A pecuária caminha para o abismo

A pecuária caminha para o abismo

PARTILHAR
Foto Divulgação.

Os produtores de todo o Brasil, tem clamado pela atenção dos governantes, já que a situação é crítica e a crise instalada no setor não tem fim. Veja o vídeo!

A crise instalada na pecuária, principalmente na leiteira, é um absurdo. A situação atual do preço dos insumos, o preço recebido pelo produto entregue aos laticínios e frigoríficos e, acima de tudo, a falta de políticas governamentais são um verdadeiro descaso com o pecuarista.

As movimentações por uma pecuária leiteira melhor começou. Um movimento que começou em 2018, vem ganhando força nas redes sociais e grupos de whatsapp. A união dos produtores começou a tomar corpo e clama pela atenção dos governantes. É hora do produtor ser ouvido pelo seu Presidente, eleito pela força do Agronegócio.

O produtor Edilberto Carneiro, de Palminópolis (GO), gravou um vídeo sobre a situação da cadeia produtiva do leite. No discurso, ele pede ajuda ao presidente Jair Bolsonaro e à ministra da Agricultura, Tereza Cristina. Para ele, o setor está sendo usando como “moeda de troca” pelo governo em suas decisões.

A agropecuária brasileira caminha para o abismo e o posicionamento do governo é de descaso, afirma o comentarista Miguel Daoud. A forma pela qual o produtor é tratado pelo governo, é um verdadeiro absurdo.

Veja o vídeo do produtor Edilberto Carneiro:

As leis, quando feitas, visam favorecer as indústrias e não a base produtiva do país. As importações de lácteos desenfreada, a falta de um preço mínimo para o pagamento do leite e ausência do incentivo ao consumo dos lácteos, deixam o setor pasmado.

Chegou a hora de gritar “BASTA”, chegou a hora de dizer “OLHA PRA GENTE PRESIDENTE”, chegou a hora de mostrar a “IMPORTÂNCIA DO SETOR”. Vamos em frente, vamos construir uma nova história para a pecuária leiteira!

VAMOS JUNTOS, CONSTRUINDO LEITE BRASIL!

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com