Apagão de boiada mantém preços elevados a R$ 345/@

PARTILHAR
Confinamento e Boitel VFL BRASIL. Foto: Marcella Pereira

Conforme dito anteriormente, mesmo com uma frente confortável em suas escalas de abate, os frigoríficos encontram dificuldades em exercer pressão negativa nos preços!

O mercado físico do boi gordo apresenta preços firmes ao longo desta semana, com a manutenção dos preços nas principais praças pecuárias pelo país nessa quinta-feira, 13. Mesmo com uma frente um pouco mais confortável em suas escalas de abate, os frigoríficos encontram dificuldades em exercer pressão sobre o mercado, conforme anunciado pelo Portal.

Do outro lado, dentro da porteira, os pecuaristas aproveitam a boa capacidade de retenção dos lotes nas pastagens para poder segurar a oferta de animais na praça e, com isso, reduzir a pressão negativa das indústrias. “Essa é uma consequência da boa capacidade de retenção que o pecuarista apresenta no decorrer do primeiro bimestre, com pastagens em ótimas condições no Centro-Norte do país”, apontou a Safras & Mercado.

Em São Paulo, as boas compras na primeira semana de janeiro permitiram o alongamento das escalas, o que fez com que o mercado trabalhasse menos pressionado ao longo desta semana. Após recuarem ontem (12/1), hoje os preços estão estáveis na comparação diária. Boi, vaca e novilha gordos estão apregoados em R$337,00/@, R$308,00/@ e R$326,00/@, respectivamente, preços brutos e a prazo, apontou a Scot Consultoria.

No mercado, ainda existe um ágio para bovinos com destino à exportação chega a R$15,00/@, sendo assim as negociações para bovinos até quatro dentes, o “boi China”, negócios seguem firmes e com valores de até R$345,00/@. Segundo o app da Agrobrazil, os pecuaristas de Sud Mennuci/SP, venderam boiada para o exportação por R$ 345,00/@ com pagamento à vista e abate para o dia 24 de janeiro de 2022, veja imagem abaixo.

Sendo assim, em São Paulo, o valor médio para o animal terminado apresentou uma média geral a R$ 333,83/@, na quinta-feira (13/01), conforme dados informados no aplicativo da Agrobrazil. Já a praça de Goiás teve média de R$ 334,06/@, seguido por Mato Grosso Sul com valor de R$ 320,35@. E em Mato Grosso, a média fechou cotada a R$ 334,63/@.

O preço do Indicador do Boi Gordo/CEPEA, apresentou leve desvalorização no fechamento de ontem, uma que de 0,40%. Sendo assim, os preços da arroba do boi gordo na média paulista saltaram de R$ 335,05/@ para o valor de R$ 333,70/@. Confira o gráfico abaixo!

O que sustenta o preço em patamares próximos aos R$ 335,00/@ em São Paulo, é a restrita oferta de animais. Na B3, o contrato futuro do boi gordo com vencimento para jan/22, encerrou o dia cotado a R$ 336,90/@, 0,24% de queda em relação a quarta-feira. 

Na avaliação dos analistas da IHS, não deve haver consideráveis perdas de força nos preços da arroba bovina para o curtíssimo prazo, já que atual condição do mercado brasileiro ainda é de restrição de oferta de boiada gorda, enquanto as compras dos frigoríficos seguem em ritmo cadenciado.

Porém, relata a IHS, as indústrias irão continuar testando novos negócios a valores abaixo das máximas, visando proteger as suas apertadas margens operacionais.

Arroba é negociada acima de R$ 330 neste início de ano

Os preços médios da arroba bovina negociada em São Paulo estão se mantendo acima dos R$ 330 desde o início deste ano, atingindo recorde nominal diário no dia 5, quando fechou a R$ 345,25. Segundo pesquisadores do Cepea, a retomada dos envios de carne bovina à China vem sustentando os valores da arroba.

Além da demanda mais aquecida por novos lotes para abate por parte de frigoríficos, a oferta de animais segue baixa. Em Minas Gerais e em partes de Goiás, especificamente, pesquisadores do Cepea indicam que as frequentes chuvas nestas últimas semanas causaram enchentes e dificuldades em carregar gados, tendo em vista que algumas estradas ficaram interrompidas. Houve relatos, também, de cancelamento de leilões em determinadas cidades do estado mineiro.

Giro do Boi Gordo pelo Brasil

  • Em São Paulo, no interior do estado, os preços ficaram em R$ 342/@, estáveis.
  • No triângulo mineiro negócios em R$ 337 a arroba, contra R$ 335 do dia anterior.
  • Em Goiânia, cotação avançou para R$ 327 a arroba, no comparativo com R$ 325/@ a prazo anteriormente.
  • Em Mato Grosso do Sul, o boi gordo ficou posicionado em R$ 323/@ a prazo, sem mudanças.
  • Em Mato Grosso, a arroba foi indicada em R$ 316 a arroba, contra R$ 314 a prazo do dia anterior.

Atacado

O mercado atacadista apresentou preços acomodados ao longo da quinta-feira. Segundo Iglesias, o ambiente de negócios ainda sugere pouco espaço para reação. “O cenário doméstico é bastante difícil, considerando as despesas usuais que descapitalizam o consumidor no período, a exemplo do IPTU, IPVA e a compra de material escolar. Além disso, as proteínas concorrentes estão em franco descenso, ou seja, a opção será por proteínas mais acessíveis”, comenta Iglesias.

O quarto traseiro ainda é precificado a R$ 24,90, por quilo. Quarto dianteiro ainda é cotado a R$ 15,50. Ponta de agulha permanece precificada a R$ 15,40, por quilo.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com