Arroba crava R$ 325 e quebra recorde, vai subir mais!

PARTILHAR
Confinamento e Boitel VFL BRASIL. Foto: Marcella Pereira

O mercado segue pautado pela grande escassez de animais para abate e os preços quebram recorde em vários estados, arroba ainda vai a R$ 330,00; Veja!

O mercado físico de boi gordo começou a semana com preços entre estáveis a mais altos, quebrando recorde na abertura da semana a R$ 325,00/@. No cenário geral não houve grande avanço na oferta de animais terminados e prontos para o abate na maior parte do país, o que sustenta a disparada de preços. O melhor cenário para o pecuarista é que os preços da arroba ainda vão subir mais!

Qual o motivo da escassez de animais para abate? Bom, o motivo para a este cenário, deve-se sobretudo ao movimento de abates excessivos de fêmeas corrido entre os anos de 2016 e 2018, reduzindo a oferta de animais para reposição no passado e, consequentemente, o boi gordo de hoje!

Segundo a Scot Consultoria, a novilha gorda é negociada a R$304,00/@, preços brutos e a prazo. Já para a vaca gorda, a alta foi de R$2,00/@, negociada em R$287,00/@, preço bruto e a prazo.

O Indicador Cepea/Esalq abriu o mês de abril com grande valorização e registrou um novo recorde e superou R$ 317 por arroba. Sendo assim, no acumulado do ano, o indicador teve uma alta de 19% e, em 12 meses, os preços alcançaram 56% de valorização.

Em São Paulo, o valor médio para o animal terminado chegou a R$ 316,34@, na segunda-feira (05/04), conforme dados informados no aplicativo da Agrobrazil. Já a praça de Goiás teve média de R$ 299,56/@, seguido por Mato Grosso Sul com valor de R$ 298,23/@.

Para os animais que atendem os requisitos do mercado chinês, as ofertas de compra giram em torno de R$325,00 por arroba, considerando o preço bruto e à vista. Segundo o pecuarista de São João da Boa Vista/SP, ele vendeu seu lote a R$ 325,00/@ com o pagamento à vista e abate programado para o dia 14 de abril. Veja a imagem abaixo!

As escalas de abate encurtadas, posicionadas entre dois e quatro dias úteis. Nos próximos trinta dias a tendência é de um ambiente ainda pautado pela restrição de oferta. Fator esse que aliado ao começo do mês e aumento do consumo no mercado interno, deve trazer nova disparada nos preços com arroba chegando a R$ 330,00 nas praças paulistas!

Ainda que a demanda preocupe, os preços do animal na B3 continuam a avançar, e o contrato para maio/21 bateu os R$ 314,95/@, valorizando 0,99% no comparativo diário.

Exportações

Com um total de 45,05 mil toneladas embarcadas nos oito dias úteis finais de março/21, as exportações de carne bovina encerraram o último mês com um total de 133,82 mil toneladas, 31,03% superior a fevereiro/21 e 6,31% acima de março/20.

Este volume representa um recorde histórico para um mês de março, que teve a contribuição também da maior quantidade de dias úteis no último mês. Esses números, levam 2021 a “encostar” em 2020 nas exportações de carne bovina, visto que os dois primeiros meses do ano foram piores.

Giro do Boi Gordo pelo Brasil, segundo Safras

  • Na capital de São Paulo, a referência para a arroba do boi ficou a R$ 320 a arroba, estável na comparação com a quinta-feira.
  • Em Goiânia (GO), a arroba teve preço de R$ 300, estável.
  • Em Dourados (MS), a arroba foi indicada em R$ 306, ante R$ 305 a arroba.
  • Em Cuiabá (MT), a arroba ficou indicada em R$ 305/R$ 306 a arroba, ante R$ 305.
  • Em Uberaba (MG), preços a R$ 313, contra R$ 310.

Carne bovina no atacado

No mercado atacadista, os preços da carne bovina ficaram de estáveis a mais altos. Conforme Iglesias, a tendência é que haja maior espaço para reajustes no decorrer da primeira quinzena do mês. Além da entrada dos salários na economia precisa ser considerado uma nova rodada do auxílio emergencial, fomentando o consumo de produtos básicos, incluindo carne bovina.

“Logicamente o impacto será maior sobre os cortes mais acessíveis, a exemplo dos cortes do quarto dianteiro. A limitação do funcionamento de restaurantes, bares e de outros estabelecimentos segue prejudicando o consumo de cortes nobres”, diz.

Com isso, o corte traseiro seguiu em R$ 20,50 o quilo. O corte dianteiro teve preço de R$ 17,55 o quilo, com alta de cinco centavos, e a ponta de agulha permaneceu em R$ 17,30 o quilo.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com