilar e o septo do seio maxilar.

sinusite equina 4

Por meio do portal do seio maxilar rostral, podem ser examinados o septo do seio maxilar, primeiro dente molar, canal infra-orbitário e a abertura concho-maxilar, que leva ao seio conchal ventral.

As possíveis complicações envolvendo a sinoscopia incluem enfisema subcutâneo leve após o fechamento do portal. Esta complicação não é incomum e é resolvida de forma espontânea após alguns dias.

Podemos ver esse exemplo:

Uma empresa Inglesa postou um procedimento de lavagem da cavidade nasal equino com sinusite.

facebook.com/TheEquineDentalClinic/videos/537864583005113/

Fonte:

Artigo de Sinusite Equina

Autores

Thaís Sodré de Lima Machado
Doutoranda,
Depto. de Cirurgia – FMVZ /USP

Luis Claudio Lopes Correia da Silva
Prof. Associado,
Depto. de Cirurgia – FMVZ /USP

 

Deixar um comentário

O seu e-mail não será publicadoEstes campos são obrigatórios *

*

x

Checar também

Foto: Fazenda Bergamini

Vermífugos na hora certa pode gerar ganhos de R$ 40 por cabeça

Um estudo realizado por pesquisadores da Universidade Estadual Paulista Júlio Mesquita (Unesp) levantou um dado ...

bezerros nelore

Fazenda no Mato Grosso faz a desmama aos 100 dias de idade

O Nortão do MT exibia-se para Pedro e eu, agradecendo a chuva que acabara de ...