20 bois são achados desnutridos e 10 mortos em fazenda

20 bois são achados desnutridos e 10 mortos em fazenda

PARTILHAR
Trinta bois foram achados desnutridos e mortos em fazenda e produtor foi autuado por maus-tratos em Juara — Foto: Polícia Militar de Juara (MT)/Divulgação

Peões eram responsáveis por tocar a boiada de uma propriedade para outra, onde havia pastagem para os bois se alimentarem. Veja a história completa!

Vinte bois foram achados desnutridos e 10 mortos em uma fazenda em Juara, a 690 km de Cuiabá. Segundo o Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea), a situação ocorreu na terça-feira (1º) e o produtor foi autuado por maus-tratos aos animais.

Segundo o médico veterinário do instituto, Francisco Valtênio Sales, policiais militares faziam rondas e viram alguns animais caídos em uma estrada perto da fazenda.

O dono dos animais alegou ao Indea que, por conta da seca, não achava mais pastos disponíveis para o gado se alimentar.

Peões eram responsáveis por tocar a boiada de uma propriedade para outra, onde havia pastagem para os bois se alimentarem.

“O produtor não deu alimentação suficiente e a situação agravou-se pelo período da seca. Ele transportava o gado, a pé, de uma fazenda para outra e alguns animais morreram no trajeto. Outros estavam fracos e não conseguiram prosseguir”, explicou o veterinário ao G1.

Não seria a primeira vez que o produtor teria sido alvo de denúncias do tipo. A propriedade dele já tinha sido vistoriada e ele foi alertado para dar o tratamento e a alimentação corretos aos animais.

Vinte bois foram achados desnutridos e 10 mortos em uma fazenda em Juar — Foto: Polícia Militar de Juara (MT)/Divulgação

“Esse ano a seca foi muito atípica. Vimos diversas situações de produtores com dificuldades, mas em uma situação crítica como essa, foi a única. Ele foi advertido e terá que cuidar dos animais”, completou.

O Ministério Público Estadual (MPE) foi comunicado sobre o caso. O produtor ainda terá que ir até o Indea para dar esclarecimentos ao órgão.

Outro caso de abandono do rebanho que aconteceu esse ano

Dos animais, 17 morreram e os demais estavam debilitados. Proprietário abandonou animais em área sem disponibilidade de forragem e água. Veja!

Fazendeiro de 63 anos foi multado em R$ 135 mil por abandonar 270 cabeças de gado sem pastagem e água em uma fazenda localizada em Paranaíba. Situação foi constatada nessa quinta-feira (16), pela Polícia Militar Ambiental (PMA).

Equipe da PMA foi até o local após receber denúncias de possíveis maus-tratos a animais e, ao chegar na propriedade, constatou que a pastagem estava totalmente degradada, apresentando apenas terra, sem grama, em grande parte, de onde o gado não podia mais retirar alimento. Além da situação, o tamanho da área era pequeno para as 270 cabeças. 

gado-maus-tratos2
Animais morreram ou estavam debilitados – Divulgação / PMA

Todos os animais estavam extremamente debilitados, com alguns deitados sem conseguir se levantar, e 17 deles já estavam mortos por desnutrição.

O proprietário, que mora em Três Lagoas, não estava na propriedade. Vizinhos informaram que há aproximadamente três meses não aparece ninguém na propriedade, estando a sede abandonada e deteriorada.

gado-maus-tratos2
Animais morreram ou estavam debilitados – Divulgação / PMA

Gado foi apreendido e a Agência Estadual de Defesa  Sanitária Animal e Vegetal (Iagro) foi acionada para as providências relativas aos animais.

O fazendeiro foi autuado administrativamente e multado em R$ 135 mil por maus-tratos aos animais e mais R$ 10 mil por degradação das matas ciliares de córrego existente na fazenda. 

gado-maus-tratos3
Animais morreram ou estavam debilitados – Divulgação / PMA

Ele também responderá por crime ambiental de maus-tratos a animais, que tem pena prevista de três meses a um ano de detenção e por degradação de área protegida de preservação permanente, com pena prevista  um a três anos de detenção.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com