BB deverá liberar até R$ 103 bi em crédito rural

PARTILHAR
Foto Divulgação.

“A CPR vai ficar mais próxima do produtor, da atividade que ele faz, vai dar uma velocidade e dinamismo muito grande”, projeta Rabelo. Veja abaixo!

O Banco do Brasil, principal financiador do setor agropecuário no país, prevê recorde para seus desembolsos de crédito rural nesta safra 2020/21, que terminará em 30 de junho. A expectativa do vice-presidente de Agronegócios e Governo do BB, João Rabelo, é que o montante alcance pelo menos R$ 95 bilhões, depois de chegar a R$ 93,5 bilhões em 2019/20.

A projeção é amparada pelos bons resultados das colheitas e pelos preços remuneradores das principais commodities agrícolas e pelo avanço dos canais digitais nessa frente em meio à pandemia, inclusive para a emissão de Cédulas de Produto Rural (CPR).

Nesse sentido, disse Rabelo, a marca de R$ 95 bilhões poderá ser superada. “A faixa de R$ 95 bilhões a R$ 103 bilhões é boa para a gente trabalhar. Estou mirando no alto”.

De julho de 2020 a fevereiro, foram R$ 58,7 bilhões emprestados, 12% mais que nos oito primeiros meses do ciclo anterior. No total, os desembolsos de crédito rural somaram R$ 147,5 bilhões no período — ou seja, a fatia do BB foi de 40%. “O produtor rural está pronto para fazer seus investimentos. Está inclusive aceitando esperar para receber a máquina que quer. Assim, nossa expectativa é chegar realmente bem no próximo plano”, afirmou ele.

O otimismo com as projeções já é sentido na prática. A carteira de agronegócios do BB saltou de R$ 160 bilhões, em 2020, para R$ 190 bilhões em fevereiro, e a previsão é atingir R$ 210 bilhões no fim do ano. “Vamos crescer bem”, disse Rabelo.

O crescimento é baseado nos bons resultados do setor em si, com safras fartas e preços nas alturas, mas também em novos produtos e meios de contratação oferecidos pelo banco. No caso das emissões de CPRs, por exemplo, na safra passada foram mais de R$ 5,5 bilhões, e nos oito primeiros meses desta temporada o valor já atingiu R$ 4,1 bilhões — 80% das emissões feitas de forma digital.

“A CPR vai ficar mais próxima do produtor, da atividade que ele faz, vai dar uma velocidade e dinamismo muito grande”, projeta Rabelo. O BB ampliou a oferta do título para 19 novos produtos este ano, como amendoim, laranja, batata, trigo, suínos e bezerros. O total chegou a 25 itens contemplados. “Só nos produtos novos, lançados em dezembro, já fizemos R$ 55 milhões em CPRs”. As operações, contratadas de forma simples, são feitas com recursos da poupança livre e de LCAs.

O BB quer ampliar ainda mais a contratação digital, que ainda representa menos de 20% de seus desembolsos totais de crédito rural. A simplificação do processo e a redução das exigências para esse tipo de operação são aguardadas pelo banco. “O custo de observância, a quantidade de telas que o produtor tem que preencher, ainda é grande”, afirmou.

No ano passado, uma das experiências mais bem-sucedidas do BB foi justamente no campo digital. A feira virtual para venda de máquinas na plataforma Broto, ambiente online de negócios, movimentou R$ 150 milhões. No ranking de resultados dos eventos presenciais de 2019, seria a quinta maior em termos de desembolsos efetivos — o mesmo volume da Bahia Farm Show, realizada em Luis Eduardo Magalhães (BA).

Uma nova edição da feira deverá ocorrer no segundo semestre deste ano, com mais agilidade para a negociação na compra de máquinas e outros produtos disponíveis no Broto. “Em 2020, o produtor pedia um orçamento e a revenda entregava 48 horas depois. Estamos conseguindo orçamentos online, que vai dar agilidade ao processo”, destacou Rabelo. Os produtores também poderão recorrer ao mercado futuro de mercadorias e fazer operações de compra ou venda antecipada na plataforma. “O produtor descobriu o digital. Reservamos R$ 500 milhões para essa edição no Broto podendo chegar a R$ 1 bilhão”, disse

O volume recorde de desembolsos também deve ter a participação dos recursos do pré-custeio. O BB alocou R$ 16 bilhões para essa finalidade. Desse total, R$ 500 milhões saíram na primeira semana, e março deverá chegar ao fim com R$ 3 bilhões em contratações.

O BB olha com atenção a expectativa de juros a longo prazo para definir condições dos recursos próprios que alimentam linhas de investimentos para a próxima safra. “Vamos ter que aguardar”, disse Rabelo.

Nesta temporada, o BB disponibilizou quase R$ 3 bilhões para o Moderfrota, que financia a compra de máquinas e equipamentos, e outros investimentos. Em novembro aportou mais R$ 1 bilhão para esse fim, já esgotados. Um novo aporte semelhante foi feito recentemente. “A gente entende que vai atender demanda, e temos mais R$ 4 bilhões para investimentos e custeio do Pronaf para serem aplicados”.

Fonte: Valor Econômico.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.